Encadeamento Produtivo fortalece relações entre empresas e cooperativas


AGROCOOP


Eliane Duz explica que sua empresa oferecerá, gratuitamente, orientações sobre os processos de marcas e patentes às empresas do Encadeamento Produtivo

Ancorado pela Aurora Alimentos e Sebrae/SC, o projeto “Encadeamento Produtivo: Aurora Alimentos – Sebrae/SC: suínos, aves e leite”,  resulta parceria, em Santa Catarina, entre Senar/SC, Sescoop/SC, Sicoob, Fundação Aury Luiz Bodanese, Cooperalfa, Caslo, Coolacer, Auriverde, Coopervil, Itaipu, Cooper A1, Coopercampos, Copérdia. No Rio Grande do Sul os parceiros são o Sebrae/RS, Cotrel, Cooper A1, Copérdia e Sicredi/RS. No Paraná, é desenvolvido com o Sebrae/PR, Senar, Cocari, Camisc, Cooperativa Alfa e, no Mato Grosso do Sul, é realizado juntamente com o Sebrae/MS e Coasgo. A iniciativa é destinada às micro e pequenas empresas da cadeia produtiva do agronegócio – rurais e urbanas.

E os resultados obtidos são continuamente comemorados. A Proteger Propriedade Intelectual, por exemplo, aderiu ao Projeto em agosto de 2015 e, desde então, obteve resultados expressivos. Além da participação em feiras, cursos, treinamentos, a iniciativa possibilitou aumentar o networking, trocar experiências e conhecimentos, além da geração de negócios entre os empreendimentos participantes.

“Aprendemos com nossos colegas parceiros e também disseminamos nosso conhecimento, seja de modo formal, por meio de uma palestra ou rodada de negócios, ou de maneira informal durante um bate papo”, destaca a diretora executiva da empresa, Eliane Duz.

A empresária comenta que ao contratar um serviço ou adquirir um produto de determinada empresa, está apenas comercializando, mas quando se conhece a pessoa e a organização, a negociação torna-se “informal” e, ao mesmo tempo, mais confiável. “Você está adquirindo o produto ou serviço porque confiou na pessoa, acreditou que está fazendo um bom negócio e que está tratando com conhecidos que têm um objetivo em comum, que participam de um mesmo grupo e que dificilmente terão problemas. Acredito que este seja um dos itens mais importantes do projeto. Além disso, as empresas participantes tornam-se referência que damos às pessoas que necessitam dos seus produtos ou serviços. Sempre temos uma indicação a fazer, fomentando a geração de negócios”, enfatiza Duz.

Com o objetivo de retribuir as conquistas e valorizar os participantes, a Proteger desenvolveu uma iniciativa especial aos integrantes do projeto. A empresa oferecerá orientações sobre os processos de marcas e patentes e busca preliminar da marca, de forma gratuita, e disponibiliza-se a realizar workshop e palestra sobre o assunto.

Para as negociações, os participantes do projeto terão desconto de 30% no valor de tabela dos pedidos de registro de marca e de 25% nos pedidos de patente e busca em base tecnológica, além de condições de pagamento facilitadas de forma a atender a possibilidade financeira da empresa contratante. Além disso, oferecerá desconto de 50% no valor do serviço de monitoramento. “Estas condições são válidas para os empreendimentos integrantes do Projeto Encadeamento Produtivo, pois queremos ‘blindar’ nossos parceiros contra a pirataria e uso indevido de marca”, destaca Eliane.

O mais importante, segundo ela, é que todos estejam protegidos e não percam a história de suas empresas, pois quando se perde a marca, o sonho perde-se junto. “Todo o trabalho de posicionamento tem que ser iniciado, trazendo um atraso desnecessário à vida empresarial, sem contar os custos advindos desta perda”.



Publicidade