Cooperativa oferece opções de investimentos para diferentes perfis

Publicado em: 05 outubro - 2018

Leia todas


“Como nada substitui uma boa conversa, especialmente quando se trata de investimentos, recomendamos que todos procurem se informar”, diz Adriana Zandoná França, gerente de desenvolvimento de negócios do Sicredi

Atento às mudanças no mercado financeiro e no comportamento dos clientes, o Sicredi tem procurado especificar cada vez mais seu amplo portfólio de produtos, com alternativas que atendem diferentes perfis de investidores, desde os conservadores – que buscam menor rentabilidade e maior segurança – até os mais arrojados.

Para o primeiro grupo, a instituição recomenda as opções de renda fixa. A poupança, que tem rentabilidade menor, mas em contrapartida apresenta maior segurança, é a mais simples e ainda bastante escolhida pelos clientes. Tanto que, no ano passado, a carteira do Sicredi alcançou R$ 9,59 bilhões, montante 39,4% superior ao registrado em 2016.  Outros dois produtos de renda fixa sugeridos pela cooperativa são o RDC (Recibo de Depósito Cooperativo), semelhante ao CDB (Certificado de Depósito Bancário), e o Sicredinvest. Ambos são atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), indexador referência que determina a rentabilidade mínima de um investimento e costuma acompanhar a Selic, taxa básica de juros. Quanto maior o tempo de permanência dessas aplicações, maior a rentabilidade. A LCA (Letra de Crédito do Agronegócio), com percentual atrelado ao CDI, também é opção e se difere do RDC e do Sicredinvest por ser isenta de Imposto de Renda e, por isso, acaba tendo rentabilidade ainda maior.

Para o investidor moderado, o Sicredi oferece aplicações em fundos de renda fixa e variável, como o fundo de inflação e os fundos multimercado. “São opções com maior volatilidade, todavia apresentam rentabilidade acima da Selic”, comenta a gerente de desenvolvimento de negócios do Sicredi, Adriana Zandoná França. O fundo de inflação, por exemplo, busca rentabilidade do indicador IMA-B, composto por vários títulos públicos federais. “É indicado para quem procura retorno em médio e longo prazo”, diz a executiva. Já o fundo multimercado diversifica o investimento do associado em renda fixa e variável e é caracterizado por não concentrar as aplicações em nenhum fator de risco em especial. “É um fundo que o gestor pode mudar as suas posições ao longo do mês, conforme a movimentação do mercado, trazendo boa rentabilidade para o investidor.”

Para perfis mais arrojados ou agressivos, o Sicredi tem fundos que podem apresentar rentabilidade maior em longo prazo. Umas das opções é Ibovespa, com aplicação inicial mínima de R$ 500, que busca ultrapassar a rentabilidade do índice Bovespa e proporciona resultados futuros. O fundo Petrobras, que acompanha o desenvolvimento das ações da estatal, é alternativa para investir 90% dos recursos do investidor na companhia petrolífera e 10% em títulos de renda fixa do Tesouro Nacional. A aplicação inicial deve ser de R$ 200. “Em investimentos de renda variável como esses, cuja volatilidade é maior, o investidor precisa ter mais cautela e perseguir uma visão de médio e longo prazo, pois como o próprio nome diz, a renda oscila de acordo com o indexador do fundo”, alerta Adriana, ressaltando que no site do Sicredi é possível acompanhar a lucratividade dos títulos no dia, mês e no acumulado dos últimos 12, 24 ou 36 meses.

A especialista ainda reforça o papel de aconselhamento dos gerentes regionalmente: “como nada substitui uma boa conversa, especialmente quando se trata de investimentos e todas as suas variações, recomendamos que todos que se interessem procurem se informar. Nos últimos anos temos expandindo nossa rede de atendimento justamente para levar este aconselhamento a mais pessoas.”

 

Fonte: Sicredi, com adaptação Redação MundoCoop



Publicidade