Cooperativas de crédito marcam presença na Agrishow 2018 ao lado de bancos

Publicado em: 02 maio - 2018

Leia todas


Os sistemas de crédito cooperativo Sicredi, Sicoob e Cresol estão presentes na Agrishow em espaços próprios, fortalecendo seu relacionamento com os associados e oferecendo possibilidades de financiamento diferenciadas, principalmente quando comparados aos bancos tradicionais presentes: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Santander.

Cooperativas de crédito marcam presença na Agrishow 2018 ao lado de bancos (Foto: Divulgação Agrishow/Ofício da Imagem)

Cooperativas de crédito marcam presença na Agrishow 2018 ao lado de bancos (Foto: Divulgação Agrishow/Ofício da Imagem)

O Sicoob, segundo seu presidente Henrique Castilhano Vilares, está presente pelo segundo ano consecutivo e leva condições mais competitivas em linhas de crédito, serviços e produtos financeiros aos 170 mil participantes da mais importante feira de agronegócios na América Latina. A meta é movimentar nos cinco dias da 25ª Agrishow – Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação operações financeiras num total de R$ 250 milhões, volume R$ 108 milhões acima do montante realizado na feira de 2017.

“A Agrishow é uma vitrine para levar para o Brasil todo o nosso sistema, que é o sexto maior em patrimônio líquido em âmbito nacional quando comparado com os bancos comerciais, destacou.

O Sicredi tem linha de financiamento de R$ 100 milhões para o evento. Esse sistema, que se posiciona como a terceira maior instituição financeira em crédito rural do País, em seu estande, durante os cinco dias de feira, oferecerá uma experiência completa de atendimento da instituição financeira cooperativa. O espaço, desenvolvido de acordo com o novo conceito de ambientação arquitetônica da marca, busca explorar um dos principais diferenciais da instituição: o relacionamento.  “A Agrishow é a maior prova do bem sucedido agronegócio brasileiro e é lá que o produtor rural encontra as melhores oportunidades de negócios”, afirmou Gustavo Nicoletti, gerente regional de Desenvolvimento do Cento Leste Paulista.

A Cresol, por sua vez, está presente para fortalecer seu relacionamento com os associados e divulgar a marca.

Bancos – A expectativa dos bancos também é de aumento de negócios na Agrishow e, para isso, usam como base os resultados registrados já no dia de abertura da feira, 30 de abril. O Santander tem uma linha de crédito pré-aprovada de R$ 1 bilhão, segundo o superintendente executivo Brasil, Paulo Cesar Bertolane. “O cliente já vem com carta de crédito pré-aprovada e a documentação para o crédito é analisada na feira”, diz Bertolane, otimista quanto às negociações. O Bradesco também está participando da feira.

O Banco do Brasil já comemora os primeiros resultados, com meta de superar as propostas de R$ 1,15 bilhão de 2017. O vice-presidente de agronegócios do BB, Tarcísio Hubner, diz que o foco neste ano é na liberação de crédito, não apenas em prospecção para eventuais fechamentos posteriores à feira. Para isso, foi realizado um trabalho pré-feira. O resultado foi comemorado: no primeiro dia de evento foram prospectados mais de R$ 500 milhões. Desse total, linhas de crédito de R$ 120 milhões já foram fechadas e liberadas. A procura de financiamento é mais por máquinas e implementos para grãos, depois para cana. Hubner informa que foi disponibilizado um telão, com painel divulgando os resultados dos negócios na Agrishow, ao lado do estande.

O Banco CNH Industrial também tem expectativa de crescimento de financiamento. Segundo o representante comercial da instituição, Fernando Oliveira, o primeiro dia de Agrishow teve crescimento de propostas entre 15% e 20% em relação ao primeiro dia de evento de 2017. “Nossa expectativa é crescer em relação a edição anterior”, afirma Oliveira, acrescentando que não há limite para crédito: isso dependerá do crédito de cada cliente. O Banco AGCO Finance também está oferecendo várias opções de crédito para aquisições de máquinas e implementos aos seus clientes, com linhas e taxas especiais. “São boas as perspectivas de negócios diante da retomada da economia e da boa colheita na maioria das regiões do país”, diz o superintendente comercial do banco, Paulo Schuch.

Palestra

O presidente do Bancoob, Banco Cooperativo do Brasil, Marco Aurélio Borges de Almada Abreu realizou, 1º  de maio, na Arena do Conhecimento da Agrishow, a palestra “O Sicoob e o financiamento para o agronegócio”.

Durante a palestra o presidente do Bancoob ressaltou que o cooperativismo é um modelo de negócio que se desenvolve em países desenvolvidos, em desenvolvimento e até naqueles subdesenvolvidos.
Segundo o presidente, o cooperativismo no Brasil se equiparou aos melhores sistemas de cooperativismo do mundo. “Em nosso atual estágio de cooperativismo de crédito podemos afirmar que estamos no mesmo patamar dos bancos. O Banco Central desenvolveu departamentos especializados em cooperativas e todos os órgãos de supervisão pública prestam atenção no cooperativismo”, destacou Almada.
Outro ponto abordado na palestra foi o financiamento de produtos. “As cooperativas financiam produtos em todas as atividades do agronegócio. Cooperativa é uma financeira sólida”, disse ao provocar: “Não há mais desculpas para não operar numa cooperativa financeira. As condições são melhores que nas instituições financeiras comuns”.

De acordo com Almada, o segmento de crédito cooperativado vem tendo expressiva expansão nas últimas décadas. “Para se ter uma ideia do crescimento, há 21 anos o Bancoob era o último da lista de 130 instituições financeiras do país e hoje está colocado na sexta posição em termos de patrimônio líquido do sistema financeiro”, comentou. No entender do diretor do Bancoob, a estratégia para o crescimento está na metodologia da cooperativa de atender as necessidades que não são atendidas pelo sistema econômico convencional representando pelos grandes bancos.

 


A MundoCoop integrou grupo de jornalistas especialmente convidado pelos expositores para realizar a cobertura do evento.



Publicidade