Crédito ágil e mais barato atrai empresários


CREDICOOP


Com operações completamente digitais e maior agilidade, as fintechs apostam na tecnologia para facilitar a vida do empresário e ganham cada dia mais espaço.

Exemplo dessa tendência, a TrustHub, especializada em antecipação de recebíveis 100% digital, que chegou ao mercado no início de novembro com a promessa de liberar crédito a PMEs em até duas horas. “Nos dias de hoje, os empresários precisam de capital de giro, de uma maneira cada vez mais urgente. Então, não faz sentido esperar semanas para conseguir crédito”, afirma Alexandre Góes, diretor de meios de pagamentos da fintech. “Nosso objetivo é garantir que a avaliação do perfil do cliente que toma o crédito e do pagador ou devedor dele e, principalmente, o depósito do dinheiro em conta sejam feitos de maneira extremamente rápida”, acrescenta.

O executivo explica que a empresa atua de maneira muito simples e eficiente: após um rápido cadastro, o cliente passa a ter acesso à plataforma financeira multiprodutos e logo pode fazer o ulpload das notas fiscais no sistema para solicitar a antecipação de recebíveis. “Não há burocracia em nenhum momento do processo, um problema enfrentado por muitos que tentam liberar crédito em bancos”.

A TrustHub opera sob a chancela da SRM, multinacional gestora e administradora de fundos de investimento com mais de 20 escritórios espalhados por Brasil, Chile e Peru, que movimenta mais de R$ 6 bilhões anualmente. “O know how de uma marca tão respeitada no setor financeiro faz toda a diferença e, aliado a modernos softwares de análise comportamental, garante que o nosso serviço seja seguro, ágil e bem estruturado”, pontua Góes.

Investimento em fintechs cresce ao redor do mundo

 Se, por um lado, mais de 200 agências bancárias foram fechadas em 2016, o Brasil presenciou, no mesmo ano, um investimento de US$ 161 milhões (cerca de R$ 515 milhões) em fintechs, o que rendeu ao país o 8º lugar em maior volume de investimentos nesse segmento. Já em 2017, segundo relatório da CB Insights, as fintechs devem receber um aporte de US$ 6 bilhões, em todo o mundo.

Atenta à grande procura das empresas por crédito, a TrustHub conta com um fundo de R$ 250 milhões para operar. “Contamos com 40 profissionais dedicados a analisar o perfil das PMEs com faturamento anual entre R$ 100 mil e R$ 30 milhões. Por isso, a partir de janeiro, esperamos realizar 300 operações de crédito diariamente e movimentar R$ 15 milhões todos os meses”, finaliza o diretor da TrustHub.



Publicidade