Sicredi Vale do Rio Pardo evolui no modelo de voto


CREDICOOP


A Sicredi Vale do Rio Pardo apresenta pela primeira vez a evolução no processo de votação, chamado de voto qualificado, que aperfeiçoa a forma como o voto do associado é computado para, posteriormente, ser apresentado nas assembleias gerais. A iniciativa é pioneira e foi operacionalizada de forma inédita, no dia 20 de abril, durante a Assembleia Geral Ordinário (AGO) da cooperativa Sicredi Vale do Rio Pardo, com sede em Santa Cruz do Sul.

A cooperativa Sicredi Vale do Rio Pardo abrange nove municípios gaúchos, são eles: General Câmara, Herveiras, Passo do Sobrado, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, Sinimbu, Vale Verde, Venâncio Aires, Vera Cruz. “Nosso sentimento de satisfação se funde com o da responsabilidade na adoção e implantação desta inovação dentro do princípio da gestão democrática, a qual sempre defendíamos, portanto, cientes da responsabilidade de conduzir este modelo pioneiro e partilhar esta experiência dentro do Sistema Sicredi e inclusive com o cooperativismo de forma geral”, afirma Heitor Álvaro Petry, presidente da Sicredi Vale do Rio Pardo.

Há quatro anos, a implantação do Sistema de Núcleos na Sicredi Vale do Rio Pardo, foi um importante avanço que facilitou a participação do associado na tomada de decisão. Agora, com a implementação do Voto Qualificado, segundo Petry, o sistema se torna ainda mais eficiente. “Esta evolução aperfeiçoa ainda mais o processo decisório garantindo – na risca – a regra legal de 1 associado = 1 voto”, argumenta o presidente da Sicredi Vale do Rio Pardo.

Atualmente, a cooperativa Sicredi Vale do Rio Pardo possui hoje mais de 52 mil associados, um total de 14 agências distribuídos entre os nove municípios de abrangência. Gera 219 empregos diretos e registra, até o momento, mais de R$ 93,61 milhões de patrimônio líquido. Alcançou mais de R$ 763 milhões em ativos totais e captou em poupança mais de R$ 115,76 milhões.

O voto qualificado na prática

No Sistema Sicredi, a estrutura é formada pelo Modelo de Voto por Delegado (que são os coordenadores de núcleo), onde os associados se reúnem em núcleos dentro da sua cooperativa, por exemplo: em cada município de abrangência de uma cooperativa se divide por bairros ou por agências conforme o número dos associados. E é na forma como será registrado o voto do associado, dentro desta estrutura de delegados, que o Sicredi desenvolveu o Voto Qualificado, onde o voto de cada núcleo vai chegar nas assembleias gerais, levando as atas com as deliberações dos associados (contendo aprovados, não-aprovados e abstenções).

Na prática, segundo o presidente da Sicredi Vale do Rio Pardo, o Voto Qualificado, evita possíveis distorções pelo aspecto da proporcionalidade, pois, por exemplo, um núcleo ao reunir 200 associados, com a representação de um voto que se define a partir da maioria deste núcleo, tinha o mesmo peso de outro núcleo que reunia 30 associados e também representava um voto pela decisão de sua maioria. Assim, na Assembleia final de delegados, se considerava apenas 1 voto (da maioria) por núcleo. “Com o voto qualificado, os delegados de núcleo representam de fato todos os votos singulares registrados em cada assembleia de núcleo, e, desta forma, na Assembleia Geral Ordinária final de delegados, ocorre o somatório destes votos singulares, dando maior representatividade e clareza do cenário real da vontade dos associados”, ressalta Petry.

Para o delegado de núcleo, Miguel Kops associado da Sicredi Vale do Rio Pardo, desde 1986, além de histórico, o momento reflete a materialização de uma demanda dos associados para que o processo de votação fosse levado até a assembleia de forma aberta, com a apresentação do mapa completo dos tipos de votos dados. “Temos a certeza que a iniciativa da nossa cooperativa de adotar o novo Voto Qualificado, inédito Brasil, no Sistema Sicredi e homologado pelo BACEN, nosso trabalho cooperativo será mais ágil e – ainda mais – democrático e transparente”, endossa Kops. Para ele, este momento é, sem dúvida, um avanço por garantir que a participação dos associados apareça com mais clareza nas tomadas de decisão nas Assembleias. “Como delegado agora vou me sentir mais tranquilo e transparente levando, não somente o meu voto, mas o somatório de todos os votos dos associados participantes da Assembleia de Núcleo”, afirma.

Hoje, o usual em todo o ramo do cooperativismo de crédito é levar o voto final da maioria de cada núcleo. “Com esta evolução no registro do voto dos associados, fortalecemos o princípio da gestão democrática, que é um dos sete princípios universais do cooperativismo, no qual onde o Sicredi se baseou para dar maior valor ao associado, despersonalizando o voto e ampliando a transparência do processo de votação”, ressalta Gerson Seefeld, diretor executivo da Central Sicredi Sul.

Por vocação, o Sicredi sempre busca melhorar os processos e, neste caso, a Central Sicredi Sul, que abrange 42 cooperativas filiadas no RS e SC, é a precursora do projeto Voto Qualificado, que vinha sendo debatido internamente, desde 2010, entre os presidentes das cooperativas gaúchas e catarinenses.



Publicidade