Acerta mais quem controla melhor suas informações

Publicado em: 06 fevereiro - 2019

Leia todas


Segurança, qualidade e agilidade na gestão de dados são fatores decisivos no sucesso de qualquer empresa, pois aumenta a assertividade em cada escolha e em cada passo. Com as cooperativas não é diferente

Quando foi fundada, em 1955, a Coopermil (Cooperativa Mista São Luiz Ltda.) tinha apenas 47 associados, produtores agrícolas da Santa Rosa, na região noroeste do Rio Grande do Sul, a uns 100 quilômetros da Argentina. Atualmente, a cooperativa atua em nove segmentos, com 16 unidades de atendimento – todos relacionados à produção agropecuária ou à oferta de produtos e serviços para seus cooperados – e conta com mais de 5 mil associados, cerca de 15 mil clientes e mais de 900 colaboradores. A distribuição geográfica também evoluiu, passando para quase 30 municípios gaúchos. Com tamanha expansão, foi inevitável crescer a necessidade de ganhar eficiência na gestão de dados, no controle de todas as informações da cooperativa.

Para se ter ideia, a Coopermil tem 14 unidades de recebimento de grãos (soja, milho e trigo) que somam capacidade de armazenamento de quase 2,4 milhões de sacas. É preciso ter o controle de quem entregou a produção, quando e quanto entregou, como será a comercialização. Em muitos casos, a agilidade no processamento desses dados pode ser decisiva para uma tomada de decisão que leve à negociação mais lucrativa para os cooperados. Este é um dos motivos pelos quais a cooperativa investiu na modernização de sua gestão de dados.

Em outubro deste ano, o antigo software de administração foi substituído pelo sistema Gestão Empresarial, solução ERP oferecida pela empresa Senior. Na verdade, a aquisição foi uma expansão da parceria entre as duas instituições, pois a Coopermil já trabalhava com o HCM, software de gestão de pessoas para a área de Recursos Humanos. A lista de benefícios que a cooperativa deve alcançar com a nova ferramenta é considerável: redução de custos operacionais, gerenciamento eficaz das informações, ganhos nos processos, agilidade nas operações e foco em resultado. “Um sistema de gestão empresarial para a cooperativa faz com que o atendimento ao produtor rural cooperado seja facilitado, fidelizando cada vez mais esse associado”, comenta Cintia Leitão, diretora de Agro da Senior.

“Um sistema de gestão empresarial para a cooperativa faz com que o atendimento ao produtor rural cooperado seja facilitado, fidelizando cada vez mais esse associado” – Cintia Leitão, da Senior

A executiva também chama a atenção para as condições de um crescimento acelerado e estruturado, além da otimização de estoques e mais produtividade das equipes. “O principal benefício de um sistema como esse é a automatização dos processos e dos controles manuais. Há mais segurança e qualidade das informações para as tomadas de decisão”, comenta Cintia, que ressalta algumas particularidades do atendimento a uma cooperativa. “Como por exemplo o tratamento da cota capital e o ato cooperativo, pois estamos lidando com produtores rurais cooperados.”

No entanto, a diretora da Senior afirma que os desafios são similares, pois uma troca de sistema de gestão empresarial envolve toda a cooperativa e, principalmente, os processos relacionados ao cooperado. “É o caso da balança de recebimento. Neste setor, a troca do sistema de gestão tem se ser, ainda mais, um sucesso. Não podemos criar dificultadores no recebimento de grãos, em especial durante a safra”, explica Cintia.

Os mesmos motivos que levaram a Coopermil a investir em um novo sistema de gestão de dados definem a longevidade da ferramenta. Cintia afirma não haver um prazo de validade desse controle, mas é preciso atenção com as mudanças nas necessidades do cliente. E também a uma série de pontos que revelam quão satisfatório está sendo o atendimento. “Se a empresa que fornece o sistema consegue atender as novas e dinâmicas necessidades das cooperativas, se o suporte atende no prazo que se espera, se a tecnologia está atualizada com as demandas atuais de mercado, entre outros fatores, então é sinal de que o atendimento está em dia”, analisa.

Parte da segurança de Cintia ao falar desse relacionamento com a Coopermil vem da proximidade que a Senior tem com o cooperativismo, tanto que a empesa atende oito das dez principais cooperativas do País, segundo a executiva. “Conhecemos as variáveis enfrentadas por esse mercado e temos o desafio de reunir nossa expertise e experiência para extrair e conectar dados que suportem as decisões estratégicas e melhorem a eficiência operacional e a rentabilidade das cooperativas”, comenta Cintia. Essa condição e mais que necessária, sobretudo porque as cadeias produtivas agropecuárias passam por intensas transformações rumo a um cenário cada vez mais tecnológico. “A conexão de informações no campo, através do uso de tecnologia e inteligência artificial é a grande tendência para o futuro dosetor, o que chamamos de agricultura 4.0”, diz a diretora. “Este futuro acontece a partir de agora, e queremos apoiar a inserção das cooperativas neste novo mundo.”



Publicidade