14º Congresso Brasileiro do Cooperativismo

Publicado em: 08 maio - 2019

Leia todas


A união da família cooperativista foi celebrada pelo presidente da OCB, Márcio Lopes de Freitas, na abertura do 14º Congresso Brasileiro do Cooperativismo (CBC), que ocorre de 8 a 10 de maio, em Brasília, e vai debater os desafios do cooperativismo no mundo, como governança e gestão, inovação, comunicação e representação política. Ao todo, cerca de 1,5 mil pessoas participam das atividades do evento, que também marca a comemoração dos 50 anos da OCB.

Estiveram presentes à solenidade de abertura o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento em exercício, Marcos Montes, o presidente da Aliança Cooperativismo Internacional, Ariel Guarco, a presidente da ACI Américas, Graciela Fernandez, o presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), deputado Evair de Melo, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Paulo de Tarso Sanseverino, além de outros parlamentares. A MundoCoop marcou presença com seu Diretor, Luís Cláudio Silva. 

Ao discorrer sobre o momento do cooperativismo, Márcio de Freitas falou sobre a importância da atenção em torno do futuro do setor (que atualmente gera aproximadamente 394 mil vagas de emprego formal no Brasil) e da preservação e continuidade dos valores cooperativistas. “O cooperativismo não pode transgredir os seus valores. Integridade é fundamental”, afirmou, apresentando o slogan da edição 2019 do evento: O cooperativismo do futuro se constrói aqui.

Os representantes também anunciaram o lançamento da 13ª edição da Agenda Institucional do Cooperativismo, instrumento importante para dar visibilidade às causas defendidas pelo setor ao poder público.

Superando a crise

Segundo Márcio Lopes, mesmo nos momentos de crise as cooperativas têm se destacado. São mais de 6,8 mil cooperativas que constroem um Brasil melhor. “Cooperativa é organização de gente, que cultiva, armazena e deposita confiança, indispensável na construção de um futuro melhor”, comenta.

Márcio defendeu que esse é o momento de discutir o cooperativismo em conjunto com a sociedade e repensar a competitividade com foco na geração de resultados.

Na apresentação do 14º CBC, Márcio explicou aos presentes que o Congresso será composto de três dias de palestras e debates com especialistas renomados, culminando, na realização da plenária, na sexta-feira, onde serão definidas estratégias de atuação para as cooperativas construírem esse futuro “ousado, forte e inovador, dentro dessa nova revolução industrial, dessa revolução de gente”, afirmou.

A relevância do cooperativismo na sociedade foi ressaltada pelo ministro do STJ, Paulo de Tarso Sanseverino, que relembrou sua trajetória como juiz e magistrado no Rio Grande do Sul. Em seu discurso, o ministro afirmou ter vivido a experiência de ser cooperado e relatou que pôde “observar de perto a excelência e importância desse trabalho”.

O deputado Evair de Melo destacou a atuação do cooperativismo no seu estado de origem, o Espírito Santo, destacando a preocupação da Assembleia Legislativa da região em manter sempre uma comissão dedicada exclusivamente ao tema. “Que nós tenhamos dentro do parlamento brasileiro o empenho para fazer o que tem que ser feito para que o país possa se consolidar como um país cooperativo”. “Nós precisamos muito de vocês”, pontuou complementando o compromisso em defender o cooperativismo. “Não vai nos faltar coragem para fazer o que for preciso para isso.”

Futuro é agora 

Já o ministro da Agricultura em exercício, Marcos Montes, discursou celebrando os 50 anos do cooperativismo no Brasil. “Só posso imaginar que quem mexe com cooperativismo no Brasil tem visão”. Marcos Montes comentou o slogan escolhido para o 14º CBC e afirmou que “realmente, o futuro é agora”. “Hoje, o Brasil avança fortemente no cooperativismo” comentou ao citar o programa Brasil Mais Cooperativo. Diante disso, o entendimento do parlamentar é de que o setor precisa ser fortalecido no país. “Mas nada disso resolverá se nós não nos organizarmos para fazer do cooperativismo a força motriz”, afirmou.

Agenda do cooperativismo

Além da versão impressa, a Agenda Institucional do Cooperativismo também foi lançada em formato digital. O documento foi dividido em Legislativo, Executivo e Judiciário e apresenta 36 projetos de lei de interesse, que englobam desde os ramos Saúde, Crédito, Consumo, Educação, Infraestrutura e outros.

“O cooperativismo tem apontado sua capacidade de gerar respeito nas entidades políticas. Nós temos um programa de educação política, que tem o intuito de mostrar com clareza que não temos uma bandeira ideológica partidária. Cooperativismo é neutralidade. Por isso, nós devemos participar do processo político do país: fazer uma militância permanente que abra as portas para o reconhecimento do cooperativismo. A OCB é uma representação nacional, o congresso tem que perceber a relevância dos nossos mais de 14 milhões de cooperados, portanto, quase 60 milhões de brasileiros. Somos uma força icônica e social. E por isso temos um papel fundamental no processo democrático”, comentou o presidente Márcio Lopes de Freitas durante entrevista coletiva.

Jovens embaixadores: empreendendo, com visão de futuro

Uma das iniciativas em torno do congresso foi a seleção de um grupo de mulheres embaixadoras do cooperativismo, e outro de jovens embaixadores. Para o primeiro, 493 mulheres de 23 estados brasileiros  e inscreveram e as 20 escolhidas criaram uma carta manifesto, que foi lida no palco por Daniela Voguel, do Sicoob Credi de Santa Catarina. O texto ressalta que a quantidade de lideranças femininas no cooperativismo vem crescendo aos poucos e que o preconceito ainda é grande. Entre outros pontos, o manifesto pede por mais espaço para as mulheres, pela criação de mais comitês femininos, equiparação salarial, campanhas e evento de reconhecimento.

O grupo de jovens, representado no palco por Pamela Fernandes, recebeu 170 inscrições e os 20 escolhidos também fizeram seu manifesto, que traz o pedido de inserção da cultura cooperativista desde cedo para os jovens, incentivando, investindo e criando oportunidade para o público.

Finalizando a abertura do congresso 2019, subiram ao palco Roberto Rodrigues, embaixador da FAO para o cooperativismo; Ariel Guarco, presidente da Aliança Cooperativa Internacional; e Graciela Fernandez, presidente da ACI Américas. Em sua fala, Roberto propõe ao setor que cada cooperativa do Brasil tenha em seu conselho de administração pelo menos uma mulher e um jovem. “O espaço existe e ele deve ser concedido”, reforçou o embaixador. Ao final, Graciela entregou ao presidente Márcio Lopes de Freitas uma placa em homenagem ao aniversário de 50 anos da OCB.


Fonte: Sistema OCB com adaptação da MundoCoop

 



Publicidade