Cooperativa Holiday Exchange planeja revolucionar a economia da plataforma

Publicado em: 27 novembro - 2019

Leia todas


Tirar uma folga para recarregar ou fugir pode ajudar a melhorar nosso bem-estar, evitar o esgotamento e garantir um melhor equilíbrio entre trabalho e não-trabalho. Uma nova plataforma cooperativa, com sede em Barcelona, na Espanha, pretende tornar mais fácil e acessível para as pessoas fazerem isso trocando de lar.

Enquanto as férias de troca de casas acontecem há anos, a Holiday Exchange Cooperative visa ser a plataforma de troca de casas da economia social do mundo. Isso significa que a cooperativa usará 50% dos excedentes para financiar projetos de economia social e solidária, com outros 25% retornando aos membros através de taxas mais baixas de associação. Os membros que desejam continuar pagando a mesma taxa de associação para apoiar mais projetos podem optar por fazê-lo.

A cooperativa também se compromete a promover o intercâmbio de moradias de maneira a respeitar o meio ambiente e disseminar o turismo responsável.

Como isso funcionaria na prática? Os usuários devem pagar uma taxa de registro, que lhes dará acesso à plataforma e realizar trocas seguras por um ano, após o que eles podem renovar sua associação. Usuários ativos também podem se tornar membros da cooperativa e ter uma opinião sobre como ela é executada e controle sobre seus dados. A cooperativa promete não transferir isso para terceiros, ao contrário de outras plataformas.

Variedade de opções de trocas

A plataforma de tecnologia segura fornecerá uma variedade de opções de troca de casas e apartamentos a barcos, caravanas e trailers. Também permitirá que os usuários troquem carros.

Os usuários podem concordar com trocas diretas, o que envolve permitir que os outros usem suas casas e, potencialmente, carros, com total liberdade. Isso pode ocorrer na mesma época do ano ou em outra época. Em uma troca indireta, um usuário é recebido por um anfitrião, que não retorna a visita, mas adquire o direito de ser recebido por outro usuário.

“A Holiday Exchange Co-op pode ser uma ferramenta maravilhosa para os cooperadores de todo o mundo”, diz uma das fundadoras da plataforma, Mariana Vilnitzky. “Através de trocas de casas podemos conhecer pessoas no local, visitar comunidades de habitação conjunta ou aldeias ecológicas”.

Opção para famílias

Ela acha que as trocas de férias são ótimas para as famílias, porque elas podem usar a casa de outra família e as crianças têm uma sala cheia de brinquedos para brincar. “É muito mais fácil, é a melhor opção quando se viaja com crianças”.

Como jornalista, Mariana atua na economia social e solidária da Espanha e atualmente escreve para a revista Alternativas Econômicas. Tendo trabalhado anteriormente para a Organização Internacional de Cooperativas Industriais e de Serviços (Cicopa), ela também participou do projeto CoopRoute, um itinerário de cooperativas cujas atividades contribuem significativamente para a preservação e o desenvolvimento do patrimônio cultural e industrial de sua área.

Como usuária de plataformas de intercâmbio de férias há anos, ela diz que a ideia para a plataforma cooperativa surgiu após crescente desapontamento com a concentração de propriedade da plataforma no setor. Os usuários podem passar seus dados para a empresa que adquire as plataformas menores sem poder influenciar a forma como os negócios são administrados. Também é comum que as plataformas de troca de casas tenham um sistema de pontos, o que significa que casas diferentes terão valores diferentes. Consequentemente, os usuários de algumas plataformas agora recebem pontos por alguém que fica em sua casa, mas esses pontos podem não ser suficientes para se qualificarem para uma troca com essa pessoa ou outra pessoa no local desejado.

“O relacionamento mudou muito”, diz Mariana. Ela voltou recentemente da Conferência de Cooperação de Plataforma em Nova York, onde ficou na residência de um amigo que conheceu por meio de uma troca de casas de férias. “Criei amizades para a vida toda. Eu aprendi sobre aqueles que vieram, foi uma experiência diferente. Isso foi perdido agora, então eu decidi montar uma nova plataforma”.

Ela estava frustrada por estar contribuindo com suas informações e sua casa, mas não tinha nenhum controle ou opinião. Ela juntou esforços com outros usuários e a Holiday Exchange Coop está agora no processo de arrecadar fundos para desenvolver a plataforma.

“Uma cooperativa não pode ser vendida, portanto nossos dados estarão seguros”, disse ela, acrescentando que, devido ao seu histórico em cooperativas, ela deseja trabalhar com outras pessoas no movimento para promover o projeto.

“Alguém em uma cooperativa de moradias no Reino Unido pode ir a uma comunidade de moradias em Nova York ou no Canadá e eles poderiam trocar conhecimentos, morando em outra casa pelo período da troca”, disse ela. “O movimento cooperativo habitacional pode mostrar a outras pessoas que não vivem em uma cooperativa habitacional como é isso. Podemos aprender muito um com o outro e fazer amigos em todo o mundo”, ressalta Mariana.

Desafio da Plataforma

Como outras cooperativas de plataforma, a Holiday Exchange Co-op enfrenta o desafio de aumentar o capital inicial necessário para construir a plataforma; o desenvolvimento da plataforma exigiria 300 mil euros. Um plano de negócios inicial criado com o apoio do Barcelona Activa, o centro de desenvolvimento de negócios da cidade, estima que a cooperativa precisaria de pelo menos 4.100 usuários / proprietários de cooperativas que pagassem 120 euros por ano para poderem se equilibrar.

Holiday Exchange Co-op está atualmente registrada como uma associação, mas será convertida em uma cooperativa com várias partes interessadas, na qual os funcionários terão 40% das ações, com as ações restantes divididas entre membros individuais e potenciais investidores, que na Catalunha podem ter até 25 % de ações com direito a voto.

“Quanto mais consumidores tivermos, menos investidores precisaremos”, disse Mariana. Os interessados ​​no projeto podem registrar interesse e se inscrever para receber atualizações da cooperativa aqui.


Fonte: The News Coop/ Tradução Ocergs/ Adaptação MundoCoop



Publicidade