Cooperativismo rumo a 2020


Destaque


Pauline Green, presidente da Aliança Cooperativa Internacional, em entrevista, fala sobre a linha mestra, que norteará a conferência global de 2015, a ser realizada de 10 a 13 de novembro, em Antalya, na Turquia: Rumo a 2020. Enfoca, ainda, temas que serão enfocados como evento, como desafios globais e identidade cooperativa na era digital.

Mais informações sobre o evento em www.antalya2015.coop.

 P: Boa tarde, Dame Pauline. Por que a Aliança escolheu “Rumo a 2020” como tema da conferência?

R: A sociedade e o comércio estão evoluindo rapidamente, e a Aliança é uma organização que olha sempre para o futuro. Protegemos o modelo cooperativo, mas também o projetamos para o futuro, usando o Plano de Ação para uma Década Cooperativa. A conferência global de 2015 é a plataforma que permite que os cooperadores estejam sempre no topo do desenvolvimento e que eles levem essas práticas para casa. Eles precisam continuar a mostrar a liderança de suas empresas quanto à interação social e a sustentabilidade. Aliás, a sustentabilidade cooperável é um dos pontos principais da conferência, assim como a participação, identidade, acesso ao capital e o enquadramento legal.

A globalização cresce cada vez mais. Hoje em dia todos têm acesso à internet, mas as decisões são tomadas em fóruns globais em que a voz dos grandes negócios é predominante. A Aliança tomou a importante decisão de se tornar um participante ativo de fóruns como o G20. Queremos ajudar a aumentar a transparência e a fazer com que essas reuniões sejam mais relevantes e acessíveis para cooperadores. A conferência de 2015 é uma oportunidade de mostrar como a nossa influência global afeta os outros setores e os cooperadores em nível local.

 

P – O que as cooperativas podem fazer para ser o mais sustentável possível em tudo que fazem?

R – Todo e qualquer padrão de sustentabilidade que uma instituição ou empresa tente implementar estará ligado aos caprichos dos acionistas e às trocas de ações. Por outro lado, as cooperativas são reconhecidas pelos governos como o modelo de empresa sustentável mais realista, eficiente e autêntico. Precisamos ter certeza de que esse reconhecimento não fique desgastado ou esquecido, precisamos manter-nos sempre um passo a frente. Temos que colocar em prática nosso próprio controle de qualidade e nossas melhorias, de modo a continuar sendo vistos como um atrativo, como líderes em sustentabilidade. O clima e o meio ambiente são apenas parte disso; igualdade e inclusão também fazem parte. Queremos, por exemplo, ser uma plataforma que admita a participação de mulheres e jovens e de pequenos agricultores. As cooperativas têm um papel importante na alimentação mundial, e essa é uma grande responsabilidade. Nossa conferência global é construída tendo o Blueprint como base. Essa é uma etapa crucial para a implementação da ideia de estar à frente dos negócios sustentáveis até 2020. Precisamos relembrar o período de 2012 a 2015, analisar o quanto nós progredimos e planejar o futuro, planejar 2020.

Pauline green

 

P – Um dos tópicos que será discutido na Conferência Global da Aliança, que acontecerá em Antalya, Turquia, é a “identidade cooperativa na era digital”. Como as cooperativas podem extrair o máximo da era digital para afirmar sua identidade?

R – De todos os modelos existentes, o modelo cooperativo tem tanto o melhor código aberto quanto o mais eficiente. Nossa marca cooperativa e o domínio .coop são únicos. A marca cooperativa nos dá uma presença especial em toda a comunicação, e o .coop como nome de domínio inspira confiança no site. As estratégias inovadoras de marketing e propaganda nos proporcionaram esses instrumentos valiosos, e já há muitos pedidos para usá-los. A economia de ações, como Jeremy Rifkin afirma, é amplamente direcionada pelas plataformas digitais para gerenciamento de ações, e é um local em que as cooperativas estão em destaque, porque elas oferecem um modelo de posse para gerenciar o que é compartilhado. Isso, o código aberto e as outras evoluções, são o porquê de nós darmos destaque permanente a digitalização em nossas conferências. A conferência de 2015 focará em como estender e expandir negócios online usando a identidade da cooperativa, da qual a marca é a base. A conferência também focará nos instrumentos digitais e nas plataformas que são compatíveis com nossa identidade e que irão ajudar-nos a cumprir nossos objetivos – perpetuar e expandir o modelo cooperativo.

 

P – Outro tópico importante da Conferência Global Rumo a 2020 é Desafios Globais. As mudanças no clima e na energia que usamos são parte desse tópico. Nós temos visto inundações, como as que aconteceram recentemente nas Filipinas e apagões na Europa. As companhias de água e de energia estão na lista de mais velhas cooperativas. As cooperativas serão os parceiros prediletos dos Estados para superar os problemas com energia em 2020?

R – Nosso reconhecimento do B20 como uma plataforma adequada para investimento em infraestrutura com certeza ajuda a chegar nesse objetivo. No entanto, para isso as cooperativas precisam ter um enquadramento legal que as suporte. “Fazer negócios cooperativos” será um relatório importante na conferência de 2015. Sua meta é comparar e avaliar a “cordialidade das cooperativas” em cada ambiente de negócios nacional. O relatório será concentrado em diferentes enquadramentos legais nacionais e identificar os indicadores de um ambiente acolhedor para cooperativas. Ele será lançado na Conferência de 2015 e dará aos nossos membros recomendações completas para serem discutidas quando falarem com seus respectivos representantes governamentais.