Energia solar gerada em residências e comércios alcança marca histórica

Publicado em: 16 Maio - 2018

Leia todas


O Brasil atingiu uma nova marca histórica de microgeração e minigeração de energia elétrica a partir de sistemas solares fotovoltaicos em residências, comércios, indústrias, edifícios públicas e na zona rural.

Energia solar gerada em residências e comércios alcança marca histórica (Foto: Carla Ornelas/Governo da Bahia)

Energia solar gerada em residências e comércios alcança marca histórica (Foto: Carla Ornelas/Governo da Bahia)

Segundo dados da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), o país alcançou 250 megawatts (MW) de potência em maio de 2018, aumento de 36,6% em relação a 2017.

A geração distribuída é a energia produzida em sistemas de autogeração que é compartilhada com a rede das distribuidoras e compensada com descontos nas contas de luz.

De acordo com a associação, a fonte solar fotovoltaica (conversão direta da luz solar em energia elétrica por meio de painéis), lidera o segmento de microgeração e minigeração distribuída, com mais de 9,3% das instalações do país.

O Brasil possui 27.803 sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede. Os consumidores residenciais estão no topo da lista e representam 77,4% do total. Em seguida, aparecem as empresas dos setores de comércio e serviços (16%).

Em potência instalada – capacidade de produção energética do sistema – os consumidores dos setores de comércio e serviços lideram o uso da energia solar, com 42,8% da potência instalada no país. Os consumidores residenciais vêm em 2º, com 39,1%.

Na divisão por Estados, Minas Gerais lidera o ranking nacional, com 22,9% da potência instalada, seguido pelo Rio Grande do sul (13,9%), São Paulo (13,5%), Ceará (5,9%) e Santa Catarina (5,9%).

Para o presidente-executivo da Absolar, Rodrigo Sauaia, o crescimento da microgeração e minigeração distribuída é impulsionado pela forte redução do preço de energia solar fotovoltaica ao longo das últimas décadas, pelo aumento nas tarifas de energia elétrica e pelo preocupação com a preservação do meio ambiente.

ENERGIA SOLAR NA MATRIZ 

Em fevereiro, a fonte solar representou 0,3% na produção de energia elétrica no país (íntegra). No entanto, a fonte vem ganhando destaque nos leilões de contratação de energia nova (energia gerada em empreendimentos ainda em construção).

No leilão a-4, realizado em 4 de abril, foram contratadas 29 usinas solares. Os valores negociados no certame atingiram patamares mínimos. A fonte foi negociada pelo preço médio de R$ 118,07/MWh, deságio de 62,16% frente ao preço inicial, estabelecido pelo governo.

Apesar dos preços baixos negociados nos leilões, quando não há produção suficiente da fonte solar para cumprir o contrato, é necessário despachar usinas térmicas. Em grande parte, usinas movidas à óleo, mais caras e poluentes, por falta de abastecimento de gás natural e incentivo para as  PCHs (pequenas usinas hidrelétricas locais).

INCENTIVO À AUTOGERAÇÃO DE ENERGIA

Ao Poder360, o secretário executivo do MME (Ministério de Minas e Energia), Márcio Félix, explicou que o  governo prepara 1 plano de ação para explicar a composição das contas de luz, o “Tarifa Justa“.  A ideia é divulgar como é definido o valor mensal, assim como a Petrobras faz com o preço da gasolina.

Além disso, o governo pretende trabalhar, a longo prazo, com algumas medidas para que o consumidor possa reduzir o valor pago mensalmente. “São medidas simples que ainda vamos estudar. Como, por exemplo, como incentivar a geração distribuída, para que o consumidor possa gerar parar do que consome”, explicou.


Notícia veiculada no site Poder 360.



Publicidade