Ministério da Agricultura já tem indicação

Publicado em: 08 novembro - 2018

Leia todas


Ontem, 7 de novembro, o presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou quem estará a frente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a partir de 1º de janeiro de 2019. Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, deputada Federal e atual presidente da FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária), foi o nome confirmado.

Engenheira agrônoma, graduada pela Universidade Federal de Viçosa (MG), Tereza iniciou sua carreira como executiva de empresas do setor de alimentos em São Paulo. Na agropecuária participou das diretorias da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), da Aprosul (Associação dos produtores de Sementes de Mato Grosso do Sul), da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), e dos sindicatos rurais de Sonora, Terenos e Campo Grande. Um dos destaques dessa fase foi a introdução da raça Brangus no Brasil.

Tereza também teve importante participação no desenvolvimento de Mato Grosso do Sul, quando ocupou o cargo de gerente-executiva nas secretarias do Planejamento, Agricultura, Indústria, Comércio e Turismo, de 2007 a 2014. Nesse período, a agricultura do Estado cresceu mais de 12% ao ano. Foi em sua gestão, ainda, que a OIE (Organização Mundial de Saúde Animal) reconheceu todo Mato Grosso do Sul como área livre de febre aftosa, promovendo uma economia de mais de R$ 80 milhões todos os anos para o Estado.

A OCB (Organização das Cooperativas do Brasil), representante de todas as cooperativas do País, disse, em nota, que a deputada sempre atuou para desenvolver o cooperativismo brasileiro. “Temos o objetivo comum de promover ações conjuntas que viabilizem o nosso modelo de negócio e estimulem o crescimento do país como um todo”, afirmou Márcio Lopes de Freitas, presidente da entidade.

Entidades de vários estados que representam as principais cadeias produtivas nacionais também se manifestaram de forma favorável ao novo cargo que será ocupado pela deputada. Em notas, as instituições afirmaram que Tereza Cristina atende as expectativas do setor, conhece bem os desafios da agropecuária brasileira, e tem capacidade política e técnica para exercer o cargo. Destacaram, ainda, que a gestão dela fortalecerá o agronegócio brasileiro, dentro e fora do País.

Dentre elas estão CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais), Acrimat (Associação dos Criadores de Mato Grosso), ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal),  SRB (Sociedade Rural Brasileira), FNBF (Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal), Aprosmat (Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso), Abramilho (Associação Brasileira dos Produtores de Milho), Orplana (Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil), Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), Aprosoja/MT (Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso), Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), Anapa (Associação Nacional dos Produtores de Alho), Anace (Associação Nacional dos Produtores de Cebola), Abrass ( Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja), Abag (Associação Brasileira do Agronegócio), Famato  (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso), CitrusBr (Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos), Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) e UDR (União Democrática Ruralista).

 

Fonte: Redação MundoCoop, com informações da FPA

 



Publicidade