Produtores de Holambra buscam parcerias na Holanda

Publicado em: 06 dezembro - 2018

Leia todas


Visando a aprofundar o desenvolvimento do conceito de novos produtos para o mercado brasileiro, uma comissão formada por membros da Cooperativa Veiling Holambra (SP), FAAGROH (Faculdade de Agronegócios de Holambra) e outros profissionais ligados ao setor, visitaram no mês passsado várias empresas de horticultura em Westland, região ao sul da Holanda, onde puderam conhecer melhor conceitos e projetos já implementados por lá sobre plantas purificadoras do ar, como o “Air So Pure”.

Depois de uma visita ao World Horti Centre, onde foi assinado um memorando de entendimento sobre intercâmbio estudantil envolvendo as duas regiões, MBO Westland, instituição holandesa de treinamento vocacional e a faculdade das flores, a delegação encontrou-se com Sjaak van der Tak, da LTO Glaskracht, e Loek Hermans, que trabalha com horticultura e materiais de propagação na Top Sector, onde puderam conversar mais detalhadamente sobre este projeto que visa, principalmente, a promover o conceito de plantas purificadoras de ar, difundindo as propriedades positivas das plantas para o mercado e entre os consumidores brasileiros.

André van Kruijssen, diretor do Veiling e um dos responsáveis pela aproximação, explicou que o conceito holandês está bem difundido na Holanda. André considera que o envolvimento com a universidade será importante e sua colaboração facilitará a adaptação do projeto aos interesses e necessidades do mercado brasileiro.

“No Brasil, muitos consumidores moram em apartamentos e trabalham em escritórios ou fábricas, eles estão cercados de móveis e equipamentos. Porém, aqui como na Europa, há uma consciência crescente de saúde e bem-estar. Este projeto vai de encontro a esta tendência, além de contribuir para um estilo de vida mais saudável”, comenta o diretor da CVH.

Inicialmente o projeto brasileiro recebeu o nome de “Plantar Puro”, que ainda está em fase de desenvolvimento, com previsão de lançamento até abril de 2019.

Já com relação ao acordo de colaboração entre a MBO Westland e a FAAGROH, Geraldo Eysink, diretor institucional do campus e o Prof. Dr. Ricardo Tanus, reitor do centro universitário a qual pertence a instituição, acreditam que esta será uma boa forma de ambas as instituições educacionais moldarem seus planos de política internacional. Tanto a FAAGROH, quanto a MBO Westland mantêm um forte foco em educação orientada para projetos internacionais, envolvendo estágios para estudantes holandeses na região de horticultura brasileira em Holambra, quanto para os estudantes da FAAGROH na instituição holandesa.

Além disso, a organização educacional holandesa Lentiz Cursus & Consult estará desenvolvendo um programa especial para estudantes brasileiros e funcionários de nível médio. O que permitirá que estudantes dos dois países trabalhem juntos estagiando em empresas de produção e comercialização, oferecendo aos alunos oportunidades de conhecimento e desenvolvimento pessoal.

Segundo André, os métodos de trabalho utilizados nas empresas de horticultura agrupadas na região holandesa de Westland são um exemplo para o segmento brasileiro. “Como cooperativa, o Veiling Holambra quer ser a força motriz dos empreendimentos hortícolas em nossa região, a cooperação e a troca de conhecimento através da educação é muito importante”, comenta o executivo. “Já trabalhamos em conjunto com o departamento da FAAGROH em nossa universidade regional em Holambra, e sentimos que a MBO Westland é um bom parceiro para desenvolvermos ainda mais o nosso pólo hortícola”, salienta van Kruijssen.

Hoje, Holambra é a principal região hortícola do Brasil, possuindo centenas de hectares de cultivo protegido (estufas) voltadas quase que integralmente à produção de flores e plantas. A Sion Orchids é uma das empresa da região de Westland que já possui uma filial em Atibaia e que já colabora com a troca de conhecimentos entre as duas regiões. Gerentes e membros do conselho da FAAGROH, a faculdade das flores, avaliam que esta colaboração a nível internacional só enriquece e colabora com a cadeia brasileira de flores e plantas, tanto para trocar conhecimentos e ideias sobre a produção, planejamento e cultivo, quanto com relação ao comércio e ao marketing setorial, sendo esta uma importante parceria para ambos, onde as duas organizações trabalharão juntas para fornecer aos estudantes brasileiros e holandeses treinamento internacional.

“Esta iniciativa é apenas o começo de uma grande oportunidade para produtores e futuros profissionais que querem aliar conhecimento e gerar bons negócios”, conclui o diretor da CVH.



Publicidade