IBGE e OCB discutem realização do novo Censo AGRO


Entrevista


Mais de 5,3 milhões de estabelecimentos agropecuários do país deverão receber a visita de um representante do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), até o fim de fevereiro do ano que vem. É que a partir do próximo dia 1º/10, a entidade dará início ao Censo Agropecuário, que conta com o apoio da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

A última edição da pesquisa ocorreu há mais de 11 anos e as informações a serem coletadas são essenciais para a formulação de políticas públicas que contribuam com o desenvolvimento sustentável do setor.

O governo está investindo cerca de R$ 800 milhões nesse processo que envolve visitas e aplicação de questionários. O IBGE estima que cada entrevista com os produtores rurais demande até 45 minutos.

COOPERATIVISMO

Para tratar das ações que envolvem as mais de 1,5 mil cooperativas agro do país, o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, em 13 de setembro, recebeu, em Brasília (DF), o gerente técnico do Censo Agropecuário, Antônio Carlos Simões Florindo, e o coordenador operacional de Censos do IBGE, David Monteiro Dias.

Eles discutiram as estratégias de sensibilização a serem desenvolvidas junto aos cerca de 1 milhão de produtores rurais, vinculados a cooperativas agropecuárias. Na ocasião, o gerente técnico do Censo Agropecuário, Antônio Carlos Simões Florindo, conversou com a equipe do portal do Sistema OCB. Confira!

 

 

Antônio Carlos Simões Florindo, gerente técnico do Censo Agropecuário

Qual o objetivo da parceria firmada entre IBGE e OCB?
É fortalecer o relacionamento entre IBGE e a entidade máxima de representação do cooperativismo brasileiro. Com isso, contamos com o apoio na divulgação do Censo e, também, na disseminação de seu resultado, uma vez que, tão logo seja possível, faremos a entrega dos dados à OCB, de forma dirigida e otimizada. Assim, a Organização poderá trabalhar suas ações de desenvolvimento do cooperativismo brasileiro.

Qual a importância dessa parceria?
Para nós, essa parceria significa muito. Por meio dela, o IBGE está devolvendo à sociedade, ao segmento especializado que é o cooperativismo agropecuário, tudo aquilo que é produzido de forma oficial e pública, ou seja, o IBGE estará cumprindo sua missão de retratar o Brasil com as informações necessárias que nos mostrem a realidade do país. É aí que mora a fundamentação principal dessa parceria.

Como o cooperativismo pode contribuir com o Censo Agropecuário?
Na nossa visão, o cooperativismo tem assumido um papel cada vez mais significativo no setor produtivo. A estruturação do movimento cooperativista tem uma afinidade muito grande com a cidadania brasileira, seja pela gestão, realizada de forma democrática, seja pela valorização do produtor rural.

Então, a partir do momento que o cooperativismo responde por números tão significativos da nossa economia, tanto na produção agropecuária quanto na quantidade de estabelecimentos rurais, é necessário reconhecer a contribuição grande por parte da OCB e das cooperativas brasileiras.

Além disso, o que precisamos da OCB é que ela sensibilize os cooperados a participarem do Censo, já que nossa meta é atingir 100% dos estabelecimentos rurais.

Que tipo de informação o IBGE espera levantar?
Durante o Censo Agropecuário iremos buscar todas as informações do universo do setor produtivo nacional. Nossa expectativa é de visitar 5,3 milhões de estabelecimentos agro, a fim de levantar, por exemplo: as características das propriedades, o uso da terra, a área total, a infraestrutura, o maquinário, a mão-de-obra, o que produz, quanto produz, quanto custou produzir, os rendimentos, ou seja, pretendemos obter uma fotografia ampliada do setor.

Quantas pessoas estarão envolvidas no censo?
Ao todo, temos 28 mil pessoas contratadas temporariamente e que estão sendo preparadas para atuar no Censo, em diversos cargos.

Quando o resultado do Censo deve ser comunicado à sociedade?
É importante dizer que o trabalho começa, efetivamente, no dia 1º de outubro e vai até o fim de fevereiro do ano que vem. Durante todo o processo, que será on line, faremos o acompanhamento e a análise dos resultados e, assim, que tivermos consolidado todas as etapas de validação da pesquisa, faremos a divulgação. Acreditamos que até meados de 2019 possamos divulgar os números oficiais do setor agropecuários.

Por fim, gostaria de pedir que as pessoas nos ajudem a realizar o censo agropecuário, respondendo as questões, afinal de contas, são elas que têm todas as informações a serem utilizadas na formulação de políticas públicas e que fortalecerão o próprio setor agropecuário. A participação de todos é muito importante. Quanto melhor o dado fornecido ao IBGE, melhor será o retorno desse dado à população.



Publicidade