Pense Coop: Coronavírus exige cooperação

Publicado em: 13 março - 2020

Leia todas


O valor da cooperação é vital na história da humanidade, e toda vez que pessoas, regiões e nações cooperam temos o progresso. Ao contrário, sem a cooperação, temos o retrocesso.

Coronavírus (COVID-19) nasceu de um péssimo mercado de alimentos e animais vivos em Wuhan, na China. Culturas e hábitos. Fácil compreender. Um país onde cerca de 30 milhões de pessoas morreram de fome nos anos 60, a cultura da sobrevivência permanece. Mesmo fenômeno observado em ciclos críticos como guerras e outras pandemias, como a Gripe Espanhola, a maior de todas.

Os governos deveriam, nesses momentos de pandemia, conversarem e integrarem seus esforços. Divisões ideológicas e partidárias impedem a cooperação que deveria ocorrer num momento como esse. Assistimos então direitistas x esquerdistas parecendo, apesar do vírus ser o mesmo, apresentarem visões distintas e uma não cooperação. Decidir por extremos absolutos não resolve a questão, e é discutível o quanto fechar todas as escolas por alguns dias tem relevância nos procedimentos para mitigar a doença.

A cooperação é um valor que gerou o cooperativismo. Mas o cooperativismo com regras, leis, filosofia, princípios e valores envolve a orquestração das forças do bem. O mal também coopera, e parece que se reúne facilmente e ao natural. A organização das forças criadoras, simbolizadas pelas cooperativas sempre irá exigir qualidade de líderes e liderança acima de partidos políticos, raças, ideologias, religiões e seres humanos íntegros e éticos dispostos a dar de si… muito mais do que receber para si.

Coronavírus não foi o primeiro vírus de gripe da história e não será o último. E com certeza não será o mais letal de todos. Em pleno século XXI ele pode nos deixar uma lição vital: sem cooperação veloz das lideranças do planeta, mesmo um vírus que em breve será esquecido, pode fazer presidentes e as nações mais ricas do mundo dobrarem de joelhos.

Menos decisões mediáticas para surfar nas ondas do Coronavírus e muito mais a inteligência silenciosa da digna cooperação. Para cooperar precisa ter coragem. Sem coragem não existe confiança, e sem confiança não há cooperação. Cada vez mais no mundo a cooperação cooperativista é a diferença para a dignidade capilar das vidas humanas.


*José Luiz Tejon Megido é colunista da MundoCoop


Confira também as outras edições da coluna PenseCoop!



Publicidade