Seguro Rural: Cultura a ser universalizada

Publicado em: 28 fevereiro - 2018

Leia todas


Apesar dos benefícios relacionados à estabilidade do agronegócio, mesmo frente a eventos naturais adversos, o seguro rural é pouco contratado pelos produtores brasileiros. Segundo informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e /Abastecimento, na safra 2017/2018 foram destinados R$ 550 milhões para seguro rural no País. Esse ministério também estima que, de 2006 a 2015, foram atendidos cerca de 420 mil produtores rurais, o que possibilitou a proteção de mais de 52 milhões de hectares, principalmente em culturas de soja, trigo, milho, maçã e uva. A justificativa mais usual pode ser resumida em duas palavras: alto custo. Essa argumentação ganha força em áreas de clima estável.

Tarcísio Hübner, vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil

Principal agente financeiro de repasse do crédito rural – apenas na Safra 2017/2018, essa instituição está respondendo por R$ 103 bilhões dos R$ 220 bilhões disponibilizados pelo Governo Federal – o Banco do Brasil, de acordo com seu vice-presidente de Agronegócios Tarcísio Hübner, oferece e incentiva a contratação do seguro rural, destacando o Seguro Agrícola Faturamento, que representa uma evolução do seguro agrícola tradicional.

Veja, abaixo, o comentário de Hübner, que soma ampla experiência no assunto. Graduado em Ciências Econômicas, com MBA em Gestão Avançada de Negócios, MBA Altos Executivos e especialização em Agronegócios e em Marketing, com ênfase em Serviços, antes de assumir a vice-presidência de Agro do BB, exercia o cargo de diretor de Distribuição, tendo, também atuado como superintendente estadual em Tocantins, Mato Grosso, Rondônia, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Por que a contratação do seguro rural ainda não é prática usual do agricultor brasileiro?

Trata-se de uma cultura nova que precisa ser universalizada. Contudo, nota-se que no decorrer dos anos vem despertando a preocupação no setor quanto a necessidade de proteção, como forma de reduzir os riscos sobre os empreendimentos.

Que ações o Banco do Brasil desenvolve para aumentar a contratação?

O Banco oferece e incentiva a contratação do seguro rural, destacando o Seguro Agrícola Faturamento, que representa uma evolução do seguro agrícola tradicional, pois essa modalidade de seguro oferece proteção contra prejuízos advindos de variações no preço da commodity, de forma integrada à cobertura de intempéries climáticas, garantindo, portanto, a renda do produtor. Assim, com esse seguro, caso o faturamento com a produção apresente resultado inferior ao esperado, seja em função da queda na produtividade, redução no preço do produto ou ambos, a seguradora será acionada para indenizar a diferença ao produtor rural. A tabela seguinte mostra o histórico das três últimas safras de utilização de mitigadores de risco na contratação de operações de custeio agrícola, para o primeiro trimestre das respectivas safras.

Quais as perspectivas para 2018?

As perspectivas são de elevação na procura e contratação dos seguros rurais, tendo em vista a maior conscientização dos produtores rurais quanto a necessidade de proteção das lavouras, motivados principalmente pelas ocorrências nas últimas duas safras.

MAIS ENTREVISTAS

A CNA e os desafios de financiamento do agronegócio
Fortalecimento da comunicação e marketing do agronegócio: prioridade na nova gestão da ABMRA
Seguro não é caro, garante executivo do Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre



Publicidade