TOP COOPERS: Cooperativas de crédito em expansão

Publicado em: 16 dezembro - 2019

Leia todas


Com objetivo de ampliar sua participação como instituição financeira cooperativa, Unicred investe no desenvolvimento de soluções em financiamento aos associados e tecnologias que o auxiliem nas operações cotidianas e facilitem o relacionamento

Dando continuidade a série especial, e exclusiva, de entrevistas com os presidentes das principais cooperativas de crédito do Brasil, o TOP COOPERS – Cooperativas de Crédito, a MundoCoop conversou nessa semana com o presidente do Conselho de Administração da Unicred Brasil, José Maria de Azevedo.

Segundo relatório do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (Woccu, sigla em inglês), são mais de 274 milhões de pessoas em 118 países cooperando financeiramente pelo mundo. Mais de 14 milhões delas entraram para esse grupo só em 2018. No Brasil, já são quase 10 milhões de associados ao cooperativismo de crédito. A tendência de expansão continua e as cooperativas mantêm uma visão positiva para o setor no próximo ano, como, por exemplo, a Unicred.

Nascida há três décadas, a partir da união entre profissionais da saúde, a Unicred soma 35 cooperativas singulares e cerca de 270 unidades de negócios, distribuídas em 12 estados do Brasil, reunindo 218 mil cooperados. De acordo com José Maria de Azevedo, presidente do Conselho de Administração da Unicred do Brasil, para o próximo ano, a instituição pretende seguir investindo em tecnologia, com o objetivo de oferecer o diferencial de que o associado necessita em termos de canais de atendimento e soluções financeiras.

Na entrevista, Azevedo destaca ainda as alterações positivas na legislação que trata do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo, e os planos de expansão, não só do número de associados, mas também da presença física da instituição nas regiões norte e nordeste do País.

Confira!

Qual avaliação realiza sobre o setor de cooperativas de crédito em 2019, destacadamente a partir das alterações político-econômicas que estamos vivendo desde o início do ano?

Foi um excelente ano para o Cooperativismo de Crédito, principalmente pelo apoio que se teve do BACEN com a modernização da Lei Complementar 130/09 como um todo, com ênfases em dois itens: concessão de crédito com o compartilhamento de recursos e riscos entre cooperativas integrantes do mesmo sistema, permitindo que possamos atender ao cooperado que necessitar de crédito maior que a capacidade da cooperativa; e Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social, onde pelo menos 5% das sobras líquidas podem ser destinadas à prestação de assistência aos associados, aos colaboradores e à comunidade. Este item da LC 130/09 reforça ainda mais o DNA do cooperativismo, de ter a pessoa no centro de todas as decisões.

O que podemos esperar do setor de cooperativismo de crédito, e em particular da Unicred para o próximo ano? Quais os desafios a vencer?

Acredito na melhora da situação socioeconômica do país e consequentemente do setor de cooperativismo de crédito. Nós estamos trabalhando para estimular ainda mais o crescimento da Unicred. Como estamos capitalizados, poderemos apoiar com mais ênfase o nosso grupo de associados e realizar os seus planos pessoais e profissionais.

O maior desafio, há um tempo, diria que seria acompanhar a transformação digital, mas podemos dizer que já estamos acompanhando as mudanças do mercado investindo constantemente em tecnologia, pois nosso maior objetivo é permitir que o cooperado escolha o canal por meio do qual prefira ser atendido, seja ele físico ou eletrônico, para realizar todos os serviços financeiros, tendo sempre uma experiência única.

É possível apontar oportunidades para o setor?

As oportunidades são muitas! Temos um potencial enorme para crescer no Brasil e para o próximo ano a principal oportunidade, a meu ver, é a possibilidade de financiamento dos cooperados que, com certeza, estarão estimulados a acompanhar o crescimento do país, como nós estamos.

Já convivemos com inteligência artificial, internet das coisas… De que maneira as transformações digitais contribuem e/ou desafiam o cooperativismo de crédito?

A transformação digital já é a realidade no mundo, também somos usuários dela e sabemos bem como facilitam nossas vidas. Então, acreditamos que elas contribuem mais do que desafiam. Aprender, desaprender e reaprender de forma rápida, dinâmica e contínua para manter a competitividade e agregar valor ao nosso cooperado é o nosso objetivo.

Adaptarmos-nos ao mercado e ao comportamento das pessoas é uma premissa. Para isso, mudanças foram necessárias: integramos as áreas de Tecnologia e Produtos, adotamos a Metodologia Ágil e estamos fomentando a cultura de inovação em todo o Sistema Unicred.

Temos que facilitar a vida das pessoas, resolver seus problemas e prestar serviços com rapidez e segurança. Para essas premissas, contamos com o apoio de parceiros, fintechs e startups para acelerar nossos processos, negócios e o desenvolvimento da nossa operação.

Apesar de grande parte das operações diárias serem feitas a distância, de forma digital, as cooperativas de crédito têm expandido suas agências físicas, não só nos pequenos, mas também em grandes municípios, na contramão dos bancos. Essa tendência deve permanecer? O que a Unicred planeja nesse sentido para os próximos anos?

Nós estamos na contramão da história dos bancos porque nossa história é diferente, nossa história é cooperar com o crescimento socioeconômico do país, apoiando os nossos associados em suas conquistas financeiras de uma forma justa, sem finalidade de lucro. Por isso, procuramos ocupar pequenas cidades, onde os bancos não atuam, justamente porque elas são pequenas para o porte dessas instituições; e nas grandes cidades, ter agência física é muito importante para nós para gerar conhecimento e reforço de marca. Devemos manter essa estratégia principalmente nas regiões onde nossa marca é menos conhecida.

Para os próximos anos, prevemos expansão para as regiões norte e nordeste do Brasil, e ampliação da atuação no centro sul e sudeste, onde já temos uma presença significativa. Acreditamos que cooperativismo é o sistema econômico-financeiro mais justo da atualidade e um encantamento para quem o conhece. Na Alemanha, nos EUA, na Espanha, no Canadá ele é gigante; no Brasil, ainda é excipiente, mas crescendo ano a ano. O potencial é enorme!


Por Nara Chiquetti – Redação MundoCoop

Patrocinado por

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-300x73.png


Publicidade