BNDES revê expectativa de desembolsos para baixo


Especial


O desembolso do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para 2017 ficará abaixo do esperado. Essa informação foi dada pelo presidente da instituição – Paulo Rabello de Castro – no dia 6 de novembro durante evento na capital fluminense. A expectativa inicial era R$ 80 bilhões, mas a apurações sinalizam que o total concedido em novos empréstimos a empresas não deve ultrapassar R$ 77.

Considerando a meta de R$ 80 bilhões uma estimativa otimista, Rabello de Castro espera que a linha BNDES Giro acelere os desembolsos em novembro e dezembro, com a participação de micro e pequenas empresas: “Gostaríamos de chegar próximo dos 80 bilhões, mas temos de somar R$ 500 milhões por mês em novembro e dezembro. Para isso, o banco deve investir em mais propaganda para atrair empresas para o BNDES Giro. E se não for em dezembro, for em janeiro ou fevereiro, já está muito bom”, comentou.

Para 2018, a previsão do banco é que as micro, pequenas e médias empresas recebam mais da metade do total de desembolsos, que está estimado em R$ 97 bilhões. “Estamos ambicionando chegar a R$ 97 bilhões, o que acrescentaria 30% a mais, o que é compatível com um país que ressuscita dos mortos. Estamos ressuscitando de uma prolongadíssima recessão”, disse o presidente do banco. A previsão fundamenta-se na expectativa de crescimento de 3% a 3,5% do Produto Interno Bruto para o próximo ano, mas Rabello de Castro defendeu que a alta da economia pode ser maior do que essa: “Com a ajuda do BNDES, poderá ser possível chegar a 4%, a 4,5% porque estamos vindo estatisticamente de um fundo do poço. Não seria uma virtude extraordinária crescer 5% que seja. É uma certa obrigação nossa tentar”, disse afirmando que o banco pretende se aproximar das empresas de menor porte. “Queremos estar mais próximos dessa comunidade de empresários e empresárias anônimos, que labutam e geram empregos.”



Publicidade