Brasil domina cenário fintech na América Latina, garante BID

Publicado em: 11 janeiro - 2018

Leia todas


Brasil domina cenário fintech na América Latina, garante BID (Foto:nensuria/Freepik)

Brasil domina cenário fintech na América Latina, garante BID (Foto:nensuria/Freepik)

Das 703 empresas fintechs que existem em 15 dos 18 países da América Latina e Caribe consultados, 230 são brasileiras. O México aparece em segundo lugar, com 180 empresas, seguido de Colômbia, com 84 empresas; Argentina, com 72; e Chile, com 65. Juntos, esses cinco países concentram 90% da atividade fintech na América Latina, enquanto os 10% restantes estão divididos entre Peru, Equador, Uruguai, Costa Rica, Paraguai, Venezuela, Guatemala, República Dominicana, Honduras e Panamá. Essa conclusão faz parte da pesquisa “Fintech: inovações que não sabia que eram da América Latina e do Caribe”, que ouviu 393 empresas jovens latino-americanas de tecnologia financeira, usou fontes secundárias disponíveis e também uma investigação prévia realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e a Finnovista, desenvolvedores do estudo.

Segundo o levantamento, 60% das fintechs que operam atualmente na América Latina surgiram entre 2014 e 2016. Cerca de 11% delas já existiam antes de 2011, ano em que se observa a criação do primeiro grande grupo de empresas jovens. Até o ano de 2013, foram constituídas 40% das empresas jovens, enquanto que, para 2015, esse número já subiu para 78,2%. Além disso, uma em cada quatro fintechs considera que seus principais clientes são pequenas e médias empresas. Entre as soluções ofertadas, além dos meios alternativos de financiamento, contabilidade digital, pagamentos internacionais, factoring, entre outros.

Em termos gerais, a análise dos modelos de distribuição utilizados mostra que 45,6% dos empreendimentos fintech têm um modelo B2B de negócios (business to business), enquanto 54,4% utilizam um tipo B2C (business to consumer). Entre as soluções B2B, mais da metade (52,5%) identificam as PMEs como seu principal cliente, enquanto 24,4% desenvolveram soluções para instituições financeiras e 23,1% apontam para outros tipos de entidades corporativas. A oferta ao consumidor através dos modelos B2C é orientada para os bancos em 53,4%, enquanto 46,6% das fintechs B2C concentram-se nos consumidores na parte inferior da pirâmide sub-bancária ou não bancarizada.

O estudo foi elaborado a partir do resultado de uma pesquisa respondida por. Os dados foram apresentados por uma das coordenadoras da pesquisa, Gabriela Andrade, do BID, no seminário “Fintech Brasil: Tecnologia e Informação no Setor Financeiro”, que aconteceu no Rio de Janeiro, em 14 de dezembro.

MAIS NOTÍCIAS

Carga Tributária Bruta de 32,38% e burocracia encarecem cesta básica e dificultam desenvolvimento do Brasil
Empresas puderam antecipar a utilização do eSocial para janeiro de 2018, comenta Serasa
Confiança do consumidor termina o ano em baixa



Publicidade