Simpósio centenário examina como as cooperativas impulsionam a justiça social e o trabalho decente

Publicado em: 23 novembro - 2020

Leia todas


A OIT é uma parceira próxima do movimento cooperativo

A Unidade de Cooperativas da OIT (Organização Internacional do Trabalho) comemorou seu centenário com um Simpósio Internacional nos dias 16 e 17 de novembro sobre o papel das cooperativas na promoção da justiça social e do trabalho decente.

O evento ofereceu uma oportunidade de relembrar a importante relação histórica entre a OIT e o movimento cooperativo global. O primeiro diretor geral da OIT, Albert Thomas, que era um cooperador francês, fundou a Unidade Coop da OIT em 1920, um ano após a fundação da OIT. Ele argumentou que a OIT precisava se preocupar não só com as condições de trabalho, mas também com as dos trabalhadores. “É na forma de cooperação que essa ideia é mais bem demonstrada”, disse ele na época. Desde a sua criação, a Unidade tem mantido um relacionamento próximo com o movimento cooperativo global.

Em uma mensagem de vídeo para o Simpósio, o diretor geral da OIT, Guy Ryder, mencionou a “relação de um século” entre a OIT e a Aliança Cooperativa Internacional. Ele também destacou o importante papel que as cooperativas e a economia social e solidária podem desempenhar na reconstrução da economia pós Covid-19.

“Tal como na fundação da OIT, os tempos difíceis de hoje exigem solidariedade na resposta às crises, criando resiliência e reconstruindo melhor. Em tempos difíceis, os valores de cooperação e mutualismo são ainda mais reconhecidos ”, disse ele.

A OIT e o movimento cooperativo permanecem parceiros próximos – eles assinaram um Memorando de Entendimento em 2019.

“Hoje, em face da grande incerteza na transição, as cooperativas e a economia social e solidária mais ampla podem desempenhar um papel transformador e vital, por exemplo, podem contribuir para formalizar a economia informal, melhorando a subsistência rural, podem desenvolver respostas inovadoras na economia de plataforma, na reestruturação de empresas em dificuldades e na construção da resiliência da comunidade em face da pandemia ”, disse Ryder.

O presidente da ACI, Ariel Guarco, também enviou uma mensagem de vídeo ao Simpósio, reiterando o compromisso do movimento em trabalhar com a OIT para enfrentar alguns dos desafios mais urgentes do mundo.

“Foi Albert Thomas quem também valorizou a contribuição das cooperativas para melhorar as condições de vida dos trabalhadores em um contexto no qual era vital ter sociedades mais justas para promover a paz no mundo”, disse ele. “100 anos depois, esses e outros desafios continuam urgentes e exigem que fortaleçamos nosso vínculo.”

A OIT refletiu a visão, os valores e os interesses do movimento cooperativo na Declaração sobre o Futuro do Trabalho adotada no ano passado, acrescentou o Sr. Guarco.

Ele também se referiu à Recomendação 193 da OIT sobre a Promoção de Cooperativas, que, ele disse, refletia a Declaração revisada da ACI sobre a Identidade Cooperativa adotada em 1995.

“Essa recomendação é um instrumento fundamental para fortalecer a posição das cooperativas junto aos empregadores; organizações e organizações de trabalhadores. Neste contexto global desafiador, as cooperativas estão determinadas a aprofundar nossa identidade ”, disse ele.

OIT lança novas publicações

Duas publicações foram lançadas no Simpósio: um livro sobre Estatísticas Cooperativas e uma edição retrospectiva dos Anais de Economia Pública e Cooperativa.

Estatísticas sobre conceitos de cooperativas, classificação, trabalho e medição de contribuição econômica reúne versões atualizadas de quatro estudos de fundo produzidos para a OIT e o Comitê de Promoção de Cooperativas (COPAC) no processo que conduz à adoção das Diretrizes sobre estatísticas de cooperativas na 20ª Conferência Internacional de Estatísticos do Trabalho (ICLS) em outubro de 2018.

O livro é dirigido a estatísticos e busca abordar o fato de que os dados sobre as cooperativas são coletados de diferentes maneiras, o que torna as comparações difíceis.

Os autores esperam que o livro, junto com as diretrizes sobre estatísticas de cooperativas, possa ser usado por escritórios de estatística em todo o mundo em sua implementação de coleta de dados.

“As estatísticas das cooperativas são importantes porque as cooperativas desempenham um papel importante na economia”, disse a editora científica do livro, Marie J. Bouchard, apontando que as estatísticas são necessárias para justificar o apoio cooperativo e calibrar as políticas de apoio desenvolvimento da economia cooperativa e social e solidária. “Muitos países carecem de dados harmonizados sobre cooperativas.”

Hyungsik Eum, o coordenador de estatísticas e estratégia da ACI, disse que o livro e as diretrizes eram apenas “um ponto de partida” e explicou que os movimentos cooperativos e os governos em todo o mundo tiveram que trabalhar juntos para produzir dados sobre as cooperativas.

O livro foi publicado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), pelo Comitê para a Promoção e Avanço das Cooperativas (COPAC) e pelo Centro Internacional de Pesquisa e Informação sobre Economia Pública, Social e Cooperativa (CIRIEC). Ele está disponível aqui .

A edição retrospectiva dos Anais de Economia Pública e Cooperativa apresenta uma seleção de 12 artigos-chave que moldaram a compreensão contemporânea das cooperativas e da economia social e solidária em geral.

Cooperativas e sustentabilidade

A contribuição do setor cooperativo para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU foi um dos principais tópicos do Simpósio.

Jürgen Schwettmann, consultor independente e ex-funcionário da OIT e chefe do COOP, acha que o movimento deve adotar uma abordagem focada em metas e selecionar alvos amigáveis ​​de cooperação entre os 169 alvos apresentados nos 17 ODS.

Rodrigo Gouveia, presidente-executivo da Promo Coop, agência internacional de consultoria cooperativa, concorda. Ele argumentou que indicadores mais específicos são necessários para mostrar como as cooperativas estão ajudando a alcançar os ODS por meio de estratégias deliberadas, ao invés de mero acidente. Às vezes, as cooperativas podem ajudar a contribuir para a realização dos ODS porque é de sua natureza fazê-lo, e não porque têm uma estratégia real para alcançar as metas e objetivos dos ODS, disse ele.

Ele pediu às cooperativas que incorporassem os ODS em suas estratégias comerciais e sociais, olhassem para metas específicas porque são melhores indicadores do que as metas, coloquem isso em suas estratégias operacionais. As cooperativas precisam se comunicar melhor sobre o que estão fazendo e devem se engajar mais em coalizões com organizações de pensamento semelhante, como atores da economia social ou o movimento Fairtrade, acrescentou.

Ao encerrar o Simpósio, o chefe do Coop da OIT, Simel Esim, disse que havia um crescente reconhecimento e integração dentro das várias unidades da OIT do papel das cooperativas e da ESS no cumprimento do mandato da OIT.  

As gravações dos dois dias estão disponíveis em inglês, francês e espanhol.

Dia 1 em inglês:  https://lnkd.in/d-7muAZ

Dia 2 em inglês:  https://lnkd.in/dER82P9


Fonte: Coop News


Notícias Relacionadas



Publicidade