Comunicação deveria ser o oitavo princípio do cooperativismo

Publicado em: 12 junho - 2020

Leia todas


As cooperativas estão engajadas neste importante movimento

A era da informação tem trazido uma nova dinâmica social para a realidade do mundo inteiro, onde tudo o que é falado e visto é rapidamente disseminado e atinge cada vez mais pessoas. Esse é o poder do compartilhamento. Entretanto, nem tudo que se propaga consegue manter seu espaço ou representar seu verdadeiro significado em meio a uma sociedade tão instantânea.

Atualmente, algo se torna duradouro quando é constantemente lembrado e isso só acontece através de um diferencial: a comunicação. O ato de se comunicar é algo que já nasceu com o ser humano e vem acompanhando toda a sua evolução. E, consequentemente, fazendo com o que isso deixe de ser apenas uma questão para se tornar uma necessidade.

O fato que deve ser ressaltado, porém, é que nada adianta se comunicar se não conseguir ser entendido pelo receptor da mensagem. O impacto de uma informação advém única e exclusivamente da forma em que ela é transmitida e sua garantia de compreensão está na capacidade de chamar atenção e conquistar o ouvinte. Isso pode ser feito por exemplo, por meio do storytelling.

Esse conceito, em tradução livre, significa contar boas histórias e é o que separa o efêmero do que veio para ficar. Mas, além disso, representa reafirmar que sua causa, marca, organização ou ideia é relevante para o mundo. E por que o cooperativismo tem tudo para ser uma rica fonte de storytelling? Porque o movimento cooperativista por si só já é uma história de sucesso e traduz sua eficiência nas histórias de pessoas que incorporam em seu cotidiano essa doutrina.

“O dinamismo do cooperativismo brasileiro impressiona. Contudo, é notória a nossa falta de comunicação com a sociedade. Uma faixa expressiva da população, independentemente do nível de escolaridade, desconhece o que é uma cooperativa. Vamos muito bem na comunicação endógena, no próprio Sistema, mas há uma lacuna enorme em nossa relação com a sociedade. As pessoas só gostam, participam e valorizam, daquilo que conhecem. Uma boa comunicação com a sociedade é o pontapé inicial para ganhar novos cooperados e fortalecer as cooperativas”

Presidente da Cooperativa Agroindustrial – Coplana, José Antonio de Souza Rossato Junior

Levantar a bandeira da cooperação faz com que haja uma mudança na relação do interno com o externo para que o movimento se beneficie como um todo e cresça, verdadeiramente, sem continuar carregando ambiguidades em seu real significado.

Com 7 princípios bem estabelecidos, o cooperativismo traz em sua essência características predominantes, como a sustentabilidade, mas é muito menos citado do que essa tendência. O motivo? A comunicação. Ou melhor, a falta dela. “Se entendemos que o cooperativismo é um dos pilares do desenvolvimento sustentável, é fundamental que pessoas de todo o mundo, que não fazem parte e não conheçam o sistema, sejam bem informadas sobre sua importância e seus benefícios”, comenta Douglas Alves Ferreira, diretor de MundoCoop.

Que tal um oitavo princípio?

Segundo informações do correspondente da MundoCoop no Canadá, Augusto Giroto, na reunião geral das Cooperativas Mútuas do Canadá (CMC), que aconteceu em junho de 2019, Peter Cameron, diretor executivo da Associação das Cooperativas de Ontário, fez um pronunciamento que ressoou como um alerta global. O executivo sugeriu que a inclusão deste oitavo princípio cooperativo, que é a comunicação. Cameron sugere em suas palavras que é preciso incentivar os membros das cooperativas a serem mais “barulhentos”. Ou seja, fazer mais propagando, mais marketing dos benefícios do cooperativismo. “Temos que ser orgulhosos em promover a conscientização do modelo cooperativo para o público em geral e não apenas para o público interno”.

De acordo com Cameron, o Centro de Estudos de Cooperativas da Universidade de Saskatchewan publica suas principais questões de cooperação e o tema “preocupação com a falta de consciência pública do modelo de cooperação” tem estado no topo de sua lista nos últimos três anos. Disse o executivo durante o encontro: “Tenho certeza que todos nessa sala ouviram e experimentaram a frustração com a falta de consciência das cooperativas e ouviram repetidamente a frase de que ‘as cooperativas são o segredo mais bem guardado’. Enquanto alguns podem pensar que a intenção é capturada pelo no Princípio 5: Educação, Treinamento e Informação nosso sentimento é que o foco do Princípio 5 está mais voltado a educação interna e treinamento, e não coloca ênfase suficiente em promoção pública mais ampla”. 

O pronunciamento de Cameron reverberou por todo o mundo. Ainda pode ser cedo para se admitir que um oitavo princípio possa ser incorporado aos sete tradicionais elencados em 1995. Mas a semente foi semeada. “Se não promovermos afetivamente e fortemente o modelo cooperativo, isso não nos permitirá alcançar o público e realizar nosso potencial de construir um mundo melhor”, concluiu Peter.

Vivendo a era onde o valor está no conhecimento, a troca é mútua e incisiva. A sociedade ganha com o crescimento do movimento e o movimento enriquece seu valor quando seus membros tem a consciência da dimensão e importância de fazer parte de algo dessa magnitude. “Não basta comunicar-se apenas para atrair mais associados. É preciso vender melhor para toda sociedade os benefícios e o conceito do cooperativismo”, destaca Luis Claudio, diretor comercial da MundoCoop.


Redação MundoCoop – Matéria publicada no Anuário Brasileiro do Cooperativismo 2020



Publicidade