Feira Hi-Tech e cooperativa

Publicado em: 02 maio - 2019

Leia todas


Uma das maiores feiras agrícolas do mundo e a maior da América Latina, a Agrishow, mostra que o campo está muito à frente da cidade em tecnologia de ponta e que os pequenos produtores estão ganhando cada vez mais importância no agronegócio brasileiro

A atividade agrícola brasileira, por ter se modernizado e se tornado altamente competitiva nos últimos 30 anos, foi o único setor econômico do País que sentiu bem menos os nocivos efeitos da prolongada crise econômica que abalou as estruturas nacionais de 2014 até meados do ano passado. O agronegócio, mesmo passando recorrentemente por problemas de clima e, ainda, políticas setoriais desastradas, vem superando dificuldades e apresentando resultados acima da média das demais atividades econômicas do País.

Dois fatores positivamente favoreceram esse status privilegiado da agricultura nacional: uma forte organização de pequenos produtores em cooperativas organizadas e eficientes e, efetivamente, o emprego em larga escala, do plantio à colheita, de tecnologia de ponta. Máquinas computadorizadas e inteligência artificial fazem parte do cotidiano das lavoras há muito mais tempo do que pode imaginar aqueles que se encantam com a possibilidade de ver um carro autônomo pelas ruas da cidade.

Aliás, drones, máquinas e caminhões autônomos, dados na nuvem e biotecnologia há anos estão em atividade no campo. Exatamente por isso que o bom momento vivido pelo agronegócio brasileiro deve continuar em 2019. De acordo com o levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil pode obter a segunda maior safra de grãos da história. A estimativa para a safra 2018/2019 é alcançar 233,29 milhões de toneladas, o que significa um aumento de 2,5% ante o período anterior 2017/2018.

A força do setor é sintetizada na Agrishow, que neste ano entra em sua 26ª edição, é uma das maiores feiras agrícolas do mundo e uma das mais importantes da América Latina. Acontece tradicionalmente logo no início de maio em Ribeirão Preto, SP, região que, por seu extraordinário potencial agrícola, é conhecida como “Califórnia brasileira”. Na edição do ano passado, quase 160 mil pessoas passaram pelo evento e essa gente toda movimentou 2,7 bilhões de reais em negócios realizados, valor 22% superior aos 2,2 bilhões de reais transacionados em 2017.

Francisco Matturo, presidente da agrishow

“Nossa expectativa em relação à Agrishow 2019 é a melhor possível, pois a economia está em um bom momento, o que deve repercutir favoravelmente nas vendas de máquinas e equipamentos, que é um dos principais pilares da feira”, afirmou João Carlos Marchesan, presidente da Abimaq, Associação Brasileira da Indústria da Máquinas e Equipamentos. Segundo o dirigente da entidade, na edição deste ano haverá grandes oportunidades de negócios com a Agricultura Digital.

De acordo com levantamento dos organizadores, mais de 800 marcas nacionais e internacionais confirmaram presença na Agrishow deste ano. Os visitantes terão acesso a novidades em máquinas, equipamentos e implementos agrícolas, agricultura de precisão, irrigação, armazenagem, pecuária, sementes, corretivos, fertilizantes, defensivos agrícolas, insumos, embalagens, tecnologia em software e hardware, agricultura familiar, financiamento, seguro, peças, autopeças, pneus, válvulas, bombas, motores e transportes.

“Pretendemos na Agrishow deste ano enfatizar todas as cadeias produtivas, apresentando inovações desde a área de insumos, como fertilizantes e sementes, passando pelo segmento de máquinas e implementos agrícolas até as tecnologias para agricultura de precisão, conectividade e ILPF (Integração Lavoura-Pecuária-Floresta)”, ressaltou Francisco Matturo, presidente da Agrishow.

Mattuto destaca que na feira deste ano será dado grande ênfase a agricultura orgânica e familiar. “Teremos diversas inovações para os pequenos agricultores, inclusive cooperados, conseguirem melhorar a eficiência de seu negócio sem precisar fazer altos investimentos”. Neste aspecto, vale destaque para o espaço “Arena de Inovação”, que é destinado a startups do agronegócio e voltado à conectividade no campo. Serão dez startups participantes, que apresentarão soluções inovadora para o segmento como, por exemplo, automatização agrícola, sistemas e drones de pulverização, drones para captação de dados e imagens, plataforma para instalação de painéis solares, APP de gerenciamento de pessoas e gestão de fazendas, sistema de informação em tempo real para pecuária e soluções tecnológicas embarcadas em campo.

Outra novidade será o Banco de Dados Colaborativo do Agricultor (BDCA), a ser apresentado pela Abimaq. O BDCA é um banco de dados com o propósito de integração dos dados gerados por equipamentos e sensores  de todos os fabricantes, sendo que a liberação  do acesso aos dados  é autorizado pelo agricultor. O benefício é ter todas as informações de suas máquinas e sensores  integrados em um único local, sem depender  do sistema de um  fabricante.

Há, ainda, a Arena do Produtor Artesanal, espaço que vai reunir produtores de café, cachaça, doces, embutidos, entre outros, ressaltando o valor agregado do produto final. Além disso, haverá um Lounge Jurídico para ajudar a resolver dúvidas legais. A Agrishow passa a ser cada vez mais cooperativa!



Publicidade