Cooperativas discutem novo procedimento para o RNTRC


OCB


Esclarecer todas as dúvidas sobre o novo procedimento instituído pela Resolução nº 4.799/15, que versa sobre o Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas (RNTRC). Este foi o objetivo do o workshop Recadastramento na ANTT, realizado hoje, na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), em Brasília, e com transmissão ao vivo.

O evento contou com a participação de Rosemary Freitas, superintendente substituta de Serviços de Transporte Rodoviário e Multimodal de Cargas, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a quem a gerente geral da OCB, Tania Zanella, agradeceu em nome do cooperativismo brasileiro pela excelente interlocução e atenção dada, no que se refere a conhecer as características do cooperativismo.

O coordenador nacional do Ramo Transporte, Abel Paré, fez questão de agradecer à OCB por sempre atuar em defesa das cooperativas de transporte rodoviário de cargas e passageiros e, também, à parceria estabelecida com a ANTT.

Também participaram do evento representantes de unidades estaduais, cooperativas e da empresa de consultoria EVO, que responderam aos questionamentos dos participantes presenciais e tele presenciais.

RNTRC – O recadastramento é feito com base na Resolução 4799/2015 da ANTT e visa a uma fiscalização mais efetiva do setor de transporte rodoviário de cargas. Além de conferir mais agilidade na recepção e na liberação dos veículos nas balanças, postos fiscais e instalações portuárias, o recadastramento também traz outras vantagens para quem o realiza.

- Aos Transportadores: regularização do exercício da atividade por meio da habilitação formal; disciplinamento do mercado; identificação de parâmetros de participação no mercado; conhecimento do grau de competitividade e inibição da atuação de atravessadores não qualificados.

Aos Usuários: maior informação sobre a oferta de transporte; maior segurança ao contratar o transportador; redução de perdas e roubos de cargas e redução de custos dos seguros.

- Ao país: conhecimento da oferta do transporte rodoviário de cargas; identificação da distribuição espacial, composição e idade média da frota; delimitação das áreas de atuação (urbana, estadual e regional) dos transportadores; conhecimento da especialização da atividade econômica (empresas, cooperativas e autônomos) e fiscalização da atividade.

ASSISTA – Quem não pode acompanhar o evento, poderá acessa-lo a partir de sexta-feira, na videoteca do Canal Cooperativo. Basta clicar aqui.



Publicidade