Cooperativa e Complexo Industrial de Xapuri firmam parceria para manejo florestal sustentável

Publicado em: 07 junho - 2018

Leia todas


Extrativistas do Acre buscam a harmonia e prosperidade na floresta (Foto: Arison Jardim/Secom)

Beneficiando 170 famílias em toda a Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes, a Cooperativa dos Produtores Florestais Comunitários (Cooperfloresta) assinou, contrato para manejo madeireiro sustentável com o Complexo Industrial Florestal de Xapuri. A iniciativa contou com o apoio do governador Tião Viana desde a Autorização de Exploração Florestal (Autex) pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) até os investimentos em infraestrutura, cadeias produtivas e treinamento da comunidade.

Após as famílias e associações aprovarem o manejo florestal em assembleia e por unanimidade, a Cooperfloresta vai entregar para o Complexo Industrial cerca de 14 mil metros cúbicos de madeira inicialmente, podendo se estender para outras parcerias. Só essa transação pretende movimentar R$ 3 milhões para as comunidades.

Alison dos Santos, diretor da complexo, falou como irá funcionar a primeira etapa da parceria. “Este é nosso primeiro ano da operação conjunta com eles. Num primeiro momento, vamos também iniciar a migração de uma parcela dessas madeiras para ser entregue como produto beneficiado, o que agrega mais valor final”, afirmou. Ele explicou ainda que a Resex Chico Mendes tem capacidade para fornecer de forma sustentável madeira para cinco indústrias como o Complexo Florestal de Xapuri.

A planta industrial tem grande capacidade, podendo processar 100 metros cúbicos de madeira por dia na serraria. Ainda possui dez estufas que possibilitam secar 700 metros cúbicos de madeira ao mesmo tempo. Em seguida, tem a unidade de beneficiamento, que dá o processo à madeira nos diversos produtos finais. Planejando outro tipo de manufatura, foi adquirida uma linha para processar madeira branca, utilizada em compensados, por exemplo.

Hoje, ela emprega mais de 70 funcionários, podendo chegar a 300 quando estiver operando em sua capacidade máxima. O Complexo é administrado pelo grupo Agrinlog, tendo também participação da Agência de Negócios do Acre (Anac). “Além da qualidade de vida para os comunitários, esta parceria representa um legado e ganho econômico para a região do Alto Acre e todo o estado”, afirmou André Vieira, presidente da Anac.



Publicidade