Doação de entulho, uma ação ecológica que gera renda

Publicado em: 23 outubro - 2020

Leia todas


SLU doa cerca de 260 toneladas de material reaproveitável para três instituições e 150 catadores

Desde o início do mês, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) age em favor da economia e da sustentabilidade: cerca de 260 toneladas de materiais reaproveitáveis – entre ferragens, materiais plásticos e papelão – foram doadas a três cooperativas de reciclagem. A iniciativa é não só um importante incentivo financeiro oferecido pelo GDF para as instituições, mas significa também a otimização das operações na Unidade de Recebimento de Entulho (URE) da Estrutural. Isso porque, além de dar um fim ecologicamente correto aos descartes, a medida assegura fonte de renda para os catadores, que poderão vender os volumes como matéria-prima.

A coleta seletiva de lixo e a rotina dos catadores foram amplamente afetadas pela pandemia de Covid-19, a exemplo de outras tantas atividades econômicas país afora. Sem renda até o retorno das atividades, há cerca de três meses, as cooperativas tiveram que se adaptar à situação e, por isso, destacam a importância da doação dos materiais feita pelo SLU.

“Ficamos muito tempo parados por causa da pandemia, mas tivemos alguns gastos. Essa doação vai ser um grande ganho e veio na hora exata, na hora em que estávamos mais necessitados”Mara Maria de Jesus, presidente da Plasferro

Uma das três instituições beneficiadas é a Cooperativa de Reciclagem Ambiental, em Sobradinho, que conta com 26 catadores parceiros. “Essas doações vão impactar muito porque venda desse material é um dinheiro a mais que está entrando. Vão ajudar? E muito, principalmente para manter as finanças”, comemora o presidente da cooperativa, Gilmar Clementino da Silva, de 46 anos. “Essa ajuda veio na hora certa.”

Presidente da Cooperativa Plasferro (P Sul, Ceilândia), Mara Maria de Jesus, de 33 anos, moradora na Estrutural e começou a trabalhar como catadora de materiais no antigo Lixão da Estrutural. Hoje, à frente de 80 catadores parceiros, ela também ressalta a importância da doação dos materiais recicláveis tanto para a cooperativa quanto para as famílias dos trabalhadores.

“Uma das missões do SLU, desde que se encerraram os lixões, é a questão do auxílio às cooperativas de reciclagem, pois são pessoas que dependem disso para sobreviver. E elas fazem um trabalho nobre”- Allan Adjuto, analista de Gestão de Resíduos do SLU

“Ficamos muito tempo parados por causa da pandemia, mas tivemos alguns gastos. Então, essa doação vai ser de grande ajuda, porque voltamos a trabalhar sem renda nenhuma. Vai ser um grande ganho e veio na hora exata, na hora em que estávamos mais necessitados”, explica Mara.

Vinícius destaca o avanço “do ponto de vista ambiental e social” | Foto: Lúcio Bernardo Jr. / Agência Brasília

A solidariedade e o espírito de coletividade também são os principais pontos levantados por Roque Moreira de Almeida Filho, 39 anos, presidente da Cooperativa Recicla BSB, localizada no Setor de Indústrias e Abastecimento (SIA). “Essa ajuda vai nos beneficiar muito, porque os catadores que puderam voltar a trabalhar estão se desdobrando para ajudar os colegas que não puderam e estão sem renda há mais de seis meses”, explica Roque, líder de 41 catadores parceiros.

Para todos

A URE da Estrutural recebe, diariamente, dezenas de caminhões de entulho. O transporte e o despejo desse conteúdo é marcado por caçambas lotadas de rejeitos. No local, uma equipe de triagem separa os materiais recicláveis do restante, e a origem das doações para as cooperativas começa neste importante trabalho.

Não fosse a iniciativa das doações, os materiais não teriam a destinação correta, o que significaria um grande prejuízo para o meio ambiente e para o DF, como um todo. É o que explicam Allan Adjuto Chaves e Vinícius de Abreu Mendonça, analistas de Gestão de Resíduos Sólidos do SLU.

“Uma das missões do SLU, desde que se encerraram os lixões, é a questão do auxílio às cooperativas de reciclagem, pois são pessoas que dependem disso para sobreviver. E elas fazem um trabalho nobre”, salienta Allan.

“Não é adequado aterrar esse tipo de material aqui”, explica Vinícius, que também ressalta os benefícios da iniciativa.

“Vai ser bacana para a operação como um todo: vamos ter mais área e conseguir separar um material de melhor qualidade, além do ponto de vista ambiental e social.”


Fonte: Agência Brasília


Notícias Relacionadas



Publicidade