Acordo permitirá liberação de R$ 35 mi para agricultura familiar do Nordeste

Publicado em: 30 outubro - 2020

Leia todas


Acordo de cooperação técnica firmado entre o governador do Piauí e atual presidente do Consórcio do Nordeste, Wellington dias, e o Banco Regional de Brasília (BRB) permitirá a liberação de recursos de até R$ 35 milhões a agricultores familiares, por meio de cooperativas e entidades dos nove estados nordestinos.

No caso específico do Piauí, o recurso deve beneficiar cooperativas que atuam na produção de alimentos como mel e frutas. Na oportunidade, Dias revelou que esse modelo produtivo poderá servir de referência na relação com outros agentes financeiros, com prioridade para o apoio aos pequenos produtores da agricultura familiar, “o que dá bons resultados”.

O superintendente da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF) e coordenador do Projeto Viva o Semiárido (PVSA) no Piauí, Francisco das Chagas Ribeiro, por sua vez, informou que o fórum do gestores e gestoras da Agricultura Familiar do Nordeste articula a criação de uma plataforma de crédito voltada especificamente ao atendimento da agricultura familiar, em especial, por meio de cooperativas.

Inicialmente, emenda Ribeiro, haverá um projeto-piloto da nova plataforma, em data não fixada a ser realizado no Piauí, para atendimento da Cooperativa Mista de apicultores da microrregião do município de Simplício Mendes (Comapi), hoje com quase 500 cooperados. Financiada recentemente pelo PVSA, ela produz até 700 toneladas de mel por ano, a maior parte destinada à exportação.

Detentora de oito certificações – com destaque para o mel orgânico, organismos geneticamente não modificados e certificados com selos de qualidade – a Comapi é capaz de processar até mil toneladas por ano, meta ainda não alcançada, segundo Ribeiro, devido à falta de recursos para adquirir o produto dos cooperados. Para eliminar essa dificuldade, o projeto prevê prover os cooperados de capital de giro, além da capitalização da cooperativa (para que esta possa comprar o mel desses cooperados) e do aumento da capacidade de processamento.

De acordo com o coordenador, a previsão é de que o projeto demande recursos de até R$ 10 milhões, ainda dependentes de garantias na capacidade de pagamento, por parte da cooperativa, para aprovação posterior da operação pelo banco. Em seguida, 40 cooperativas do Nordeste serão capacitadas em gestão, mais especificamente nas áreas de patrimônio e fluxo de caixa.

Em paralelo, o Estado do Piauí vem pretende apresentar mais sete cooperativas na área de atuação do Progere II e do PVSA. São elas, a Cooperativa de Produtores e produtoras da Chapada do Vale do Itaim do Piauí (Coovita); de Paulistana, Betânia e Queimada Nova, do Vale do Fidalgo (Simplício Mendes); Cocajupi (Central de Cooperativas de Cajucultores do estado do Piauí) e Casa Apis de Picos; Cooperativa dos Apicultores de Aniso de Abreu e ainda na área de atuação do Progere, Coafrut e Codevarpi, de Piripiri e Piracuruca.

Costurada com a intermediação do governo piauiense, a parceria com o Banco Regional de Brasília (BRB) servirá, na avaliação do gerente da Comapi, Sergio Viana, para indicar as cooperativas mais indicadas a receber os recursos, conforme um perfil de boa pagadora. Com a captação desses recursos, completa ele, será possível, inclusive, diversificar a carta de crédito da cooperativa, que já vinha trabalhando com o Banco do Brasil.


Marcello Sigwalt – Redação MundoCoop


Notícias Relacionadas



Publicidade