Apex-Brasil atua para melhorar imagem do país

Publicado em: 15 setembro - 2021

Leia todas


O Programa de Acesso a Mercados do Agronegócio Brasileiro vai atuar em mercados estratégicos, destacando os atributos dos produtos brasileiros

Quando o assunto é exportação, o Brasil tem uma tarefa muito importante: melhorar a percepção de mercados internacionais estratégicos em relação à cadeia do agronegócio brasileiro. E foi com esse objetivo que a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) lançou, nesta terça-feira (14/09), o segundo ciclo do Programa de Imagem e Acesso a Mercados do Agronegócio Brasileiro (PAM Agro) 2021-2023.

A cerimônia contou com a participação do Secretário-Executivo do Ministério da Agricultura, Marcos Montes, do ministro das Relações Exteriores, Carlos Fraga, do diretor de Negócios da Apex-Brasil, Lucas Fiuza, e de representantes do setor agropecuário, como é o caso da superintendente do Sistema OCB, Tânia Zanella, entidade parceira do programa.

O PAM AGRO é o resultado da parceria entre Apex-Brasil e o setor privado, contando com o suporte do Ministério das Relações Exteriores (MRE) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). E o foco, nesse segundo ciclo do programa, é conduzir um esforço concentrado e coordenado de comunicação que destaque a sustentabilidade, a segurança e a tecnologia embarcadas nos nossos produtos.

Para o período 2021-2023, o programa promoverá iniciativas que contribuam para o posicionamento de imagem do agronegócio brasileiro na Europa, norteadas por uma estratégia de comunicação e pelo objetivo de sensibilizar a opinião pública internacional, buscando impactar positivamente as frentes de defesa de interesses e o desempenho das exportações do setor, com especial atenção para o processo de ratificação do acordo Mercosul-União Europeia.

Cooperativismo 

A OCB e a Apex-Brasil têm um acordo, desde o ano passado, com o objetivo de promover oportunidades de negócios internacionais para as cooperativas brasileiras. De acordo com a superintendente do Sistema OCB, Tânia Zanella, “por acreditar que as nossas cooperativas ainda têm muito a contribuir com o país, nesse viés exportador, a OCB aceitou o convite da Agência. Nossa intenção é contribuir ao máximo com a melhoria da imagem do Brasil lá fora para ampliar o comércio exterior de todo o setor agropecuário brasileiro”, destacou a superintendente.

Além da OCB, neste ciclo, o programa conta com o engajamento de 14 das principais instituições representantes do setor privado:

· Associação Brasileira do Agronegócio (Abag);

· Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia);

· Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec);

· Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove);

· Associação Brasileira de Proteína Animal (Abpa);

· Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas);

· Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa);

· Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio);

· Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA);

· Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR);

· Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA);

· CropLife Brasil (Croplife);

· União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

O projeto foi criado em 2017, em uma iniciativa inédita entre a Apex-Brasil e o setor privado, cuja participação foi fundamental para a representatividade e legitimidade das ações e já teve um ciclo de ações realizadas. O novo ciclo, ao qual a OCB aderiu, vai de 2021 a 2023. O prazo de execução do novo ciclo é de 24 meses, e incluirá geração e gestão de conteúdo customizado para os diversos públicos-alvo do programa, identificados por meio de mapeamento e pesquisa, além de eventos e ações de relacionamento.


Fonte: OCB com adaptação da MundoCoop


Notícias relacionadas



Publicidade