Com projeto de irrigação, cafeicultor aumenta produtividade em 28%

Publicado em: 20 janeiro - 2021

Leia todas


Uma mão amiga na hora da dificuldade. A expressão alude à iniciativa da Coopercitrus, que emprestou alternativas para que o produtor de café João Abraão, da cidade paulista de Altinópolis, tivesse a oportunidade de aperfeiçoar o sistema de irrigação e melhorar o desempenho da área cultivada, de 80 hectares.

Frente a variados desafios, seja de acertar na estratégia para a safra, conforme fatores externos, a exemplo de intempéries da natureza e do clima, ou ainda o excesso de chuvas, que igualmente pode comprometer o resultado das plantações. “Em 2014, fomos atingidos por uma grande seca, foi um desastre. Deixamos de colher duas mil sacas de café. Depois, tivemos mais duas ou três secas consecutivas”, conta Abraão, sem esconder a tristeza.

Apesar da situação nada boa, o cafeicultor não se deu vencido e agora está mais aliviado, depois que a Coopercitrus apresentou uma proposta de negociação por barter, pela qual é trocada a produção futura de café do cooperado por produtos e serviços. A modalidade acabou viabilizando a implantação do novo sistema de irrigação, adequado ao planejamento financeiro do produtor. “A Coopercitrus chegou em um momento muito importante e nos trouxe uma visão de cooperativismo moderno, com tecnologia e perspectiva de futuro. Irrigação é uma coisa muito difícil, o investimento é alto e além disso, nós tínhamos dificuldade em ter água aqui na região. O que a gente precisava era de um suporte como o da Coopercitrus, com conhecimento técnico e garantia para que o nosso investimento fosse viável”, conta.

Sobre a vantagem da modalidade ‘barter’, o produtor de Altinópolis conta que pôde furar o poço artesiano, comprar a bomba e um reservatório com capacidade para 3,8 mil litro de água, além do painel de controle e do sistema de irrigação. Agora, satisfeito, ele comemora os ganhos de qualidade, uma vez que, segundo ele, a cooperativa se mostrou ‘um facilitador enorme’, a ponto de ele estar hoje com 80% de café irrigado. Mas ele não pretende parar por aí. “Isso foi obtido em apenas três anos, contudo queremos ampliar a meta para 100% de café irrigado em 2023”, assinala. 

Além disso, o cafeicultor obteve ganhos de produtividade da cultura, mediante o investimento em fertirrigação*, pelo qual sua produção passou de 35 sacas por hectare para 45 sacas, após a implantação do sistema de irrigação. Para otimizá-la ainda mais, ele utilizou como ferramenta a agricultura de precisão (GeoFert Coopercitrus), que analisa o solo com o sistema de georreferenciamento, que permite detalhar as características de cada área da propriedade, assim como a correção do solo com maior índice de acerto e melhor custo-benefício. 


(*) Preparo das soluções fertilizantes que permite determinar a quantidade de nutrientes e fertilizantes necessária para a cultura em cada aplicação e as respectivas concentrações. Para determinar a quantidade exata de nutrientes por aplicação, é recomendável conhecer melhor, primeiro, a extração pela cultura durante o período, seguido da quantidade de  nutrientes que o solo pode fornecer à cultura, a quantidade de nutrientes existente na água de irrigação, a marcha de absorção de nutrientes nos diferentes estádios fenológicos e a eficiência de aplicação e utilização dos nutrientes aplicados (DOMINGUEZ VIVANCOS 1996; PAPADOPOULOS, 1999).


Por Marcello Sigwalt – Redação MundoCoop


Notícias relacionadas



Publicidade