Concessão florestal protege as florestas e gera emprego local

Publicado em: 08 dezembro - 2020

Leia todas


As concessionárias da Flona de Altamira possuem 624 funcionários com carteiras assinadas e impactam quase três mil indiretamente

A concessão florestal de florestas públicas federais gerou em torno de 1200 empregos formais em 2020. O número de empregos com carteira assinada é referente a 15 contratos ativos de concessão florestal em Florestas Nacionais (Flonas), nos estados do Pará e Rondônia. Somente as concessionárias da Flona de Altamira, RRX e Patauá Florestal, assinaram a carteira de 624 funcionários.

No entanto, os empregos indiretos da concessão florestal giram em torno de 3 mil, apenas no distrito de Moraes Almeida, onde estão localizadas as sedes dessas empresas. O diretor administrativo da Patauá, Onésio Alves da Silva, afirma que “a Patauá tem 150 funcionários dentro da Flona de Altamira, além de manter 500 empregos diretos e 2500 indiretos. Considerando que o distrito de Moraes Almeida tem 10 mil habitantes, 25% da população depende direta ou indiretamente do nosso grupo”.

A Patauá é uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), com cinco sócios. Cada um deles tem a sua madeireira. A produção das duas Unidades de Manejo Florestal (UMF) III e IV da Flona de Altamira é dividida igualmente para beneficiamento nessas madeireiras. A empresa do Onésio usa do nome de fantasia de Madeiras Garibaldi e emprega 30 colaboradores.

Histórias de vida

Auxiliar de produção da Garibaldi, Maria Bárbara Santos Silva (27), está realizando o sonho da vida: ter a casa própria. Nascida em Bom Jardim, no Maranhão, mudou-se com a família ainda criança para o município de Itaituba em 2004, onde o pai comprou um pedaço de terra. Foi com o pai que Maria Bárbara aprendeu que existe uma “metragem” permitida para desmatamento pelos proprietários rurais. Nesse espaço, o pai planta arroz, feijão e macaxeira, tudo para o consumo. No entanto, o sentimento de proteção da floresta aumentou ainda mais com o trabalho na concessão florestal. Aos 18 anos, a auxiliar de produção se casou e tentou melhorar de vida no município de Miritituba, mas não deu muito certo.

“Eu e meu esposo, chegamos aqui em Moraes Almeida cheios de dívidas. Mas, foi trabalhando aqui na Garibaldi que eu e meu esposo conseguimos pagar tudo, comprar nossas coisinhas e ainda compramos um terreno e vamos construir nossa casa. É um sonho que só conseguimos realizar por causa da concessão, que dá emprego e segurança pra gente. Não quero mais sair daqui”, disse Maria Bárbara.

A história de José Gomes da Silva (50) é um pouco diferente da colega de empresa, Maria Bárbara. Ele saiu de Alagoas em 1994 para o município de Paragominas (PA) em busca de trabalho. Conseguiu. Só que a vida na extração ilegal de madeira é sofrida e incerta. Só se tem trabalho no período de produção. Foi assim com José Gomes em Paragominas e em Tucuruí, também do Pará. No entanto, sua vida mudou ao ter um emprego com carteira assinada na Garibaldi.

Antes de ser transferido para a função de zelador, José Gomes trabalhou como operador de plaina, desde que entrou na empresa. “Se eu pudesse dar um conselho pras pessoas que trabalham com a retirada ilegal de madeira, ia contar minha história. Minha vida hoje é tranquila, tenho salário todo mês, férias e todos os direitos. Outra coisa, aqui em Moraes Almeida, nas concessões, tem emprego sobrando. Estou muito feliz aqui, só saio daqui se o patrão me mandar embora”, relata José.

O fluminense de Nova Friburgo, Luiz Alberto Overney Ferreira (55), é madeireiro e filho de madeireiro de floresta plantada. Na sua região, se faz o cultivo de pinus e eucalipto. Em 2016, sua vida mudou. Aceitou o convite para gerenciar a RRX, concessionária das Unidades de Manejo Florestal I e II da Flona de Altamira. Passou 2 anos dentro da flona aprendendo a técnica do manejo sustentável e a logística de operação na floresta. No entanto, só depois de sobrevoar a floresta e ver sua grandiosidade é que se deu conta da importância da Amazônia para o mundo.

“O manejo sustentável é fundamental para a manutenção da floresta. Quando sobrevoei a floresta, não havia nenhum sinal da exploração que tínhamos feito na área no ano anterior. Além disso, garante emprego pra comunidade. Saí do Rio de Janeiro porque a situação lá já não estava fácil. Agora tenho uma vida muito melhor trabalhando na RRX e aqui está faltando funcionário. Estamos construindo alojamentos para contratar mais 20 colaboradores, pelo menos”, disse o gerente Overney.

Moraes Almeida é um lugar procurado historicamente por madeireiros e garimpeiros.  No entanto, esses profissionais não buscam se estabelecer no local. A intenção é explorar, ganhar dinheiro e ir embora. Com Raimundo Benício (50) foi diferente. Há sete anos, ele foi pra Moraes Almeida para trabalhar no garimpo, em busca de ouro. Com a mesma facilidade que ganhou dinheiro, perdeu. Foi no trabalho na RRX, com carteira assinada, que Benício conheceu a palavra estabilidade.

“Aqui na RRX já fui prancheiro e empilhador de madeira. O trabalho é pesado, mas tenho hora para chegar, para almoçar e ir para a minha casa descansar. E ainda, sou registrado! O salário é bom. Com a ajuda da minha esposa que é professora aqui em Moraes Almeida, temos uma vida digna e hoje tenho orgulho do que faço, não sou mais ilegal”, relata Benício.

Manejo sustentável

O programa de concessão florestal é coordenado pelo Serviço Florestal Brasileiro e é uma das agendas estratégicas do Governo Federal para manter a floresta em pé. A área sob concessão é utilizada em um sistema de rodízio, que permite a produção contínua e sustentável de madeira. Em média, de quatro a seis árvores são retiradas por hectare e o retorno a mesma área ocorrerá após 25 a 35 anos, permitindo o crescimento das árvores remanescentes.

O uso sustentável das áreas concedidas associa a conservação da cobertura vegetal com a geração local de emprego e renda. Assim, melhora a qualidade de vida da população que vive em seu entorno e gera estímulo à economia formal com produtos e serviços oriundos do manejo florestal. Os municípios e comunidades vizinhos à área concedida são favorecidos com a geração de empregos, investimentos em serviços, infraestrutura, retornos financeiros oriundos do pagamento pelos produtos que foram concedidos e demais benefícios garantidos pelo contrato de concessão. Todos os cidadãos são beneficiados com a conservação dos recursos da floresta, ainda com a certeza de estarem comprando produtos que respeitam a floresta.


Fonte: Mapa


Notícias Relacionadas



Publicidade