Cooperativa apresenta oportunidades para suinocultores em MS

Publicado em: 22 março - 2021

Leia todas


Empresa irá contribuir na geração de emprego e renda da região

Cooperativa de Produção e Consumo Concórdia (Copérdia) está em processo de expansão para Mato Grosso do Sul, objetivo é associar produtores rurais, que operam ou tenham interesse na suinocultura. Atualmente, a Copérdia atua em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Conforme divulgado a previsão é que até 2023 a cooperativa tenha implementado 31 barracões em propriedades rurais de MS, cada um alojando cerca de 1.134 suínos, contribuindo na geração de emprego e renda da região.

Técnico em suinocultura da Copérdia, Rodrigo Rosa explica o objetivo da expansão. “Nosso trabalho está pautado em produzir suínos para a Cooperativa Central Aurora, que nos oportunizou aumento de cotas de abates para o frigorífico de São Gabriel do Oeste, FASGO. Assim, temos o desafio de implantar o fomento de suinocultura nessa região de Mato Grosso do Sul”, informou via assessoria.

O técnico enfatiza que já existem cooperativas ligadas à Aurora no Estado e que a Copérdia irá oferecer mais uma opção de produção ao pequeno, médio e grande produtor. Queremos dar oportunidade aos produtores e fortalecer o verdadeiro espírito cooperativista que valorizamos diariamente”.

Até o momento a cooperativa confirmou a expansão nos municípios de Jaraguari, Campo Grande e Corguinho, o principal objetivo é implantar as instalações de seus futuros associados. “Temos contato com a equipe técnica da Cooasgo colaborando com ajustes em casos de necessidade na região. E este alinhamento traz ganhos e também maior segurança aos produtores das duas cooperativas, pelo comprometimento e parceria entre ambas”, destacou Rodrigo.

A Copérdia fornece aos produtores insumos como: ração, medicamentos e os leitões. Ao produtor rural, conforme a assessoria, fica a cargo do suinocultor, o investimento em instalações e mão de obra para o trabalho de manejo diário.

A simulação apresentada pela cooperativa, à diretoria do Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho (SRCG), mostra que o ciclo de engorda do leitão, leva cerca de 105 dias, com o projeto o suinocultor poderá receber até R$ 50 por cabeça, desde que cumpra com as metas de conversão alimentar, mortalidade e assertividade de peso de carcaça, individual e média do lote.  Segundo a assessoria, o valor contempla o montante proposto pelo Programa Leitão Vida, do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul.

 Presidente do SRCG, Alessandro Coelho sinaliza que os dejetos, podem alavancar as pastagens, para a bovinocultura de corte e de leite, e das lavouras na região. “É uma oportunidade para o produtor rural sul-mato-grossense que busca diversificar os rendimentos da propriedade. A suinocultura está em franca expansão e o formato de trabalho, além de seguro, apresenta-se atrativo, levando em consideração o conjunto: que soma desde assistência técnica até a logística e genética”, explicou o presidente via assessoria.

“O processo é simples, iniciando com uma visita ao produtor interessado no assunto. Neste momento, fazemos uma avaliação do local, avaliando acesso à propriedade como estradas em geral e distância da malha asfáltica a qual, deseja-se menor distância possível. Avaliamos o perfil do produtor, prestando atenção maior em alguns pontos como: possibilidade de sucessão familiar na atividade, capacidade financeira de investimento e gerenciamento da atividade e se possui outras atividades ligadas ao agro. E, na sequência, orientamos o produtor quanto ao licenciamento ambiental. Temos um zelo muito grande na orientação dos investimentos, pois o projeto em sua linha do tempo, traz ganhos financeiros interessantes ao produtor e a qualidade das instalações, padronização das mesmas e o bom manejo, são essenciais para este bom desempenho”, finaliza Rodrigo Rosa.


Fonte: Capital News


Notícias Relacionadas:



Publicidade