Cooperativa destaca atuação no Plano Safra 2021/22

Publicado em: 06 julho - 2021

Leia todas


Sicredi destacou o trabalho do setor de crédito juntos ás cooperativas, e ressaltou o comprometimento com os pequenos produtores no próximo ciclo

Ocorreu na manhã desta terça (06) a live de lançamento do Plano Safra 2021/22. Promovida e transmitida pelo Sicredi, o evento contou com a apresentação de Alessandra Bergmann, e as presenças de Fernando Dall Agnese, Presidente do Conselho da Sicredi Participações; e de João Tavares, Presidente do Banco Cooperativo Sicredi.

Para iniciar o evento, Fernando Agnese destacou a relevância do Plano Safra para o desenvolvimento do setor rural brasileiro, em especial, para os pequenos produtores. Como ressaltou, hoje o Sicredi já é a segunda maior instituição em concessão de crédito rural no Brasil, e a primeira entre as instituições do setor privado; com uma carteira agro de R$38 bilhões.

Agnese ressaltou que, tais resultados, foram possíveis graças ao trabalho junto às coops. “Isso é apenas possível porque nossas cooperativas vivem a comunidade rural por todo o Brasil, e entendem o Agro como forte motor da economia do país”, afirmou. Como salientou, mesmo diante do cenário pandêmico, os produtores continuaram a ser responsáveis pela maior parte da produção de alimentos do país, chegando a uma marca que hoje está em 70% de toda a produção.

Dentre as concessões de crédito, os produtores rurais respondem por 62% dos beneficiados, graças ao fácil acesso aos recursos, que podem ser contratados a partir das unidades do Sicredi, espalhadas por todo o país.

Tereza Cristina, Ministra da Agricultura, Agropecuária e Abastecimento, fez uma breve participação, através de uma mensagem enviada para o público. Em sua fala, ela destacou o cenário onde o novo Plano foi concebido. ““Neste ano, o Plano Safra nasceu em um contexto fiscal mais difícil do que nos anos anteriores. Ainda assim, asseguramos condições que irão manter o desempenho recente do agro brasileiro”, destacou a Ministra. O novo Plano Safra contará com ainda mais foco na agricultura familiar, e nos investimentos para a produção, manutenção e armazenamento de produtos. Além disso, o novo ciclo conta com mais recursos para toda a cadeia produtiva, com foco na sustentabilidade e na agricultura de baixo carbono.

Já na parte final, João Tavares, Presidente do Banco Cooperativo Sicredi, compartilhou alguns números do ciclo passado do Plano Safra. Como destacou, foram R$29,1 bilhões em crédito concedido, sendo R$6,1 bilhões para a agricultura familiar; R$5,1 bilhões para médios produtores; R$16,2 bilhões para os demais produtores e investimentos; e ainda, R$1,6 bilhão em Cédula do Produtor Rural (CPR). No último ciclo, foram 220 mil operações, representando um aumento de 41% em relação à safra anterior.

Em seguida, Tavares destacou algumas mudanças dos últimos meses, colocadas em prática pelo Sicredi. Como ressaltou, os esforços para continuidade das atividades mesmo diante da pandemia, resultou em uma ampliação dos canais digitais, e com a desburocratização de alguns processos. Neste cenário, Tavares destacou que o momento pede por novas soluções e alternativas, e que o país tem macanismos favoráveis para que isso aconteça. “Temos consciência de que o país é um país que tem muitas práticas evoluídas de agronegócio e por isso a gente entende que é preciso reforçar isso e aproveitar essa fortaleza dos nossos produtores rurais para construir alternativas juntos”, afirmou.

Dentre outras iniciativas destacadas pelo Sicredi, estão os investimentos na chamada “economia verde”. Segundo divulgado, o Programa ABC, focado em Agricultura de baixo carbono, recebeu mais de R$170 milhões no último ciclo. No mercado internacional, com ajuda do Banco Mundial, foram realizadas buscas para o aumento de recursos para o financiamento de energias renováveis, como a energia solar. Tal operação resultou na primeira do tipo, realizada por uma instituição brasileira.

Plano Safra 2021/22 no Sicredi

Para encerrar o evento, Tavares apresentando algumas projeções do que o Sicredi espera realizar no próximo ciclo, que continuará como diferencial a atenção ao relacionamento com o cooperado. Assim, o novo Plano Safra terá, para suporte ao agronegócio e operações de pré-custeio, R$6,9 bilhões em crédito liberado. Tal montante irá possibilitar um maior planejamento do produtor na hora de adquirir insumos para a sua produção.

Para o custeio, investimentos e comercialização, a cifra ficará em R$38,2 bilhões em crédito, representando um aumento de 31% em relação ao período anterior. De todos os recursos liberados, 80% devem ser destinados a pequenos e médios produtores.

Para completar, o Sicredi busca aumentar a cobertura de seu Seguro Agrícola, que na última safra protegeu mais de 83 mil famílias. O novo ciclo deve trazer melhores condições, que irão se adequar à realidade dos associados. Para isso, o grupo pretende ampliar o número de culturas cobertas, que hoje já são 50.

As taxas de juros continuarão a ser específicas para cada tipo de processo, mas devem ficar entre 3% e 4,5% no Pronaf; 5,5% a 6,5% no Pronamp; 7,5% a 8,5% para demais produtores e investimentos e 5,5% a 7% para os chamados ‘investimentos prioritários’.


Por Redação MundoCoop


Notícias Relacionadas:



Publicidade