Estimativa de julho prevê safra recorde de 256,1 milhões de toneladas em 2021

Publicado em: 10 agosto - 2021

Leia todas


A estimativa para a safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas em 2021 foi reduzida pelo quarto mês consecutivo, mas se mantém em nível recorde, devendo chegar a 256,1 milhões de toneladas até o final do ano. O plantio tardio do milho 2ª safra e a falta de chuvas durante o ciclo da cultura afetaram a produtividade das lavouras do cereal que é uma das principais commodities da agricultura brasileira. Já a produção de soja continua a elevar seus recordes. Somados ao arroz, esses dois produtos representam 92,4% da safra.

Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta terça-feira (10/08) pelo IBGE. A estimativa para 2021 chegou a atingir 264,9 milhões de toneladas na informação de março, mas vem sofrendo reduções desde abril. Contudo, ainda se mantém 0,8% superior à obtida em 2020, que já havia sido recorde, de 254,1 milhões de toneladas.

“O milho é plantado depois da soja e, como a soja atrasou, a janela de plantio do milho ficou menor. Já tendo sido plantada fora da época ideal e ainda tendo chovido menos do que o esperado no período do cultivo, a safra de milho foi bastante afetada pelos fatores climáticos. O rendimento médio do cereal apresenta um declínio de 16,7%”, explica Carlos Barradas, gerente da pesquisa.

A estimativa de produção para o milho declinou 3,6%, totalizando 91,6 milhões de toneladas. Em relação a 2020, a queda é de 11,3%, embora a área plantada tenha aumentado 6,6%. A primeira safra chegou a ter aumento de 2,4% em sua previsão em relação ao mês anterior, mas a segunda, que é a principal, acabou com um declínio de 5,9%. Em relação ao ano anterior, a estimativa para a segunda safra encontra-se 15,0% menor, apesar da área plantada ter aumentado 8,2%.

Por outro lado, a colheita da soja de 2021 já foi concluída e a commodity alcançou seu melhor resultado na série histórica do LSPA, totalizando 133,4 milhões de toneladas, 9,8% acima da produção de 2020, o equivalente a 11,9 milhões de toneladas.

“A cultura se desenvolveu de maneira satisfatória na maioria das unidades produtoras. O Rio Grande do Sul recuperou a sua produção, que foi muita afetada pela estiagem em 2020, resultando em um crescimento de 80,6% e, atingindo um recorde de 20,43 milhões de toneladas, com uma produtividade média de 3.341 quilos por hectare”, ressalta o pesquisador.

Com essa produção, o estado torna-se o segundo maior produtor nacional de soja, ultrapassando o Paraná, onde a cultura foi afetada pela estiagem, que reduziu sua produção em 4,7% em relação a 2020. Outros estados, porém, apresentaram queda no rendimento médio das lavouras, devido aos problemas climáticos, como foi o caso do Mato Grosso (-3,5%), do Paraná (-6,7%) e de Goiás (-2,4%). Na região composta pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, conhecida como MATOPIBA, apenas o Tocantins apresentou redução na produção (-6,3%). E a Bahia apresentou a maior produtividade média do Brasil para o grão: 4.020 kg/ha.

Já a estimativa da produção do arroz foi de 11,5 milhões de toneladas, aumento de 2,6% em relação ao mês anterior e 4,1% superior a safra de 2020.

“Essa produção será suficiente para abastecer o mercado brasileiro, possibilitando maior equilíbrio nos preços do cereal, que alcançou patamares históricos em 2020, em razão do aumento do consumo interno e das exportações devido ao estímulo cambial”, ressalta Carlos Barradas.

A estimativa para o feijão, no entanto, foi reduzida em 1,6%, mas ainda deve ficar 0,5% acima da safra de 2020. Segundo Barradas, a produção, se se mantiver dentro do esperado, apesar de apertada, também deve ser suficiente para atender ao consumo dos brasileiros, não havendo, portanto, a necessidade de importações e alta de preços.

As regiões Sul (7,5%), Nordeste (4,9%), Sudeste (3,4%) e Norte (0,9%) tiveram altas em suas estimativas. A primeira deve produzir 78,6 milhões de toneladas (30,7% do total nacional); a segunda, 23,7 milhões de toneladas (9,3% do total); a terceira, 26,6 milhões de toneladas (10,4% do total), e a quarta, 11,1 milhões de toneladas (4,3% do total).

Por outro lado, para o Centro-Oeste, que é a maior produtora (45,3% do total nacional), foi estimada uma queda de 4,6% frente a 2020, devendo produzir 116,1 milhões de toneladas em 2021.

Entre as unidades da federação, o Mato Grosso lidera como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 27,7%, seguido pelo Paraná (14,6%), Rio Grande do Sul (13,7%), Goiás (9,1%), Mato Grosso do Sul (8,3%) e Minas Gerais (6,4%), que, somados, representam 79,8% do total nacional.


Fonte: Agência IBGE de Notícias


Notícias Relacionadas:



Publicidade