IGL inicia planejamento estratégico da cadeia do leite

Publicado em: 16 junho - 2016

Leia todas


12
O Instituto Gaúcho do Leite (IGL), em parceria com o Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP), iniciou o projeto de criação do plano estratégico da cadeia produtiva do leite gaúcho. No total serão três encontros, sendo o segundo deles no dia 21 de junho e duas imersões de fim de semana em julho, até chegar a um projeto de longo prazo. Em 8 de junho, foi realizado encontro circunscrito a membros da diretoria, quando foram criados os valores, a missão e a visão do IGL, os chamados pilares da gestão.

“Esse trabalho do PGQP está trazendo para dentro do IGL as modernas técnicas de gestão das grandes empresas, das empresas de sucesso e das que pretendem ter sucesso. A cadeia leite é alardeada como a grande salvação social para o Estado, só que não é tratada como tal. Pelo contrário, é o grande patinho feio que ninguém quer transformar em cisne. Nós estamos querendo fazer! E uma das questões umbilicais para isso é a gestão, que será abordada no planejamento estratégico, que vai nos dizer o que fazer daqui a seis anos”, explica o presidente do IGL, Gilberto Piccinini.

No seminário técnico do dia 21, também coordenado pelo PGQP e que contará com um grupo maior, de 50 a 60 especialistas do setor lácteo gaúcho, vai ser apresentado o resultado do primeiro encontro e analisado o relatório socioeconômico produzido pelo IGL em parceria com a Emater. O documento servirá para estruturar as fortalezas e as fraquezas da cadeia produtiva do leite e criar as bases para discutir as ameaças e oportunidades. “No seminário técnico, já começamos a olhar para a cadeia.

Já o planejamento estratégico, que vai ocorrer em duas etapas, em duas imersões de fim de semana, as fortalezas e oportunidades e ameaças e fragilidades já estarão mapeadas”, comentou Marcelo Beltrand, consultor organizacional do Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP), informando que o grande benefício que o IGL pode obter com esse processo de profissionalização com metodologias consagradas e utilizadas por grandes empresas é o alinhamento das pessoas. “É as pessoas olharem para a mesma direção. Terem acordos, entenderem os seus problemas. Não sei se vão superar todos os gaps, mas eu diria que a tarefa fica mais facilitada.

Ninguém garante que pode se superar todos os desafios, mas alinhando as pessoas eu diria que é uma vantagem imensa, porque as pessoas começam a olhar para o mesmo objeto”, conclui Beltrand