Lar Cooperativa Agroindustrial investe R$ 350 milhões em complexo industrial no PR

Publicado em: 25 janeiro - 2021

Leia todas


(Foto Leandro Carvalho)

Embalada por faturamento expressivo de R$ 10,8 bilhões em 2020 (55,14% superior a 2019), e um lucro líquido de R$ 717,8 milhões (o triplo do ano passado, que foi de R$ 230 milhões), a Lar Cooperativa Agroindustrial, de Medianeira (PR), pretende investir, no período de 2021 a 2024, cerca R$ 350 milhões na implantação de um complexo industrial na comunidade de Bom Jesus, localizada no mesmo município e próxima ao trecho de saída para Foz de Iguaçu. A nova unidade servirá para o recebimento e secagem de milho, além de incluir outras três plantas de ração.

De acordo com o planejamento, as três novas plantas vão estar assim distribuídas. Uma atenderá exclusivamente as matrizes; a segunda, à engorda dos frangos, e a terceira, voltada à demanda por ‘premix’, ou seja, vitaminas e minerais adicionados à ração. Assim, a nova unidade permitirá atender uma dezena de unidades industriais do grupo paranaense. Também neste ano, reforça a capacidade de processamento da Lar a aquisição recente, junto à Copagril, da unidade industrial de abate de aves, em Marechal Cândido Rondon (PR), assim como da fábrica de rações – também da Copagril, na cidade de Entre Rios do Oeste (PR) – cuja produção hoje chega a 45 mil toneladas do insumo por mês. A transação envolveu recursos de R$ 410 milhões.

Para o diretor-presidente da Lar, Irineo da Costa Rodrigues, a performance notável da companhia decorre de seu crescimento orgânico, assim como do aumento do volume processado, que acompanha o ritmo dos produtores, sem contar novos investimentos e aquisições realizados. Apesar da expansão dos negócios, Rodrigues ressalta que o ano passado foi marcado pela recuperação do setor, após a frustração da safra 2018/2019 e a decorrente perda de receita de R$ 550 milhões.

Já no período relativo à safra 2019/20, as entregas chegaram a 4,8 milhões de toneladas (2,4 milhões de soja e 2,4 milhões de milho), além de 36,8 mil toneladas de trigo, o que corresponde a uma safra 54,8% superior às 3,1 milhões de toneladas colhidas no ciclo anterior. Ao mesmo tempo, o número de aves abatidas pela Lar passou de 149,3 milhões (2019), para 180 milhões (2020), enquanto, no caso dos suínos, este volume cresceu de 645,4 mil para 769 mil –  o que representa expansão de 20,6% e 19,2%, respectivamente.

Sinergias positivas foi a expressão utilizada por Irineo para justificar a aquisição de novas unidades fabris pela Lar Cooperativa. “O negócio foi estudado pelas diretorias das duas cooperativas, por um ano e meio, em que chegamos à conclusão de que este traria sinergias positivas”, revela, acrescentando que, dos 170 mil frangos abatidos por dia na unidade adquirida, 90% devem continuar a ser entregues por membros da Copagril, que somam hoje 200 produtores. Dos 11,8 mil cooperados da Lar, cerca de 850 produzem frango.

Contrato de arrendamento – Também no ano passado, igualmente no Paraná, a Lar Cooperativa fechou um contrato de arrendamento – com compromisso futuro de compra – com a Frango Granjeiro, em Rolândia, para controle do complexo, avaliado em R$ 290 milhões, que possui capacidade de processamento de 175 mil aves/dia, além de uma fábrica de ração que processa 19 mil toneladas/mês e de outra, para recepção e beneficiamento de grãos, com capacidade para 16,8 mil toneladas. Ainda em 2020, a empresa inaugurou um complexo de processamento de soja em Caparaó (MS), capaz de esmagar 1,5 mil toneladas de soja/dia para produção de biodiesel, óleo, farelo de soja e energia. Neste caso, os aportes atingiram R$ 219 milhões. Na ocasião, foram inauguradas as novas unidades de recebimento de grãos nas localidades de Bandeirantes, Bela Vista, Ponta Porã.

Quarta maior empresa de abates do país – atrás apenas das gigantes BRF, JBS e Aurora – a Lar Cooperativa, atualmente é maior empregadora do país no setor (mais de 20 mil colaboradores),  e pretende continuar crescendo, mas com foco permanente nos associados. De acordo com seu diretor-presidente, a expectativa positiva em relação ao ano corrente é reforçada pelo clima favorável nas lavouras de soja. Enquanto define o planejamento estratégico da Lar até 2030, Rodrigues conclui afirmando que, no momento, a ideia “é definir onde queremos chegar para atender, tanto a pecuária de pequeno porte quanto os produtores de suínos, frango, leite e ovos”.


Por Marcello Sigwalt – Redação MundoCoop


Notícias Relacionadas



Publicidade