Pandemia acelera planos para o agronegócio virtual no Brasil

Publicado em: 13 outubro - 2020

Leia todas


Cerca de seis meses após a pandemia coronavírus começar a salvá-lo das feiras agrícolas primárias do Brasil em 2020, os organizadores dessas ocasiões dizem que já descobriram uma maneira de evitar a adaptação em um ano perdido: trazer reuniões de dinheiro para a internet.

Além disso, as medidas de isolamento aceleraram um procedimento de digitalização que ainda está sendo discutido entre os funcionários da feira, indicando que o estilo veio para ficar, dado o primeiro dos eventos virtuais um sucesso.

A exposição online promovida pela Coopercitrus aumentou suas vendas em mais de 30% em comparação com o evento presencial do ano passado, um movimento online com o e-commerce, que geralmente aumentou a pandemia em dois dígitos.

Como o agronegócio é um dos setores da economia que evoluiu apesar da crise, outros projetos estão sendo desenvolvidos.

Uma das maiores feiras do setor na América Latina, a Agrishow, que acontece todos os anos em Ribeirão Preto (SP), teve sua edição de 2020 adiada para o ano que vem devido à pandemia, mas descobriu no virtual global uma saída. para, pelo menos, mitigar a não conformidade deste ano.

Em meados de setembro, a exposição promoveu o Agridisplay Experience, uma ocasião de cinco dias com uma série de entrevistas, webinars e conteúdo para o agronegócio, em uma espécie de “rede social” que abordou insumos e máquinas, duas feiras físicas clássicas, até mesmo os temas de geração e inovação.

Embora não tenha sido projetada para absorver a atividade clássica do evento físico, que já deslocou quase 3 bilhões de reais em 2019, a Informa, atividade corporativa organizada pela Agrishow, acredita que o contato entre os participantes tem contribuído para as negociações ao ar livre da plataforma virtual, e admite que, no futuro, o sucesso da rede pode ser ampliado.

“Atualmente, a plataforma não tem capacidade transacional Array. (Mas) o hábito virtual das pessoas substituiu muito e amanhã, o que pode fazer mais sentido e, como resultado, esse recurso está inserido na plataforma”, disse Informa em resposta. perguntas enviadas pela Reuters.

A corporação afirmou que considerou que ambientes físicos e virtuais não são exclusivos, mas complementares, e promete que para uma ocasião com outros objetivos da feira clássica, a Agrishow Experience teve um resultado expressivo e um impacto positivo.

Outros membros do setor, por sua vez, têm que investir na realização 100% online da própria exposição virtual, mantendo os objetivos de fazer negócios e relacionamentos, é o caso da cooperativa Coopercitrus, que criou um ambiente virtual reproduzindo a edição física da coopercitrus expo em 3d e 360o e migrou o tempo todo para o mundo virtual , permitindo que o hóspede “navegue” pelas arquibancadas e transacione através da própria plataforma.

O resultado da feira virtual, realizada no final de julho, veio como uma surpresa positiva, se antes da ocasião a equipe cooperativa falava em movimentar 800 milhões de reais em negócios, um pouco menos do que a exposição física de 2019, na prática as negociações realizadas na internet ultrapassavam 1,1 bilhão de reais.

“Foi uma ocasião em que controlamos colocar tudo semelhante à cadeia produtiva agrícolaArray . . . Obviamente, o que outros esperam de um expositor é ter negócios, e nós controlamos tirando 15% mais volume. Fernando Degobbi, CEO da Coopercitrus, disse à Reuters.

Ele acrescentou que pouco menos de 100. 000 pessoas se registraram no evento e no vídeo, adicionando produtores remotos, que possivelmente não participariam da feira física.

“Daquele usuário que está no site e coloca a internet, aquele que está na loja, para um sócio que mora em Londres, que bebe café aqui em Monte Santo de Minas (MG). É incrivelmente abrangente e democrático”, diz Degobbi.

Os segmentos de fertilizantes e pesticidas lideraram perfeitamente os valores negociados no novo ambiente da Coopercitrus Expo, combinados ultrapassando a marca de 700 milhões de reais, mas o domínio máximo visitado chamado Espaço Especializado, que apresentou ajustes focados em temas como agricultura de precisão e tecnologia.

Segundo Degobbi, isso deu à cooperativa o conceito de que o fabricante tem um grande apelo para perceber como novas tecnologias que estão avançando através do agronegócio podem afetar o processo produtivo.

A entidade já é uma nova ocasião totalmente online até o final deste mês: de 26 a 30 de outubro acontecerá a Semana de Tecnologia e Inovação Cooperativa.

Ele veio para ficar

Em comum entre a Agrishow e a Coopercitrus, duas certezas: que a pandemia acelerou todos os projetos para usar o ambiente virtual e que, coincidentemente, o global online veio para ficar.

O organizador do Agrishow, Informashow, disse que já havia discutido a implementação de eventos híbridos, que utilizam mídias físicas e virtuais, mas acrescentou que “é transparente que a pandemia acelere esses planos”.

“Mesmo quando as ocasiões físicas retornarem, as ocasiões virtuais completarão a agenda, trazendo o fabricante e produtor rural ao longo do anoArray. . “, disse a empresa.

Estados apostam no modelo

A plataforma virtual também é um compromisso com feiras concertadas com os governos estaduais e com áreas mais regionalizadas. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a Expointer Digital 2020 encerrou no último domingo, a edição física da qual foi cancelada no início de julho.

Os promotores disseram em um deles que a feira “fez história” e acabou “com um legado para edições de longo prazo”. Em formato híbrido, algumas atividades presenciais sem participação do público foram transmitidas pela internet, a feira verificou mais de 70 mil. acesse sua plataforma.

“É certo que manteremos esse formato híbrido para o próximo ano. Teremos uma Expointer dupla (no próximo ano, em formatos físicos e virtuais), disse em nota o secretário de Agricultura do estado, Covatti Filho.

Mais ao norte, um dos pioneiros do país na indústria de feiras virtuais foi o estado do Tocantins, que utilizará a plataforma online para anunciar a Agrotins 2020, em maio, “no momento da crise que tem dado a economia”, segundo moradores. Autoridades.

O faturamento de mais de duzentos milhões de reais é particularmente inferior aos cerca de 2 bilhões de reais processados no evento físico do ano passado, porém, dado o cenário econômico da época e a novidade representada através do show da indústria online, o Estado acredita que as expectativas foram atendidas. .

“Foi a primeira experiência, o primeiro resultadoArray . . . Aprendemos muito. Nós orientamos várias outras feiras do Brasil, que começaram a procurar agrotins para descobrir como organizamos essa feira, erros e sucessos”, disse o secretário de Estado da Agricultura, Thiago Dourado.

“Produtores e corporações precisam que a Agrotins continue com a plataforma virtual, mesmo que voltemos à plataforma física, então ainda temos que pintar com qualquer um dos canais institucionais que estão se formando, aperfeiçoando a plataforma virtual”, disse o secretário.


Fonte: Nas notícias/Roberto Samora


Notícias Relacionadas



Publicidade