População ocupada no agronegócio chega ao maior número desde 2015

Publicado em: 09 dezembro - 2021

Leia todas


Levantamento realizado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, a partir de informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD-Contínua) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), mostra que a população ocupada no agro, no terceiro trimestre de 2021, totalizou 18.9 milhões de pessoas.

Segundo o Cepea, houve forte avanço de 10% (ou de 1.756 milhão de pessoas) frente ao mesmo trimestre do ano anterior, e 3,6% a mais – o equivalente a 653 mil pessoas – em comparação ao segundo trimestre de 2021.

O centro de pesquisas informou ainda que esse foi o maior número de pessoas atuando no setor em um terceiro trimestre desde 2015, quando a população ocupada no agronegócio foi de 19,08 milhões.

Para os analistas do Cepea, o resultado demonstra uma recuperação dos postos de trabalho prejudicados pela pandemia e seus desdobramentos. Além disso, o avanço no terceiro trimestre evidencia a conjuntura favorável ao agronegócio no período, com impacto potencial na geração de empregos.

Segmentos

Os pesquisadores indicam que todos os segmentos do agro apresentaram crescimentos na população ocupada entre o segundo e o terceiro trimestres de 2021, com destaque para a agroindústria (com avanço de 6,57% ou mais de 243 mil pessoas).

Na comparação entre os terceiros trimestres (2021 e 2020), em termos relativos, os avanços da população ocupada do agronegócio e de seus segmentos foram ainda mais significativos, sobretudo para a agropecuária (com crescimento de 9,47%, ou mais de 763 mil pessoas).

Participação

Diante do crescimento observado no terceiro trimestre de 2021, a participação do agronegócio no mercado de trabalho brasileiro foi de 20,33% no período, contra 20,41% no trimestre anterior e 20,55% de julho a setembro de 2020, segundo cálculos do Cepea.

Perfil do trabalhador

Os pesquisadores ressaltam os fortes aumentos da população ocupada no setor das categorias de trabalhadores por conta própria, entre os terceiros trimestres de 2020 e de 2021, de expressivos 15,07% (ou de 831,2 mil pessoas), e de empregados sem carteira assinada, de 17,9% (ou de 502,99 mil pessoas).

As informações sugerem que, em alguma medida, parte importante do crescimento recente na população ocupada esteja sendo conduzido por novos postos de trabalhos informais, que também foram os principais postos perdidos durante 2020.


Fonte: Cepea


Notícias Relacionadas:



Publicidade