Programa Compra Direta Paraná atende agricultura familiar de forma emergencial

Publicado em: 22 novembro - 2020

Leia todas


Realizado pelo governo paranaense, desde junho último, o Programa Compra Direta Paraná – promovido pela Secretaria de Agricultura do estado – tem apresentado ampla aceitação entre os participantes, pois consiste na aquisição, de forma emergencial, de produtos da agricultura familiar, posteriormente distribuídos à rede socioassistencial – restaurantes populares, cozinhas comunitárias, bancos de alimentos e hospitais filantrópicos.

A boa repercussão da iniciativa foi atestada pela pesquisa elaborada pelo Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) da Secretaria, que contou com a participação de 89,11% das 147 organizações da agricultura familiar contratadas na Chamada Pública nº 04/2020 e de 57% das 905 entidades que receberam os produtos.

A ampla maioria dos beneficiários (90,5%) consideraram o programa ‘muito importante”, enquanto 87% o consideram essencial para as entidades atendidas. Sua continuidade é desejo de 97,1% dos entrevistados, ao passo que a necessidade das doações para o abastecimento das entidades foi reconhecida por 98,8%.

Cooperativas e associações, por seu turno, também aprovaram a iniciativa, com destaque para a transparência do processo e o atendimento prestado pelos servidores. Segundo o levantamento, 91,1% delas avaliam que o programa é muito importante para as entidades atendidas, e 90,1% concordam que o Compra Direta é muito importante para as organizações da agricultura familiar neste período de pandemia.

Alimentos na mesa – Motivo de orgulho e satisfação. Assim se referiu o governador Carlos Massa Ratinho Junior a respeito do bom desempenho do programa. “O Compra Direta é uma das ferramentas que permite ao Governo cumprir a importante missão de garantir alimentos de qualidade na mesa dos que mais precisam e, ao mesmo tempo, dar suporte aos agricultores familiares, fundamentais da cadeia de produção alimentar”, diz ele.

Ratinho Júnior acrescenta que, além do Compra Direta, o governo do estado possui outras iniciativas voltada aos pequenos agricultores, de maneira a garantir o fornecimento de alimentos à população. “Somos organizados para isso, o que nos permitiu reforçar as ações durante a pandemia. Nossas equipes abraçaram a causa e devemos a isso o fato de o Paraná ser uma referência no enfrentamento do problema viral, tendo em vista a proteção das pessoas vulneráveis”, avaliou.

Primeira fase – Somente na primeira fase do Compra Direta, o governo paranaense destinou R$ 20 milhões de recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza para atendimento de 393 municípios, durante o período mais agudo da crise. Por meio do programa, as entidades recebem frutas, hortaliças, legumes, temperos, arroz, fubá, feijão, sucos, geleias e pães.

Para a chefe da Desan, Márcia Stolarski, o Compra Direta foi fundamental para melhorar a qualidade da alimentação e, por consequência, as condições de imunidade e de saúde dos paranaenses. “A avaliação altamente positiva dos beneficiários demonstra que a fórmula do programa foi acertada e ele está atingindo os objetivos propostos”, concluiu.

Para assegurar o êxito do Compra Direta, uma grande rede de apoio foi formada, a exemplo dos núcleos regionais da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná). Na avaliação da extensionista Renata Lessa, que atua em Quitandinha, o programa estadual funciona como mais um canal de comercialização para o agricultor familiar. “Isso garante a valorização do pequeno produtor e estimula o cooperativismo”.


Marcello Sigwalt – Redação MundoCoop


Notícias Relacionadas



Publicidade