Senar/SC comemora 11 anos de Jovem Aprendiz Cotista

Publicado em: 21 agosto - 2017

Leia todas


Formatura de Fraiburgo em dezembro de 2015

No momento em que comemora seus 11 anos de atividade, o Programa Jovem Aprendiz Cotista do O Senar-AR/SC está com sete turmas em andamento, sendo três em São Joaquim, duas em Fraiburgo, uma em Lages e uma em Xanxerê, atendendo 167 aprendizes que se somam aos 747 jovens aprendizes que já passaram pelo programa desde 2006.

O Sistema Faesc/Senar, em parceria com os sindicatos rurais, ofereça os cursos de Aprendizagem Rural – Auxiliar Administrativo e Financeiro, com carga horária de 960 horas e o curso de Aprendizagem Rural – Supervisor Agrícola, com carga horária de 800 horas, com duração máxima de dois anos, ambos divididos em 21 módulos, sendo 50% teoria e 50% prática profissional, sendo as turmas formadas mediante demanda suficiente de empresas rurais contribuintes, para que se torne viável a execução da turma.

O Senar tem como meta atender a Lei da Aprendizagem, n.º 10.097/00, regulamentada pelo decreto n.º 5.598/05, que prevê que todas as empresas de médio e grande porte estão obrigadas a contratar, com carteira assinada, adolescentes e jovens entre 14 e 24 anos, de acordo com o percentual exigido por lei (art.429 da CLT). A contratação é feita por meio de um curso de qualificação profissional em que adolescentes e jovens têm aulas teóricas, de responsabilidade da instituição qualificadora, (no caso de Santa Catarina, o Senar-AR/SC), e prática profissional, de responsabilidade das empresas empregadoras.

O objetivo é dar a oportunidade de aprendizagem e de inserção no mercado de trabalho a diversos adolescentes e jovens, integrando os três pilares do processo de aprendizagem: escola, trabalho e formação profissional, com atividades compatíveis ao desenvolvimento físico, moral e psicológico. Por meio de uma ação colaborativa, o curso poderá também realizar o papel social de contribuir para a erradicação de situações irregulares de trabalho desta faixa etária, quando as empresas dão preferência para contratação de adolescentes e jovens que se encontram em situação de trabalho proibido.



Publicidade