BNDES financia projeto de Geo Elétrica para produção de energia limpa

Publicado em: 07 novembro - 2020

Leia todas


Mediante aprovação de financiamentos no valor de R$ 21,9 milhões, por parte do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Geo Elétrica Tamboara poderá viabilizar a ampliação do projeto inovador de produção de energia elétrica a partir do biogás, derivado da vinhaça, que é um resíduo da produção de açúcar e etanol.

Com esse aporte de recursos a planta da Geo – localizada no município paranaense de Tamboara – será ampliada em 123%, com a previsão de atingir 59,85 GWh por ano em 2022. Desse montante, 50 GWh servirão ao sistema interligado de energia, o suficiente para atender o consumo de 25 mil residências por ano.   

Os ganhos ambientais também foram medidos. A estimativa é que o projeto, após sua conclusão, poderá evitar a emissão de 90,2 toneladas de gases poluentes ao ano, levando em conta o volume de dióxido de carbono gerado se a vinhaça fosse descartada diretamente na natureza. Em outra comparação, essa iniciativa corresponde ao plantio de 631 árvores, assim como a retirada de circulação de 45 veículos a gasolina.

De acordo com o projeto, o financiamento do BNDES – corresponde a 73% do investimento total, de R$ 30 milhões – permitirá elevar a capacidade de tratamento da vinhaça em 464%, atingindo 12 milhões de litros por dia.

O aumento de produção decorre da instalação de quatro novos biodigestores, com reflexos no aumento da rentabilidade por unidade, por conta de ganhos de escala. Atualmente, a Geo já responde pelo processamento de 30% da vinhaça gerada pela Cooperativa Agrícola Regional de Produtores de Cana (Coopcana). Uma vez concluído o projeto, o insumo obtido passa a ser transportado por dutos de até 1,6 km de extensão, o que permitirá seu pleno aproveitamento.

A solução encontrada para o uso da vinhaça, além de gerar menos poluentes do que outras fontes – diesel e gás natural – reduz muito a poluição decorrente dos resíduos desse insumo. Em outro comparativo, enquanto o diesel precisa gerar 90 gramas de poluentes para gerar um megajoule de energia e o gás natural, de 80 gramas, o biometano (produzido a partir do biogás) deixa de lançar 20 gramas – captação de carbono negativa. Tais avaliações consideram se a quantidade de gases poluentes seria produzida, sem que houvesse tratamento A avaliação de especialistas do banco é de que a tecnologia adotada permite converter um passivo ambiental em ativo energético relevante.  


Por Redação MundoCoop


Notícias Relacionadas



Publicidade