Créditos mais baratos são oferecidos por bancos e cooperativas para mulheres empreendedoras

Publicado em: 13 abril - 2021

Leia todas


Crédito mais barato são oferecidos pelos Bancos para Mulheres empreendedoras. Ao menos duas instituições bancárias e uma cooperativa lançaram linhas de crédito focadas em empreendedoras.

O Banco do Povo, de São Paulo, por meio da linha Empreenda Mulher, o Banco do Nordeste, com a Crediamigos Delas, e a Sicredi Campos Gerais PR/SP se juntam a outras iniciativas que reduzem as taxas de juros e ampliam o prazo de pagamento para empréstimos tomados por mulheres donas de negócios.

Nenhum programa tem abrangência nacional, e a prioridade, em geral, reside no microcrédito assistido, que condiciona a liberação de capital à realização de cursos de qualificação e à orientação de especialistas. O teto para cada operação depende do perfil da beneficiária e da instituição financeira, porém não ultrapassa os R$ 21 mil.

Tanto no histórico do Banco do Povo quanto no do Banco da Mulher Paranaense, ligados a órgãos estaduais de desenvolvimento econômico, predominam os pedidos de empréstimo de baixos valores, mesmo antes do surgimento das linhas exclusivas para mulheres.

Na instituição paranaense, por exemplo, o ticket médio do microcrédito em geral foi de R$ 11,3 mil por solicitação atendida em 2020. Já no programa feminino, iniciado 19 meses atrás, a média está em R$ 12,19 mil.

No Banco do Nordeste, as mulheres correspondem a 65% da carteira ativa do Crediamigos, e a expectativa é que esse percentual cresça graças às vantagens da linha Crediamigos Delas.

Entre os bancos particulares, há aqueles que incentivam o desenvolvimento de negócios geridos por mulheres, como o Itaú, que há sete anos colocou de pé o Programa Itaú Mulher Empreendedora. A iniciativa, porém, não contempla linhas de crédito.

Com exceção ao Pronaf Mulher, destinado a investimentos agrícolas, até três anos atrás o mercado de crédito nacional não dispunha de nenhum tipo de financiamento específico para mulheres que querem ter o próprio negócio.

A situação começou a mudar quando o BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais) colocou em campo o projeto Empreendedoras de Minas, em março de 2018. “As mulheres são bastante empreendedoras, porém encontram mais dificuldades para obter crédito e manter suas empresas abertas a médio e longo prazo. Então resolvemos atacar essa questão”, diz Sergio Suchodolski, presidente do BDMG.

Segundo o executivo, que também preside a ABDE (Associação Brasileira de Desenvolvimento), a taxa de inadimplência costuma ser menor entre o público feminino do que na população em geral.

O BDMG estima que, em três anos, o Empreendedoras de Minas já atendeu cerca de 2.500 micro e pequenas empresas em mais de 330 municípios do estado.

“Todos os empreendimentos que geram valor e desenvolvimento são interessantes para nós. O que fazemos é analisar o histórico das empresas e impulsioná-las a dar o próximo passo”, afirma Suchodolski.

Conheça a linha de crédito cooperativa planejada para contribuir com o empreendedorismo feminino:

SICREDI CAMPOS GERAIS PR/SP

A linha de crédito feminino foi lançada em março com o apoio da Garantisul e o incentivo da Agência Curitiba de Desenvolvimento, que colocou seu Fundo de Aval Garantidor (criado em agosto de 2020 junto com o Sebrae PR) a serviço da iniciativa.

A ideia é apoiar as mulheres donas de negócios em 12 cidades paranaenses e duas paulistas atendidas pela cooperativa Campos Gerais PR/SP, integrante do Sicredi (Sistema de Crédito Cooperativo).

Capital de Giro para Mulher Empreendedora

Quem pode solicitar: Toda micro ou pequena empresa (faturamento anual de até R$ 4,8 milhões) que tenha uma mulher em seu quadro societário e esteja sediada em um dos seguintes municípios: Curitiba, Colombo, Ponta Grossa, Carambeí, Palmeira, Castro, Ventania, Curiúva, Piraí, do Sul, Tibagi, Ivaí e Ipiranga (todos no Paraná), além de Registro e Cajati (São Paulo). Além de capital de giro, o valor pode ser utilizado para modernizar ou ampliar empreendimentos comerciais, industriais ou de serviços

Limite de crédito Até R$ 250 mil, conforme a capacidade de pagamento

Juros 0,59% ao mês

Carência: Até seis meses (usualmente, a carência média é de 45 dias)

Prazo de pagamento: Até cinco anos, incluída a carência

Garantias: Aval dos sócios e a carta da Garantisul (região de Curitiba) ou da SGC Centro Sul (região de Ponta Grossa)

Como funciona: A empresa pode escolher quem quer procurar primeiro, a cooperativa ou a Garantisul.

Contrapartida: Ser associada à cooperativa.


Fonte: Portal Mix Vale com adaptação da MundoCoop


Notícias Relacionadas



Publicidade