Cooperativas apostam em assistente de voz

Publicado em: 06 janeiro - 2021

Leia todas


O fenômeno é crescente e proporciona grande aumento de produtividade nas operações do chão de fábrica

Há tempos o uso de assistentes de voz deixou de ser apenas um recurso para realizar buscas em smartfones. Cada vez mais importantes na indústria automotiva e nas casas inteligentes, as soluções de voz ultrapassam barreiras do uso doméstico, chegando aos softwares de gestão corporativa. Adotar esses dispositivos tecnológicos pode trazer bons resultados, tanto na otimização de processos internos quanto no atendimento aos clientes.

Conectadas a essas tendências, grandes cooperativas brasileiras já contam com dispositivos de voz integrados a sistemas de gestão para aumentar a produtividade de seus colaboradores. A paulista Veiling Holambra, por exemplo, formada por cerca de 400 produtores de flores e plantas, utiliza desde 2017 a tecnologia para facilitar a separação dos produtos, otimizar entregas aos clientes e reduzir falhas internas.

A cooperativa mantém em Santo Antônio de Posse (SP) o maior centro de comercialização de flores e plantas ornamentais do País – e um dos maiores do mundo –, sendo referência em qualidade e atendimento aos clientes. A principal modalidade de comercialização utilizada é o leilão reverso, no qual aproximadamente 300 compradores podem oferecer simultaneamente lances para adquirir lotes das mais de 400 variedades de produtos e 2 mil espécies ativas. A cooperativa realiza aproximadamente 15 mil operações de vendas diariamente.

A solução de voz adotada na Veiling Holambra gerou mais agilidade na distribuição dos produtos, menos fadiga dos colaboradores, entre outros ganhos operacionais. “Conseguimos aumentar a produtividade em 23% nesse período, superando nossa expectativa inicial, que era de um ganho de 15%. Além disso, conseguimos reduzir os erros nos processos internos em cerca de 50%”, revela Francisco Roberto Pereira, responsável pela área de Logística da Veiling Holambra.


Olhos e mãos livres

O controle de qualidade por voz, chamado de picking by voice, permite aos profissionais da Veiling Holambra realizar os processos de separação de produtos logo após as vendas, com as mãos e olhos livres para trabalhar, reduzindo o tempo da checagem e consequentemente aprimorando o controle dos produtos.

Os antigos palms foram substituídos por um terminal portátil (coletor RF ou Android), um headset, baterias, acessórios e um software que monitora os processos, atividades e a produtividade dos colaboradores. A solução é integrada com o sistema de gerenciamento dos armazéns, o que gera informações em tempo real. Este processo permite ganhos não só operacionais, mas também avaliativos das classificações e uma checagem detalhada e criteriosa dos produtos, com eficiência e confiabilidade.

Mais praticidade e menos erros

O gestor da Veiling Holambra conta que outro objetivo da implantação da tecnologia era diminuir a curva de aprendizado dos colaboradores que estão na operação. “Antes, um funcionário demorava aproximadamente duas semanas para aprender todo o processo. Agora, a pessoa está apta a trabalhar de forma autônoma em no máximo dois dias, graças à orientação do próprio sistema. As pessoas também andam menos dentro da operação, gerando menos fadiga, porque o sistema orienta o caminho mais curto”, observa Pereira.

O gestor da cooperativa paulista explica que, antes de implantar o sistema de voz, cada venda gerava uma boleta. Com a automatização também foi possível reduzir o uso de papel. “Conseguimos ainda agilizar a liberação dos produtos para os clientes, diminuindo os trâmites entre 40 minutos e 1 hora. Por consequência, diminuiu também o tempo de entrega. Isso é bastante relevante, pois trabalharmos com produtos perecíveis. O cliente percebe claramente essa agilidade como um valor pare ele”, acrescenta o gestor da cooperativa.

O sistema da Veiling identifica quem fez a compra e onde o produto deve ser entregue. Quando os itens vendidos saem do leilão o colaborador que utiliza o sistema de voz já sabe o destino de cada transação realizada. Além disso, o gestor da cooperativa consegue ter uma visão geral em tempo geral de várias informações gerenciais.

Além do sistema de leilão reverso, a Veiling Holambra conta com um departamento comercial que define estratégias comerciais e acompanha as negociações dos produtos de seus cooperados. A cooperativa possui ainda ferramenta de vendas online, que permite aos produtores exporem seus produtos em uma vitrine virtual; o conjunto dessas três ferramentas comerciais facilita o processo de vendas e proporciona total transparência às negociações.

O software implantado na Veling Holambra foi desenvolvido pela Seal Sistemas e Tecnologia, empresa que atende clientes nas áreas de varejo, logística, indústria e saúde. A tecnologia foi inspirada em soluções de ponta utilizadas na Holanda, país de origem das famílias que criaram a cooperativa do interior de São Paulo.


Aurora Alimentos

A central de cooperativas Aurora Alimentos, com sede em Chapecó (SC) e atuação em nível nacional, também utiliza a solução de voz da empresa Seal desde 2019. A cooperativa implantou a solução picking by voice em seu novo Centro de Distribuição em Arujá (SP), responsável pelo abastecimento dos produtos da marca em São Paulo e região.

O aumento da produtividade no centro de distribuição é exemplificado na comparação com unidades que não contam com a nova tecnologia. Em Arujá, são separadas 239 caixas por hora/funcionário. No Centro de Distribuição de Campinas, que ainda usa coletores de dados, são separadas 206 caixas por hora/trabalhador. Com isso, a melhora já está em 16%. A perspectiva da Aurora é que essa eficiência deve chegar a 20%.

Mercado em expansão

De acordo com estudo da consultoria norte-americana Zion Market Research, o mercado de soluções de voz deve alcançar um volume de negócios de US$ 7,7 bilhões até 2025. Isso representaria um crescimento anual próximo de 40% nos próximos cinco anos. Os dispositivos de voz conectados a recursos de automação e inteligência artificial – chatbots – estão em alta e, segundo especialistas, podem mudar a forma como as empresas atuam e vendem, priorizando principalmente a experiência do consumidor.

O mercado pode ser especialmente promissor no Brasil, já que as pessoas por aqui mostram-se abertas ao uso de soluções de voz. Segundo estudo da agência de marketing digital iProspect, 49% dos brasileiros já usam assistentes de voz em seus smartfones.

Essa tendência deve intensificar a inserção de recursos de voz em ERPs e softwares de gestão, capazes de oferecer mais praticidade nos processos, combinando voz com aprendizado de máquina (machine learning). Dominado por gigantes como Google, Apple, Microsoft e Amazon, o mercado de assistentes de voz atrai mais e mais fornecedores que desenvolvem aplicações sob medida para diferentes tipos de negócios.

Inovar ou…

Com o avanço das aplicações de voz, as marcas poderão melhorar a experiência do cliente, gerando ações de relacionamento personalizadas. São muitas as ferramentas já disponíveis no mercado e um oceano de possibilidades. Para o cooperativismo brasileiro, que tem a inovação como um dos eixos estratégicos para o seu desenvolvimento, explorar essa tecnologia agora pode ser um diferencial e, em pouco tempo, pode ser apenas um fator de sobrevivência.


Por Luciano Fontes – Matéria publicada na Revista MundoCoop, edição 97



Publicidade