Cooperativas de leite mineiras se unem para enfrentar a concorrência

Publicado em: 28 março - 2017

Leia todas


Frente a um mercado cada vez mais competitivo e em constante mudança, as cooperativas de produtores de leite de Minas Gerais constituíram uma federação para atuar diretamente com propostas de fortalecimento do setor. Vinte e duas cooperativas do Estado fecham o mês de março reunidas na Federação das Cooperativas Agropecuárias de Leite em Minas Gerais (Fecoagro Leite Minas). Trata-se da primeira entidade desse porte para a defesa dos interesses e fortalecimento do segmento lácteo no Estado.

Até 2006, as cooperativas representavam 54,2% da captação de leite em Minas Gerais. A participação no mercado diminuiu gradativamente e chegou a 28,9% em 2015, ano do último levantamento. É contra esse movimento que irá atuar o órgão de representação política, social e de cooperação técnica, que chega para integrar, orientar e coordenar atividades relacionadas às cooperativas agropecuárias singulares, mistas e centrais de Minas Gerais.

A organização de defesa do setor foi formalmente registrada neste mês de março, ratificando um processo de sete meses de reuniões e tratativas da antiga Comissão das Cooperativas Agropecuárias de Leite de Minas Gerais (CCALMG), com o apoio do Sistema Ocemg. Para o diretor executivo do Consórcio Cooperativo do Grupo Cemil (CCGC), Nidelson Teixeira, o trabalho que precedeu a criação da Federação serviu de base para as tomadas de decisão do grupo.

“A nova organização tem o intuito de fortalecer o ramo e fazer valer os anseios dos produtores rurais de Minas Gerais. Nós temos uma participação significativa no que se refere à produção de leite no país e, por isso, faz sentido a gente se organizar para que essa cadeia, cooperados e cooperativas estejam cada dia mais fortes”, disse Nidelson.

Na visão de seu presidente, a Fecoagro Leite Minas chega para colocar em prática as propostas para o fortalecimento do setor, caracterizado por um cenário de elevada concorrência, incertezas e intensas mudanças econômicas, tecnológicas, legais e institucionais.

“Nós temos hoje 200 cooperativas do ramo agropecuário em Minas, que devem congregar aproximadamente 200 mil produtores. Já está acontecendo de esses produtores venderem seus animais, algumas propriedades estão modificando suas atividades. Então, a Fecoagro Leite Minas nasce em um momento de dificuldade desse setor, principalmente, porque o cooperado teve um custo em torno de 37% superior ao ano de 2015 e, só no final de 2016, ocorreu uma queda de receita de quase 50%”, ressaltou o recém-eleito presidente da Fecoagro Leite Minas, Vasco Praça Filho, que preside também a Coopervap, de Paracatu.

Na visão do Sistema Ocemg, o foco a partir de agora é de que as 210 cooperativas agropecuárias de Minas Gerais façam valer o princípio da intercooperação. “Quando nos unimos, conseguimos ter uma visão mais ampla das coisas. A Fecoagro Leite Minas representa um passo muito importante para o segmento cooperativista”, frisou o vice-presidente, Luiz Gonzaga Viana Lage.



Publicidade