CoopTalks Agro: tendências, inovação e futuro na visão dos maiores nomes do setor

Publicado em: 10 maio - 2021

Leia todas


Ocorreu hoje (10) o evento online CoopTalks Agro, organizado pela MundoCoop. O primeiro dia do evento contou com diversos nomes do ramo de agro e tecnologia, para falar sobre o agro no Brasil e os desafios para implementação de novas tecnologias no campo. Com mais de 4.000 inscrições, o evento teve um pico de 3.200 participantes ao vivo, que puderam acompanhar 4 horas de muito conteúdo sobre o cooperativismo no setor de agro. 

O evento se iniciou com a apresentação de Douglas Ferreira, diretor da MundoCoop, que falou sobre como o agro tem cada vez mais aumentado a sua participação na economia, sendo o principal ramo do cooperativismo no Brasi, com quase 1 milhão de cooperados, distribuídos em 1.223 cooperativas. 

Abertura 

Iniciando o ciclo de conversas, o CoopTalks Agro contou com a presença de Roberto Rodrigues, Coordenador do Centro de Agronegócio na Escola de Economia da Fundação Getulio Vargas, em SP. Em sua fala, Rodrigues ressaltou o papel das cooperativas na produção do Brasil (com mais de 54% de participação), o aumento da produção e da área plantada no país e ainda, o potencial de exportação que possuímos, sendo um os principais países com capacidade para garantir a segurança da população mundial. 

“O Brasil possui um agronegócio tecnicamente sustentável”, disse Rodrigues ao falar sobre como o país conseguiu criar um setor de agro que consegue diminuir os impactos ambientais. O ex-Ministro ainda elencou alguns dos tópicos que devem ser priorizados pelo setor, entre eles a tecnologia, a formação de uma nova geração de produtores, a exportação e o sistema que junta agricultura e pecuária. 

Discutindo o Agro 

Em seguida, Marcos Fava Neves, Professor na USP e na FGV, explanou a sua visão do setor na palestra “Futuro do Agronegócio”. Neves trouxe para a conversa a capacidade do país em entregar produtos sustentáveis, não só na produção alimentar. “O Brasil será cada vez mais o fornecedor mundial sustentável de alimentos, bionergia e outros agroprodutos”, disse Neves. Além disso, ele ressaltou a importância de melhorar a capacitação das pessoas, além de assegurar um maior acesso ao crédito, garantindo também o desenvolvimento de pequenos produtores.  

Após a fala de Neves, a palestra “O Agronegócio na visão da OCB” contou com Renato Nobile, Superintendente da Organização das Cooperativas Brasileiras. Nobile elencou alguns pontos sobre o cooperativismo no país, levantando como o setor tem que adotar cada vez mais um modelo inclusivo e colaborativo, onde haja geração de emprego e renda. 

Logo em seguida, em uma palestra interativa, Luís Artur Nogueira, jornalista e economista, discutiu o tema “A relação econômica do Agronegócio”. Nobile falou sobre como o setor cooperativista, e a economia como um todo, depende da vacinação para entrar em um ritmo acelarado de crescimento e desenvolvimento. Na ocasião, os participantes puderam opinar sobre o cenário atual do país. Nobile ainda fez questão de ressaltar que o cooperativismo de crédito teve um papel essencial durante a pandemia, um período onde os pequenos produtores tiveram ajuda negada por grandes instituições. 

Fechando o ciclo de palestras, Jorge Espanha, Presidente da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), falou sobre o tema “Comunicação & Agromarketing”. Em sua fala, Espanha trouxe pontos importantes sobre a comunicação do setor agro, dizendo que ainda há melhorias a serem feitas nessa categoria. Para ele, é preciso elaborar uma estratégia, deixando claro o posicionamento da coop durante esse processo. Espanha ainda trouxe alguns dados sobre o agro mundial, mostrando como o Brasil ainda precisa trabalhar a forma como mostra o agronegócio para a sua população e para o mundo. 

Visionando o futuro do agro

Após o primeiro ciclo de palestras, o CoopTalks Agro apresentou o painel “Inovação e Tecnologia no Agronegócio”. Com mediação de Douglas Ferreira, os convidados puderam explanar sobre como a tecnologia será uma importante aliada para o agronegócio dar o seu próximo passo. 

O painel se iniciou com Silvia Maria Fonseca, Chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária. “Chegamos ao momento atual graças a uma agricultura baseada na ciência e tecnologia”. Com essa fala, Silvia explanou sobre o muito falado Agronegócio 4.0. Assim, durante sua fala ela falou sobre como o novo agro conta com sistemas complexos, o avanço da biotecnologia, técnicas de gotejamento e outros. Silvia ainda destacou o fato de como as novas tecnologias garantem uma segurança alimentar e produtos mais nutritivos. 

Em seguida, Angela Gheller, Diretora dos segmentos de Manufatura, Logística e Agroindústria da TOTVS, trouxe alguns dados sobre a tecnologia no campo. Entre os destaques, números que apontam as tecnologias que os produtores já possuem, como a internet, já utilizada por 70% dos produtores. Para Gheller, o Brasil precisa investir na capacitação de seus produtores, os preparando para essa nova era do agro. “Precisamos investir em sistemas que simplifiquem para o produtor, a gestão da propriedade como um todo”, comentou. 

Logo após a fala de Angela, Anderson Pivotto, Líder de Open Innovation Agro, trouxe suas considerações sobre o cenário da tecnologia no agro. Pivotto levantou o fato de que já existem várias tecnologias e soluções para o produtor rural, como ferramentas, plataformas de dados e sistemas de monitoramento. Para ele, o momento deve ser de assegurar essa transição para o mundo digital. 

Renato Bueno, desenvolvedor de negócios da Nokia Brasil, concluiu a primeira parte falando sobre a importância de investir em infraestrutura. Bueno ressaltou como é imprescindível criar o ambiente adequado para implementação do agro 4.0, conectando a lavoura e não apenas as sedes das propriedades. “O agro digital requer muta formação, tecnologia e acesso amplo a conectividade”, completou. 

Para completar o painel, os quatro convidados tiveram a oportunidade de elencar alguns tópicos sobre a integração entre o campo e as novas tecnologias. Em uma fala rápida, os participantes ressaltaram a importância de investir em tecnologia simultaneamente à capacitação, integrar o produtor às conversas sobre o agro 4.0, a aproximação entre startups e outras organizações que buscam soluções para o setor, e ainda, evidenciar para o produtor os ganhos em buscar a adequação a estes novos sistemas e ferramentas. 

Encerramento 

Encerrando o primeiro dia de conversas, o CoopTalks Agro contou com a ilustre presença de Alysson Paolinelli, Presidente executivo da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho) e indicado ao Nobel da Paz. Paolinelli ressaltou que o agro brasileiro colhe algumas decisões ruins feitas no passado, mas que ainda tem potencial para ser o maior produtor do mundo. Paolinelli ressaltou que é preciso auxiliar as mais de 4 milhões de propriedades que hoje não geram produtividade para os seus donos. Para ele, o cooperativismo é a resposta para esses problemas. “Nesta nova realidade, as cooperativas são parte essencial para o desenvolvimento do agronegócio”, comentou. Além disso, ele ressaltou que o Brasil tende a ganhar com a alta demanda por produtos cada vez mais nutritivos, e que em breve, o país será o responsável por sustentar a cadeia alimentar mundial.

Serviço

A equipe de MundoCoop agradece a todos que acompanham o primeiro dia do CoopTalks Agro, assim como os nossos parceiros e patrocinadores. Para aqueles que não conseguiram acompanhar as palestras ao vivo, o evento pode ser conferido na íntegra em nosso canal do youtube.

Não perca o segundo e último dia do CoopTalks Agro que acontecerá amanhã, 11 de maio, a partir das 9h.

Venha conferir grandes nomes do cooperativismo e líderes de cooperativas que irão dar uma panorama sobre o setor agro no Brasil. Se você não conseguiu se inscrever, confira o evento ao vivo através do YouTube! Contamos com a sua presença.



Publicidade