Governo libera R$ 12 bi para pré-custeio da safra

Publicado em: 20 janeiro - 2017

Leia todas


destaque

 

A liberação de R$ 12 bilhões para o pré-custeio da safra agrícola 2017/2018, 20% a mais do que o valor destinado no ano anterior à aquisição antecipada de insumos, foi anunciada em 19 de janeiro, em Ribeirão Preto (SP), pelo presidente Michel Temer, acompanhado do ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki, e do presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli.

Em seu discurso, Temer disse que encontrou o país com 12 milhões de desempregados e que foi aconselhado a “grudar” no agronegócio para reduzir esse número. O ministro interino da Agricultura reforçou que um a cada três empregos gerados vem da agricultura. “Quanto mais recursos, mais emprego, mais renda”, afirmou Novacki.

O presidente também destacou ter iniciado grandes reformas que o Brasil precisa fazer e que, no caso do agronegócio, o importante é ter financiamento que o setor vai bem.

A crise econômica, que Novacki disse estar ficando para trás, “teria sido mais grave não fosse o desempenho da atividade agropecuária no país”. O ministro interino observou que “o produtor, mesmo diante de todas as dificuldades, produz com qualidade, é competitivo e alavanca a economia do país”. E enfatizou: “Estamos deixando para trás a crise política e econômica sem convulsão, porque não houve desabastecimento”. A antecipação do pré-custeio, em duas semanas, pelo Banco do Brasil, segundo ele, é muito oportuna.

Novacki falou ainda sobre a importância da sustentabilidade, da contribuição dada pelos produtores à preservação ambiental, que precisa ser reconhecida no exterior.  “O mundo inteiro sabe que somos grandes produtores e exportadores de alimentos. O que não sabe é que nosso agricultor produz com sustentabilidade, mantendo parte de sua propriedade intacta.”

“Somos players competitivos, preservando 61% da vegetação nativa, de acordo com dados levantados pela Embrapa. Não aceitamos a pecha de que não respeitamos o meio ambiente. Também não aceitamos trabalho escravo e infantil”, disse o ministro, que chamou atenção ainda para a desburocratização do setor, a partir da implantação do Plano Agro+, em agosto do ano passado.

Recursos

O volume de crédito ofertado pelo Banco do Brasil é oriundo de captações próprias da Poupança Rural e de Depósitos à Vista. Os recursos estão disponíveis a médios produtores por meio do Pronamp (Programa Nacional de Apoio aos Médios Produtores Rurais), com taxas de 8,5% ao ano e teto até R$ 780 mil. Os demais produtores rurais acessam o crédito com encargos de 9,5% ao ano até o teto de R$ 1,32 milhão por beneficiário.

A antecipação dos financiamentos de custeio se destina a culturas da safra de verão 2017/2018, como soja, milho, arroz e café, e permite melhores condições aos produtores para o planejamento de suas compras junto aos fornecedores. Além disso, contribui para o incremento das vendas de sementes, fertilizantes e defensivos.

Paulo Caffarelli disse que dos R$ 736 bilhões que o banco tem para emprestar, 25% se destinam ao agronegócio e que esse é o segmento de menor inadimplência, de 0,96%. O presidente do BB informou que, até o fim do ano, a instituição terá mais 60 agências com engenheiros agrônomos e extensão horário para atender ao setor.

São Paulo

Presente ao evento, o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, destacou que, já no início de 2017, os produtores contarão com este crédito para ajudar e estimular todo o setor. “A agricultura tem segurado o emprego e gerado renda para a população. O avanço da tecnologia é essencial para que o País tenha a agricultura mais sustentável e seja um exemplo para o mundo. Enquanto a área agrícola cresceu apenas 50%, a produção aumentou 268%”, afirmou.

Para o governador, o investimento é fundamental para que o País cumpra seu papel de produzir alimentos de qualidade para o mundo. “Nos próximos 10 anos, teremos o desafio de aumentar em 40% a produção agropecuária brasileira. Somos vocacionados para ser campeões de segurança alimentar do mundo”, disse Geraldo Alckmin.

Para o secretário da Agricultura do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, a antecipação do anúncio dos recursos é importante, pois permite que o produtor faça um planejamento. “No ano passado, os recursos foram anunciados quase no fim de junho, o que penalizou nossa agricultura. Os juros se mantiveram como no ano passado, mas neste ano, com diminuição da inflação e taxa Selic, o juro agrícola sobe, o que será discutido com o governo que prepara o Plano Safra. Também estaremos atentos ao fato de que a demora na liberação deste recurso faz com que algumas instituições financeiras solicitem ao produtor alguns compromissos, como a exigência de um depósito ou aquisição de seguro”, explicou o titular da Pasta Estadual.



Publicidade