Internacional: Pesquisa da Cooperatives Europe revela como as cooperativas lidaram com a Covid-19

Publicado em: 18 setembro - 2020

Leia todas


Cooperatives Europe inclui 86 organizações membros de 34 países europeus em todos os setores de negócios

Um novo relatório da Cooperatives Europe explora como a pandemia Covid-19 afetou as cooperativas em todo o continente.

O artigo é baseado em uma pesquisa realizada pela Cooperatives Europe, que envolveu 55 empresas cooperativas de mais de 10 membros da organização de ponta nacional, representando cerca de 90% do movimento cooperativo na Europa.

Todas as cooperativas participantes afirmaram ter sofrido o impacto da pandemia em suas atividades comerciais, volume de negócios e força de trabalho, seja devido a funcionários terem que trabalhar em casa, projetos suspensos ou perda de clientes.

Outra descoberta foi que as cooperativas foram afetadas de forma diferente dependendo do setor em que operavam. Por exemplo, as novas empresas cooperativas e os setores de transporte, educação e cultura, incluindo o turismo, foram particularmente afetados pelas rígidas regras de bloqueio em vigor enquanto os setores de saúde e varejo experimentaram um aumento na demanda por serviços.

Algumas cooperativas foram incitadas pela pandemia a explorar novos caminhos de negócios. Na Espanha, uma cooperativa têxtil readaptou a produção para produzir máscaras e luvas, enquanto na Bulgária uma grande cooperativa ativa no setor de alimentos instalou lojas móveis para entregar alimentos frescos e acessíveis em vilas sem mercearias e em mercearias com alimentos questões de abastecimento.

A maioria das cooperativas pesquisadas implementou esquemas de desemprego temporário, enquanto um terço garantiu trabalho de curta duração para seus funcionários.

Outro desafio importante foi a necessidade de entrar na era digital – com a maioria dizendo que precisava de ajuda com a transição.

Enquanto isso, em certos países – incluindo Grécia, Turquia e Suécia – algumas cooperativas e cooperativas sociais foram excluídas de receber subsídios.

A pesquisa descobriu que as cooperativas queriam medidas de suporte diferentes, dependendo de seu tamanho. Micro (56,52%) e pequenas (43,75%) cooperativas querem diferir o pagamento de serviços públicos, contribuições para a seguridade social, empréstimos ou impostos; as médias cooperativas acham que se beneficiariam mais com um conselho com planejamento de continuidade de negócios (37,75%); e grandes cooperativas receberiam bem o fornecimento de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas (44%).

Cooperativas de todos os tamanhos identificaram o acesso a novos subsídios e benefícios fiscais como a maior prioridade financeira.

Enquanto a maioria das cooperativas disseram ter procurado autoridades públicas e instituições financeiras para obter informações sobre as oportunidades de financiamento disponíveis em tempos de crise, as cooperativas de médio porte disseram que seu primeiro ponto de contato foram seus órgãos nacionais de ponta – para obter informações, explicações e orientações para obter apoio financeiro das autoridades públicas.

À luz dessas descobertas, a Cooperatives Europe fez várias recomendações. O apex diz que os formuladores de políticas devem incluir ativamente as organizações cooperativas no desenho de políticas para restaurar a economia. As autoridades públicas nacionais devem colaborar com os órgãos cooperativos nacionais de ponta para garantir que os esquemas de apoio ao desemprego sejam adequados e estejam disponíveis para as cooperativas nas mesmas condições que as outras empresas, acrescenta. Também deseja que o governo facilite o acesso à informação, permitindo que as empresas interessadas – incluindo as cooperativas – entendam melhor os esquemas de apoio disponíveis e os critérios de elegibilidade. Ele diz que as cooperativas devem ser especificamente visadas como fornecedores de aquisições públicas e pede apoio adicional dos governos para permitir a digitalização.

A Cooperatives Europe recomenda que as autoridades públicas facilitem o acesso à informação sobre os fundos disponíveis e as medidas de apoio às empresas; não dificultar as condições de concessão das medidas de apoio; adaptar suas medidas e fornecer informações sobre os programas gerais de apoio ao desenvolvimento de negócios disponíveis, bem como guias sobre como lidar com a Covid-19 como empregadores adaptados às cooperativas; e ajudar a educar os consumidores sobre como apoiar negócios locais e inclusivos como as cooperativas.

De acordo com a Cooperatives Europe, a pesquisa também mostrou a importância do controle democrático dos membros e da cooperação entre as cooperativas, o que, afirma, ajudou as cooperativas a lidar melhor com a crise. Os resultados da pesquisa estão disponíveis no site da Cooperatives Europe .


Fonte: Coop News


Notícias Relacionadas



Publicidade