O novo protagonismo da agricultura familiar

Publicado em: 05 novembro - 2021

Leia todas


O setor em transformação e crescimento tem ganhado visibilidade e se tornado um dos maiores impulsionadores do agro brasileiro

Em meio a discussões sobre pré e pós covid, o que prevalece é o fato das coisas terem mudado. Mas além de mudanças tecnológicas, logísticas, econômicas e muitas outras drásticas que ocorreram, uma em especial tem ganhado cada vez mais visibilidade: a de hábitos alimentares.

Vários estudos ao redor do mundo vêm mostrando que prezar a saúde e o bem-estar através da alimentação se tornou uma das maiores prioridades atuais, assim como a maior atenção pelo propósito vinculado a produção e marca de produtos. Essa nova premissa, porém, não tem alterado só os rumos da indústria alimentícia, mas também se tornado uma nova oportunidade para o agronegócio. Principalmente, o brasileiro.

Com números grandiosos, o agronegócio ocupa a importante função de garantir a segurança alimentar e ser um dos principais pilares da economia mundial. O Brasil, por sua vez, possui posição de destaque nesse contexto. No entanto, o que há por trás desse título de potência? Entre grandes nomes do agro nacional, a agricultura familiar cumpre um papel fundamental e indispensável. Ainda mais agora.

Em oposição às monoculturas de larga escala, o cultivo na agricultura familiar é mais diversificado. Ainda, esse tipo de produção apresenta um grande fator sustentável por movimentar o comercio local, se destinar ao consumo das próprias famílias produtoras e poder oferecer alimentos saudáveis, a partir de técnicas que ajudam a preservar a biodiversidade e o meio ambiente. Hoje, 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros são frutos da agricultura familiar. Segundo o último Censo Agropecuário de 2017, 77% dos estabelecimentos agrícolas do país foram classificados como da agricultura familiar.  Além disso, nos últimos dois anos, os produtos identificados com o Selo Nacional da Agricultura Familiar (Senaf) passaram de 700 para quase 8 mil.

O agro coopera

Por mais que o panorama seja positivo, muitos desafios ainda precisam ser superados para que a agricultura familiar aumente seu alcance. O crédito rural, a assistência técnica, a garantia de preços mínimos, regularização fundiária e a necessidade de compensar o produtor que atua com a agricultura orgânica são alguns deles. E, para isso, o movimento cooperativista se tornou um aliado primordial.

Adriano Batista – Diretor Executivo da Adel

Para o Diretor Executivo da Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel), Adriano Batista, a atuação em cooperativas é muito importante, pois possibilita que os pequenos agricultores consigam compartilhar forças e fragilidades. “O pequeno produtor individualmente tem dificuldades de fazer investimentos de maior volume em etapas da cadeia produtiva que se encontra inserido. Dessa forma, a atuação em conjunto é uma alternativa para baratear a compra de insumos, aumentar e qualificar a produção, agregar valor aos produtos e eliminar entraves no processo de comercialização”.

Esse foi o caso da Caroá, a primeira cooperativa de jovens da região do Vale do Curu, no Ceará. Através do Programa Jovem Empreendedor Rural (PJER), da Adel, filhos de agricultores e pequenos comerciantes se uniram para pensar em meios de comercializar produtos provenientes da agricultura familiar. “O maior gargalo que o pessoal encontrou foi na comercialização dos produtos, onde todos os agricultores tentaram procurar uma solução e não conseguiram. A partir daí pensamos em formar uma cooperativa, começamos a fomentar uma forma de fazer isso e como fazer que desse certo”, conta o agricultor e Diretor Executivo da Caroá, Vitor Esteves.

Com a chegada da pandemia, as feiras livres tiveram que ser suspensas em todo o país e produtores de alimentos orgânicos precisaram se reinventar para contornar a situação de crise. Para resolver essa questão, a Caroá – que tinha esse tipo de feira como principal meio de negócio – começou a vender pela internet, realizando entregas por delivery, e conseguiu expandir sua atuação, passando a atender mais de 200 clientes em várias cidades. “Nós tínhamos muito medo porque é muito complexo ter uma logística própria, mas acabou que deu certo e foi um sucesso. Nós tivemos vendas muito boas e com a reabertura do lockdown agora estamos tendo um novo desafio: como voltar a ter a quantidade de venda que tínhamos durante a pandemia?”, comenta o Diretor da Cooperativa.

Um dos diferenciais da Caroá, é o investimento na agroecologia, outra grande tendência no mercado atual. “A escolha veio pelo principal objetivo desse grupo, que era fomentar uma cadeia produtiva que não tivesse impacto negativo, tanto para o meio ambiente quanto para as pessoas que consumissem ele, então optamos por utilizar a agroecologia e o sistema de produção orgânico, ambos andam de mãos dadas”, explica Vitor.

Vitor Esteves – Diretor Executivo da Caroá

Entretanto, o maior aspecto dessa cooperativa vem de sua formação. A nova geração que decidiu permanecer no campo e fazer dele um negócio de sucesso. Adriano relata que, diante dos poucos recursos e oportunidades disponíveis em muitas comunidades rurais no semiárido brasileiro, o empreendedorismo é uma alternativa para o jovem rural. “O jovem que consegue empreender e fica na sua comunidade contribui com seu conhecimento e com suas capacidades para o desenvolvimento de sua comunidade, seja melhorando a renda de sua família, ou participando de espaço coletivos que debatem os problemas locais”.

A Cooperativa Caroá possui uma trajetória de sucesso que compõe o agro brasileiro e a agricultura familiar, mais especificamente a capacidade da juventude desse setor. “O jovem tem condições de se adaptar muito bem às novas tecnologias, aceitar essas novas tecnologias e implantá-las nas propriedades rurais. Outro tópico importante de destacar é que o Brasil é uma potência agroambiental e o jovem tem papel relevante no processo de consolidação do país como um grande produtor de alimentos com sustentabilidade. Existe uma relação direta entre o empreendedorismo do jovem e a sua participação no processo produtivo para a sustentabilidade da agropecuária brasileira”, pontua o Diretor de Cooperativismo de Acesso a Mercados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Márcio Madalena.

Contudo, para que isso seja efetivo, muitos pontos precisam ser fortemente trabalhados no segmento. Para Vitor Esteves, o primeiro passo é desburocratizar as linhas de crédito e dar mais credibilidade para a juventude, além disso, ele reforça a questão logística como um grande empasse e a falta de informação como um grande desestímulo para a nova geração.

Para o futuro, o presidente da Cooperativa compartilha que a Caroá pretende fortalecer sua cadeira produtiva, aumentar a produção e o mix de produtos oferecidos, visando abrir um ponto físico e de referência em Fortaleza, uma loja de orgânicos.

A inovação começa agora

Márcio Madalena – Diretor de Cooperativismo de Acesso a Mercados do MAPA

Muitos consideram que não é possível inovar em atividades tão tradicionais quanto a agricultura familiar, mas os jovens da Caroá vieram para provar que novos pontos de vista podem sim criar um negócio promissor.

Atualmente, a inovação tem conquistado o foco das principais diretrizes do agro. Ela, por si só, representa desde o incentivo a sucessão rural até a utilização de inteligência artificial. Para Márcio Madalena, com o crescimento da agricultura familiar, foi possível notar que o setor passou a ser impulsionador e demandante de inovações relacionadas às boas práticas e tecnologias como um todo. “Observa-se que a agricultura familiar se inseriu no cenário agropecuário brasileiro de forma marcante, o que demanda estudo, tecnologia e inovação. Tudo isso com foco no acesso a mercados, na diferenciação de produção e também na sua própria consolidação em algumas cadeias produtivas”.

E, quando o assunto é mercado, é possível perceber que a agricultura familiar também iniciou seu processo de avanço e expansão – sem deixar suas raízes de lado. “Para ocupar o seu espaço em um comércio moderno, a agricultura familiar deve continuar acessando, cada vez mais, tecnologia e aumentar a sua produtividade, a qualidade da sua produção e, principalmente, manter a sua identidade de produção familiar, pois isso tem um peso significativo aos olhos do mercado consumidor. E as cooperativas têm um papel relevante nesse processo, pois são uma ferramenta de acesso a mercados fundamental”, enfatiza Márcio.

Futuro traçado

Agregando novos protagonismos e tradição de excelência, renovação e aperfeiçoamento, a valorização da agricultura familiar já tem acompanhado a crescente de resultados do setor. No Plano 2021/22, anunciado em junho desse ano, os recursos destinados à agricultura familiar tiveram crescimento em 19% e R$ 39,34 bilhões foram destinados para financiamento pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

Caminhando lado a lado com isso, as cooperativas se estabelecem cada vez mais como uma alternativa para expandir esse crescimento e reverter as dificuldades de acesso e recursos que ainda existem para essa parcela do agro. Em 2020, o MAPA já tinha ampliado de R$ 12 mil para R$ 60 mil o limite para que cooperados acessassem o Pronaf Agroindústria, buscando fomentar as organizações da agricultura familiar. Houve também a ampliação dos limites de financiamento para Cooperativas Singulares e Cooperativas Centrais. No período, foram 1.081 financiamentos contratados por cooperativas familiares, somando R$ 4,4 bilhões. “A perspectiva para os próximos anos é, certamente, de uma agricultura familiar extremamente organizada e pujante no país, principalmente por meio do cooperativismo. A agricultura familiar organizada em cooperativas se torna altamente competitiva e com condições não só de abastecer o mercado interno, mas de acessar os mercados externos nas mais diferentes cadeias produtivas, com produção sustentável e de alta qualidade”, finaliza Márcio Madalena.


Por Fernanda Ricardi – Matéria publicada na Revista MundoCoop, edição 102

Foto inicial de Elionardo Oliveira/ Portal Cearensidade



Publicidade