ONU lança ação necessária para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável

Publicado em: 20 setembro - 2016

Leia todas


planet2

 

Nenhum dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDGs na sigla em inglês) será realizado em todas as regiões do mundo até 2030. Além disso, nenhuma região vai conseguir o progresso necessário para atingir todos os objetivos, exigindo ações extraordinárias e urgentes.

Essa é a conclusão do mais recente relatório da DNV GL sobre o andamento do processo de obtenção dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDGs na sigla em inglês) até 2030, apresentado em 19 de setembro, durante a 71ª sessão da Assembleia Geral da ONU, em Nova York. A apresentação foi feita em conjunto com a UN Global Compact, e o documento foi entregue à copresidente do SDG Advocacy Group do Secretário-Geral da ONU, a primeira-ministra da Noruega Erna Solberg.

Segundo o relatório, “enquanto muitos dos objetivos vão progredir rapidamente em várias regiões do mundo, a ação não vai ser rápida ou justa o suficiente” e, por isso, levará “a um custo ambiental inaceitável. Acena com a esperança ao afirmar que, mesmo assim, ainda há tempo para mudar o curso da “Espaçonave Terra”.

O documento lembra que, passados alguns anos do lançamento das SDGs, empresas, governos, organizações e indivíduos em todos os lugares começaram a trabalhar para alcançar seus objetivos globais. Apresenta, também, 17 empresas globais com progressos em cada um dos SDGs, situando-as como pioneiras na implementação de mudanças sustentáveis através de inovações, parcerias e ajuste de modelos de negócios. Nessas empresas, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável se tornaram um plano de ação para remodelarem e adequarem seus negócios para o futuro. As empresas em destaque no relatório são Tata, Danone, HiTechnologies, ARM, Symantec, Grundfos, SolarWorld, NYK, Hydro, Safaricom, Siemens, Marks & Spencer, Iberdrola, Cermaq, APP, Calvert Investments e Unilever.

Na ocasião, o presidente do Grupo e CEO da DNV GL, Remi Eriksen, afirmou que as empresas têm “a tecnologia, as pessoas e os processos para mudar o mundo”. O desafio, segundo ele, “é absorver as soluções propostas e testadas”, dimensionando “a escala real dessas intervenções”.

O evento de lançamento do relatório na sede da ONU pode ser assistido em https://bit.ly/2ddwyFI. O documento está disponível para download em https://www.dnvgl.com/technology-innovation/spaceship-earth/index.html e as conclusões centrais podem ser acessadas em https://bit.ly/2cWp0F8.



Publicidade