Palavra do Roberto: A viagem

Publicado em: 29 dezembro - 2020

Leia todas


Vai chegando ao fim este fatídico 2020, em que o mundo viveu uma tragédia sem precedentes nos tempos modernos com o Covid-19. Terminado o ano, não será virada a página como se, por milagre – a folhinha marcasse o fim da pandemia. Nada disso: ainda teremos que conviver por algum tempo com esse vírus maligno até que ele seja finalmente “compreendido” pela ciência e pela sociedade e até que uma vacina eficiente seja encontrada. E por algum tempo famílias ainda ficarão de luto, empresas fecharão e trabalhadores perderão seus empregos e sua renda. E por algum tempo ainda estaremos todos na expectativa de que regras universais de combate ao vírus surjam e os governos as implementem em cada país, em cada estado e em cada município.

Enfim, sabemos que a passagem de ano não mudará essa situação.

Mas não importa: no mundo inteiro gentes de todas as raças estarão reunindo suas famílias para celebrar um novo ano, fazendo sinceros votos de que as coisas melhorem e de que a felicidade chegue em todos os lares.

Porque esta é uma das razões principais de estarmos aqui, vivendo. Ninguém nasceu para ser infeliz, este nunca foi o projeto do Criador. Recebemos a dádiva da vida e com ela o livre arbítrio para cada um escolher seu caminho, em busca da felicidade.

Existem muitos conceitos de felicidade. Sobre esse tema já se debruçaram filósofos e pensadores, religiosos ou ateus, ao longo dos séculos. É muito conhecida a ideia de que a felicidade seria apenas a soma dos bons momentos, visto que também existem os maus. Serve…

Por outro lado, a busca da felicidade implica encontrar os instrumentos para alcançá-la. Sobre isso passei alguns anos especulando, estudando, lendo, conversando. E depois de um bom tempo compreendi que a felicidade não está no fim da “viagem” da vida, mas na própria viagem. E imaginei a vida como um trem correndo sobre 2 trilhos eternamente paralelos: o AMOR e a JUSTIÇA. E o combustível da viagem é a ESPERANÇA de poder contribuir para fazer o mundo melhor para os pósteros. E com uma imperiosa necessidade: fazer toda essa vida ao lado de gente que tenha os mesmos valores e princípios.

Ora, onde encontrar essa gente toda? No cooperativismo, claro. Afinal a cooperativa é uma ponte que junta duas margens: de um lado o mercado, onde ela tem que estar inserida de forma competitiva e profissional; de outro lado, o bem-estar das sociedades. A cooperativa é a ponte que leva à felicidade, com amor, justiça e esperança, inclusive pelo sétimo princípio do cooperativismo.

Feliz 2020, e que seja nosso melhor ano até aqui!


Por Roberto Rodrigues – Artigo exclusivo para a Revista MundoCoop, edição 97



Publicidade