Pequenos frigoríficos criam central de negócios

Publicado em: 04 julho - 2016

Leia todas


A união de 15 pequenos frigoríficos do grande oeste catarinense – que juntos faturam mais de R$ 50 milhões ao ano – motivou a criação da Associação de Agroindústrias Alimentícias de Santa Catarina (ASAASC), proprietária da marca SABORENSE, desenvolvida com apoio do Sebrae/SC e do Instituto Nacional da Carne Suína (INCS). O lançamento foi feiro em 1º de julho, em Chapecó.

04

Wolmir de Souza, presidente do INCS

A rede é sediada no município de Concórdia e tem como objetivo inicial centralizar os pedidos de compras dos associados e, com o aumento de volume, garantir melhores margens de preços. “Com isso, alcançamos redução do custo operacional que, individualmente, muitos não poderiam obter. O grande diferencial, além do ganho econômico individual que fica na média de 18%, é o fato de o atendimento aos fornecedores ser realizado num único local, aumentando o tempo que os associados podem dedicar às suas empresas”, ressalta o presidente do INCS, Wolmir de Souza.

A diretoria está constituída e empossada, o estatuto aprovado e devidamente registrado. “No momento, temos apenas frigoríficos que abatem suínos, bovinos e ovinos. Nosso foco, segundo o estatuto, é trabalhar com agroindústrias que processam produtos de origem animal, abrindo para leite, aves e outros”, relata Souza. A estrutura consiste em um Centro de Distribuição onde os produtos adquiridos são faturados diretamente aos associados, sem incremento de valor, o que reduz o custo de frete, pois é utilizado o sistema de transporte das próprias agroindústrias. Dentre outras, as principais vantagens são: os ganhos a partir da diminuição dos custos operacionais com insumos e equipamentos, a cooperação entre os empresários com troca de experiências e negociações entre si, a discussão e participação em conjunto da busca por oportunidades e superações de dificuldades, formando um grupo político e economicamente forte e representativo.

Além da diminuição dos custos e posterior aumento dos ganhos, a rede de frigoríficos possibilita maior visibilidade e aumento das oportunidades das pequenas agroindústrias por meio de uma padronização de produtos e processos capazes de, juntas, buscarem espaço na mídia regional e estadual e desfrutarem de novas oportunidades de mercado. “Este trabalho associativo e tecnicamente correto e nivelado às grandes indústrias asseguraram ao consumidor qualidade, disponibilidade de produto e uma característica cultural e familiar que é específica deste segmento”, completa Souza.

Os frigoríficos associados são:
Frigorífico Santa Fé, Itapitanga;
Frigorífico Samar, São João do Oeste;
Frigorífico Cedro Frigor, São José do Cedro;
Letavo Alimentos, Guaraciaba;
Frigorífico Santin, Quilombo;
Frigorífico Lussisa, Chapecó;
Bisol Alimentos, Irani;
Friprando, Jaborá;
Frigorífico Mattei, Concórdia;
Frigorífico Loss, Lindóia do Sul;
Frigorífico Helbing, Ipumirim;
Frigorífico Arabutã, Arabutã;
MSM Alimentos, Seara;
Frigolaste, Seara;
e Sol Alimentos, Itá.