Queda da atividade persiste, mas crise na economia começa a perder fôlego, garante IPEA

Publicado em: 05 julho - 2016

Leia todas


O desempenho recente de alguns indicadores de atividade econômica sugere que a crise passou a perder fôlego. Os primeiros sinais deste possível início de recuperação cíclica têm se concentrado na indústria. O ajuste proveniente do setor externo começa a gerar efeitos positivos, notadamente nos setores industriais mais voltados para o comércio exterior, como, por exemplo, têxteis, calçados e madeira.

economyAlém do aumento na competitividade, nota-se também que a desvalorização da moeda pode estar estimulando alguma substituição de importações, principalmente na produção de bens intermediários. Essa tendência foi sinalizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base em pesquisa realizada por seu Grupo de Conjuntura (Gecon) sobre o comportamento da atividade econômica no Brasil.

Por sua vez, a contração da demanda doméstica segue provocando um forte ajuste de estoques, o que pode representar mais uma fonte de estímulo para a recuperação da produção. Refletindo, em parte, essa melhora no cenário, os níveis de confiança dos empresários vêm registrando altas nos últimos meses – embora se mantenham em patamares muito próximos dos mínimos históricos. O desempenho da produção da indústria ainda apresenta-se volátil, mesmo com resultados positivos se tornando mais frequentes. Apesar disso, após duas altas consecutivas, o indicador de produção industrial do Ipea aponta uma queda de 1,6% da produção industrial física na passagem entre abril e maio, no comparativo com ajuste sazonal, o equivalente a uma queda de 6,5% sobre o mesmo período de 2015.

Enquanto o setor industrial dá indícios de melhora, pelo lado da demanda espera-se uma recuperação mais lenta do consumo de bens e serviços, cujo desempenho está fortemente associado à dinâmica do mercado de trabalho. Além disso, a queda continuada na demanda doméstica gerou uma forte redução no grau de utilização da capacidade na indústria, o que poderá retardar a recuperação dos investimentos”, comenta Leonardo Carvalho, técnico de planejamento e pesquisa do Ipea.

Outro fator negativo para o crescimento do consumo aparente de bens de capital é a desvalorização do real frente ao dólar, que encarece a importação de máquinas e equipamentos, diz o Carvalho, ressaltado que, ainda assim, “de acordo com estimativas próprias do Ipea, o bom desempenho dos indicadores da construção civil e do consumo aparente de máquinas e equipamentos no mês de abril indica que os investimentos tiveram um bom início de segundo trimestre, com alta de 2,8% em abril, na comparação com ajuste sazonal”.