Unica cobra política clara para o setor como estímulo à contribuição à COP 21

Publicado em: 08 novembro - 2016

Leia todas


politica

 

Em 4 de novembro de 2016, entrou em vigor as determinações da COP21 – Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2015 –  reunidas em documento denominado Acordo de Paris, assinado por 195 nações e que é voltado para a redução das emissões dos gases do efeito estufa. Este acordo deverá entrar em vigor a partir de 2020. O objetivo é reduzir o aquecimento global, para que até o ano de 2100 a temperatura média do planeta tenha um aumento inferior a 2°C.

O Brasil, enquanto signatário do Acordo de Paris e participante da COP21, assumiu compromissos para reduzir a emissão de gases do efeito estufa. Entre esses compromissos está a redução em 37% nas emissões destes gases até 2025, ampliando a redução para 43% até o ano de 2030.  Outro compromisso assumido foi de ampliar a participação de fontes de energia renováveis (eólica e solar, por exemplo) na matriz energética.

Como explica Pedro Isamu Mizutani, presidente do Conselho da Unica (União da Indústria de Cana-de-açúcar), o setor tem dado sua contribuição para o cumprimento das metas desse acordo, mas ainda pode fazer mais, desde que haja definição de políticas públicas.

O Brasil tem o compromisso de reduzir em 43% as emissões de gases do efeito estufa e produzir 18% de energia renovável. Olhando para o etanol, isso representa uma produção de 50 bilhões de litros. Hoje, produzimos 30 bilhões, mas podemos aumentar a produção desde que haja uma política pública longo prazo, clara, para incentivar a produção de etanol”, comenta Mizutani, listando entre os pontos a fazerem parte dessa política pública o funcionamento dos preços dos combustíveis e a definição da participação do etanol na matriz energética. “Com essas definições, os empresários do setor terão incentivo para investir no setor”, garante.

O presidente da Unica participou, em 7 de novembro, do Seminário Internacional do Açúcar 2016, em São Paulo (SP) e convidou os demais países produtores de cana-de-açúcar a fazerem o mesmo: “se podemos contribuir dessa forma, países como Reino Unido, Tailândia, China e Índia, presentes neste seminário, também podem contribuir da mesma forma para a melhor qualidade de vida do planeta”.

A 22ª Conferência da ONU sobre o Clima (COP22) será realizada em Marraquexe (Marrocos) entre os dias 7 e 18 de novembro de 2016.



Publicidade